(65) 99638-6107

CUIABÁ

Brasil, mostra tua cara

Governo federal lança segunda fase da Operação Guardiões dos Biomas

Publicados

Brasil, mostra tua cara

O Ministério da Justiça e Segurança Pública lançou hoje (21) a segunda edição da Operação Guardiões do Bioma, que vai atuar no combate a queimadas e incêndios florestais em todo o país. O investimento é de R$ 77 milhões. 

O trabalho de contenção do fogo será feito até janeiro de 2023, com 1.800 agentes da Força Nacional e mais 3 mil brigadistas do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) e do Ibama. 

Os agentes terão à disposição camionetes 4×4 equipadas com kits de combate ao fogo, barcos, drones e monitoramento por GPS. 

A área de atuação será em 15 estados (Acre, Amazonas, Amapá, Espírito Santo, Goiás, Maranhão, Mato Grosso do Sul, Mato Grosso, Minas Gerais, Pará, Piauí, Rondônia, Roraima, Rio Grande do Sul e Tocantins). 

O ministério espera superar o índice de 24% de redução de áreas queimadas, alcançado no ano passado, na primeira fase da operação. 

A operação também terá apoio do Ministério do Meio Ambiente e das secretarias estaduais de Segurança Pública. 

Edição: Fábio Massalli

Leia Também:  MIRANDA MUNIZ: A arrogância de setores da oposição e da mídia hegemônica que, no início de julho, prognosticavam que a Presidenta Dilma não resistiria até o final de agosto, frustrou-se. É bem verdade que uma saída golpista não está totalmente descartada: apostam nos julgamento do TCU (“pedaladas fiscais”) e do TSE (contas da campanha Dilma/Temer), sendo que nesta Corte contam com o aliado incondicional Gilmar Mendes, que age mais com advogado do PSDB do que como magistrado. Também têm esperanças que a Operação Lava Jato possa trazer algum elemento que vincule a presidenta Dilma

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Brasil, mostra tua cara

Bolsonaro promete manter zerados impostos federais de combustíveis

Publicados

em

Candidato à reeleição pelo PL, o presidente Jair Bolsonaro prometeu manter no próximo ano a isenção de impostos federais sobre a gasolina, o álcool, o diesel e o gás de cozinha.

Em encontro com prefeitos, no início da noite de hoje (17), em Brasília, Bolsonaro afirmou ter conversado sobre o assunto com o ministro da Economia, Paulo Guedes.

“Hoje tive mais uma conversa com parte da equipe econômica do [ministro da Economia] Paulo Guedes sobre o PLOA [Projeto de Lei Orçamentária Anual], o nosso orçamento para o ano que vem. Garantimos continuar no ano que vem com zero imposto federal na gasolina, no diesel, no álcool e no gás de cozinha”, disse Bolsonaro durante o encontro.

Um projeto de lei complementar, aprovado no Congresso em junho zerou, até 31 de dezembro de 2022, as alíquotas de Cide-Combustíveis e a tributação de Programa de Integração Social (PIS) e Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (Cofins) incidentes sobre a gasolina. O diesel e o gás de cozinha já têm esses tributos zerados. Segundo a promessa do presidente, essas alíquotas continuariam zeradas em 2023.

Leia Também:  CEARÁ DO MCCE: A eleição indireta pós-golpe-midiático-parlamentar-judicial de 2016, como querem os achacadores da República, é mais um golpe dentro do golpe, é retrocesso

Servidores e Auxílio Brasil

Bolsonaro falou para uma plateia de prefeitos no auditório de um hotel de Brasília. Também estiveram presentes o senador Eduardo Gomes (PL-TO), atualmente licenciado do cargo, e a deputada federal Flávia Arruda (PL-DF), que foi ministra da Secretaria de Governo. Em seu discurso, o candidato à reeleição prometeu conceder reajuste aos servidores públicos em 2023, mas não definiu um percentual.

O candidato à reeleição também disse que vai avaliar com sua equipe econômica a possibilidade de manter o valor de R$ 600 do Auxílio Brasil. Atualmente, esse valor tem vigência garantida até 31 dezembro. Depois, volta aos R$ 400 originais. Bolsonaro disse que avaliará a possibilidade “dentro da responsabilidade” para evitar inflação.

“Conversei com o ministro Paulo Guedes, também dentro da responsabilidade, vamos nos socorrer do parlamento para a gente tornar definitivo esse valor de R$ 600 a partir de 2023. Tenho certeza que o parlamento vai se fazer presente. Repito, com responsabilidade. Se a gente fizer sem responsabilidade, o dólar vai lá para cima, a inflação também”. 

Leia Também:  Em ato na sede da ABI, Adriano Pilatti, diretor do departamento de direito da PUC-Rio, fez exposição sobre erros jurídicos, morais e políticos do julgamento da Ação Penal 470. Princípios básicos não apenas da Constituição mas dos direitos humanos consolidados há séculos foram violados para satisfazer uma sanha vingativa. A presunção da inocência foi esquecida. Foi um julgamento carregado de ódio político e preconceito ideológico, tentava-se o tempo inteiro silenciar, muitas vezes com brutalidade, a única voz destoante, a do ministro Lewandowski. A postura do STF no julgamento do mensalão inscreveu-se na tradição dos setores golpistas da elite brasileira, e as barbaridades ali perpetradas serão estudadas por muitas décadas por estudantes, juristas e historiadores

Depois do evento, falando a jornalistas, Bolsonaro indicou que deve enviar, após as eleições, uma Proposta de Emenda à Constituição (PEC) ao Congresso para tornar o valor do Auxílio Brasil de R$ 600 definitivo.

O valor original Auxílio Brasil é R$ 400, mas o Congresso Nacional aprovou uma PEC, promulgada no dia 14 de julho, que aumenta o benefício em R$ 200 até o fim do ano, além de conceder um auxílio de R$ 1 mil para caminhoneiros, um benefício para taxistas, duplicar o valor do vale-gás e reforçar o programa Alimenta Brasil, entre outros benefícios. A criação dos benefícios foi possível com a criação de um estado de emergência até o fim do ano.

Amanhã (18) Bolsonaro visita o Parque Tecnológico em São José dos Campos (SP), onde terá uma serie de eventos. Ele visita o Cemaden (centro monitoramento desastres naturais órgão governo Federal), e participa de um evento sobre inovação, tecnologia e empreendedorismo no Brasil.

Edição: Fábio Massalli

Fonte: EBC Política Nacional

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

MATO GROSSO

POLÍCIA

Economia

BRASIL

MAIS LIDAS DA SEMANA