BLOGUEIRO MIGUEL DO ROSÁRIO: Marina Silva agrega outro adjetivo à sua história política: golpista. Marina Silva é sempre capaz de nos surpreender com o tipo mais desprezível de trairagem. Quando o país começa a respirar com a possibilidade de retomar o crescimento e vencer o processo de instabilidade política insuflado pelo golpismo de Eduardo Cunha e seus cúmplices na mídia e no parlamento, vem Marina Silva apostar em mais instabilidade e em mais golpe. É a cara de Marina apoiar cassação da Dilma no TSE

Marina agrega outro adjetivo à sua história política: golpista

Aécio-e-Marina

É incrível.

Marina Silva é sempre capaz de nos surpreender com o tipo mais desprezível de trairagem.

Quando o país começa a respirar com a possibilidade de retomar o crescimento e vencer o processo de instabilidade política insuflado pelo golpismo de Eduardo Cunha e seus cúmplices na mídia e no parlamento, vem Marina Silva apostar em mais instabilidade e em mais golpe.

É a cara de Marina apoiar cassação da Dilma no TSE.

Ela não tem cara de golpe paraguaio, que é parlamentar. É sujo e violento, mas tem o verniz, ao menos, de uma participação popular, via seus representantes no congresso.

Marina tem cara de golpe hondurenho, que é ainda mais ardiloso e mais antidemocrático: o golpe judicial.

A coisa é mais grave porque Marina participou do processo eleitoral, e quase ganhou, não fosse tão inconsistente e tão fraca, curvando-se ao Pastor Malafaia ao primeiro embate.

Com Marina, não teríamos podido vencer, como vencemos até o momento, a onda de leis reacionárias que Eduardo Cunha tentou impingir ao país desde sua posse.

Além de ressentida e traíra, Marina agrega outro qualificativo à sua história política.

Golpista.

***

No UOL.

(Estadão Notícias).

Marina diz que Dilma não tem mais liderança e defende processo de cassação do TSE

De Ribeirão Preto
07/01/2016 – 11h39

Ribeirão Preto – A ex-senadora e ex-candidata a presidente da República Marina Silva (Rede) retomou as críticas à presidente Dilma Rousseff (PT) e afirmou, em entrevista à Rádio Gaúcha, que a adversária “não tem mais a liderança política no País nem maioria no Congresso”.

Marina disse que Dilma e o vice-presidente Michel Temer (PMDB) são os responsáveis pelos desmandos geradores, na avaliação dela, da crise brasileira e defendeu o processo de cassação da chapa vitoriosa das eleições de 2014 como forma de afastá-los do cargo.

“No meu entendimento, o melhor caminho para o Brasil é o processo que está no TSE (Tribunal Superior Eleitoral), porque teria a cassação da chapa com a comprovação de que o dinheiro da corrupção foi usado para a campanha do vice e da presidente”, afirmou Marina.

Como já tinha feito, a ex-senadora procurou não defender o processo de impeachment que tramita na Câmara dos Deputados, mas discordou da tese do governo de que o procedimento aberto pelo presidente da Casa, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), é golpe.

“Impeachment não é golpe. Está previsto na Constituição, foi feito contra (o ex-presidente da República e atual senador, Fernando) Collor, foi pedido pelo PT várias vezes e eles achavam que não era golpe”, afirmou.

Marina disse que a Dilma “não disse a verdade” durante a campanha a presidente em 2014 sobre a economia brasileira, o que apenas agravou a situação do País no ano passado, o primeiro do segundo mandato dela.

“Se (Dilma) tivesse trabalhado com a verdade, assumiria que corríamos grave risco em relação aos inúmeros problemas que tivemos desde 2008. É engraçado porque (enquanto) países do mundo correram atrás para resolver a crise, disseram que era apenas uma marolinha e chegaram a dar lição de moral até para a Alemanha”, afirmou a ex-senadora, em uma crítica também ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Uma das favoritas à eleição presidencial em 2018, segundo as mais recentes pesquisas de intenção, Marina disse que ainda não tem clareza se será novamente candidata. No entanto, ela voltou a criticar os ataques sofridos por ela durante o pleito de 2014, principalmente pelo PT, seu ex-partido político, e pela presidente Dilma.

“Diziam que, se eu ganhasse, o governo não teria maioria no Congresso e hoje a presidente não tem maioria. Diziam que, se eu ganhasse, eu iria tirar alimentos das pessoas pobres e isso ocorre com a inflação que atinge a mesa dos brasileiros. Diziam que, se eu ganhasse, iria acabar com Pronatec e Prouni e isso o atual governo está fazendo. As pessoas projetam em você o que vão fazer”, concluiu.

3 Comentários

Assinar feed dos Comentários

  1. - IP 152.254.143.20 - Responder

    Golpe é o que o PT, está fazendo com o País.

  2. - IP 189.11.209.247 - Responder

    Petralhas nojentos .
    Qualquer um que abandone esse amontoado de ratos agora não presta e é golpista.
    Marina Silva , assim como Heloisa Helena , Flávio Arns , Paulo Paim , entre tantos bons que um dia acreditaram nessa mentira , saíram porque não suportaram ver que o pt quer o poder a qualquer preço.

  3. - IP 177.214.57.224 - Responder

    blogueiro, isso la’ e’ profissao.Tem dono de blog que se auto denomina jornalista.Mas so’ ele acredita nisso.Eu nao deixaria minha filha casar com um blogueiro,vulgo mamador de verbas publicas.

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

6 + 17 =