PREFEITURA SANEAMENTO

” Cadê o meu dinheiro, porra!”. Rafael Costa relata depoimento ao Gaeco em que o advogado Júlio César Domingues Rodrigues descreve o deputado Romoaldo Jr, do PMDB, como um parlamentar pretensamente corrupto e truculento. Até agora, o MP não apresentou pedido de prisão de Romualdo para ser analisado pelo Tribunal de Justiça

Romualdo Jr e José Geraldo Riva, alvos do Ministério Público de Mato Grosso na chamada  Operação Ventríloquo

Romualdo Jr e José Geraldo Riva, alvos do Ministério Público de Mato Grosso na chamada Operação Ventríloquo

Deputado segura no braço de advogado em shopping e cobra propina em MT

Romoaldo Junior se irritou com demora na liberação do pagamento de dinheiro desviado da AL

RAFAEL COSTA
Do FOLHAMAX

romoaldo-juliocesar.jpg

Em depoimento ao Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado), o advogado Júlio César Domingues Rodrigues, apontado como o lobista do esquema que desviou R$ 9,5 milhões dos cofres da Assembleia Legislativa por meio de uma fraude em um pagamento que deveria ser destinado à quitação de uma dívida com o HSCB Seguros, revelou que foi cobrado pelo deputado estadual Romoaldo Junior (PMDB) enquanto estava a passeio no Pantanal Shopping tomando um café. A abordagem, conforme narrado no depoimento, se deu quando o advogado estava na empresa Kopenhagem.

Antes disso, já havia sofrido seguidas pressões para compensar o parlamentar com o dinheiro desviado dos cofres do Legislativo. “O Francisvaldo, em várias oportunidades, cobrou o declarante o pagamento do que entendia ser devido a ele e ao deputado Romoaldo. Inclusive, em uma ocasião, estava no Shopping Pantanal, no café da Kopenhagem, e foi abordado pelo deputado Romoaldo, que apresentava estar bravo, lhe segurou no braço e indagou-lhe “Cadê meu dinheiro porra!”, diz um dos trechos.

De acordo com as investigações, o deputado Romoaldo Junior cobrou a quantia de R$ 500 mil do esquema fraudulento enquanto seu chefe de gabinete, Francisvaldo Pacheco, o Dico, exigia 1% do valor que seria aproximadamente R$ 95 mil, mas ao final das contas veio a embolsar R$ 300 mil por meio de cheques. Após ser abordado de surpresa pelo parlamentar, o advogado Júlio César Domingues Rodrigues informou na ocasião que iria entrar em contato com o advogado Joaquim Mielli para providenciar o pagamento. “Todas as vezes que era cobrado pelo Dico e pelo deputado Romoaldo o declarante repassava a demanda ao Miele, mas este dizia que era do dinheiro do deputado e do Dico deveria sair da parte do declarante, pois ele havia assumido o compromisso de pagar apenas os 45%”, diz um dos trechos do depoimento.

O advogado Júlio César Domingues Rodrigues ainda revelou que houve uma confusão por conta de uma viagem do advogado Joaquim Mielli Camargo a Nova Yorque (Estados Unidos) sem ter feito as devidas transferências bancárias ao ex-deputado estadual José Riva. Preocupado com o atraso, Riva recebeu o advogado Júlio Domingues na Assembleia Legislativa.

Neste encontro, Riva o questionou a respeito do repasse do dinheiro que corresponderia a sua parte. “O declarante informou que havia passado a lista das contas entregues pelo Pommot ao Miele, mas ele havia viajado para Nova Iorque e não fez as transferências. Riva ficou transtornado, muito vermelho e começou a xingar o Miele, dizendo que era um “filho da puta e porcaria” dentre outras ofensas. O declarante tentou acalmar o deputado dizendo que Miele voltaria dali uma semana e faria os repasses. Depois de uma semana, o Miele voltou e fez as transferências”, disse.

Atualmente, o chefe de gabinete do deputado Romoaldo Junior (PMDB), Francisvaldo Mendes, o Dico, foi preso preventivamente pelo Gaeco na Operação Filhos de Gepeto no dia 05. O parlamentar detém foro por prerrogativa de função na esfera criminal e só pode ser investigado e preso com autorização do Tribunal de Justiça (TJ). Não houve pedido de prisão contra o peemedebista.

2 Comentários

Assinar feed dos Comentários

  1. - IP 177.193.162.171 - Responder

    corruptos na cadeia

  2. - IP 177.193.162.171 - Responder

    corruptos mafiosos na cadeia

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

dezesseis − nove =