BAFÃO NO FÓRUM DE CUIABÁ: Procurador de Justiça Mauro Viveiros, que é corregedor-geral do MP, é denunciado ao Conselho Nacional do MP pela Ong Moral por pretenso abuso de autoridade, constrangimento ilegal, ameaça e advocacia administrativa. Mauro teria ameaçado Hiran Melo, cunhado de uma ex-sócia de sua esposa, que acaba de romper sociedade em academia de ginástica. Viveiros nega ter dado voz de prisão para alguém e afirma que não estava no exercício funcional, mas em defesa do filho, Mauro Viveiros Filho, e da esposa, Regina Viveiros, acusados de crime que não cometeram “por quem acabara de perpetrar uma fraude confirmada pela própria vítima”. LEIA A DENÚNCIA DA ONG E A DEFESA DO CORREGEDOR

Ong Moral denuncia Mauro Viveiros no CNPM por abuso de autoridade by Enock Cavalcanti

Defesa de Mauro Viveiros diante de acusação de abuso de autoridade formulada no CNMP pela Ong Moral by Enock Cavalcanti

Mauro Viveiros, que é procurador de Justiça e corregedor geral do Ministério Público, em Mato Grosso, agora está sendo denunciado por abuso de autoridade. Ele teria agido com violência contra advogado de ex-sócia  de sua esposa, em litigio de rompimento da sociedade que corre no Fórum de Cuiabá

Mauro Viveiros, que é procurador de Justiça e corregedor geral do Ministério Público, em Mato Grosso, agora está sendo denunciado por abuso de autoridade. Ele teria agido com violência contra advogado de ex-sócia de sua esposa, em litigio de rompimento da sociedade que corre no Fórum de Cuiabá

DENÚNCIA DE ONG

Corregedor da procuradoria de MT é acusado de abuso de autoridade em fórum

DO CONSULTOR JURÍDICO

 

Por conta de uma discussão no Fórum de Cuiabá, o corregedor-geral da Procuradoria Geral de Justiça de Mato Grosso, Mauro Viveiros, está sendo acusado de abuso de autoridade, constrangimento ilegal, ameaça, advocacia administrativa (patrocínio, pelo funcionário, de interesse privado perante a administração pública) e exercício arbitrário das próprias razões.

A denúncia foi formalmente apresentada pela ONG Movimento Organizado pela Moralidade Pública e Cidadania (Moral) ao Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP). De acordo com a acusação, o procurador ameaçou funcionários do cartório e policiais porque sua mulher iria ser citada em um processo para encerramento de uma sociedade.

Segundo a denúncia e boletins de ocorrência sobre o caso, o desentendimento aconteceu na 13ª Vara Cível, onde estavam a mulher do procurador, seu filho e as outras partes do negócio. Segundo os relatos, uma estagiária entregou para a mulher do procurador a citação no processo de litígio. Nesse momento começou uma discussão. Primeiro porque não houve concordância sobre a legalidade dessa citação; depois porque a mulher do procurador afirmou que a citação só poderia ter sido entregue por um oficial de Justiça, não por uma estagiária.

Nesse momento, o filho do procurador passou a alegar que a citação era ilegal e tomou o documento para si. A polícia foi chamada a intervir e todos foram para uma sala de segurança do Fórum. Logo em seguida chegou Mauro Viveiros. Segundo os relatos, Viveiros teria dado voz de prisão aos gritos para o cunhado da ex-sócia da sua mulher no negócio desfeito e começou a chamá-lo de criminoso e vagabundo. Foi este homem que apresentou os boletins de ocorrência à ONG autora da denúncia.

Todos foram levados para a sala de um juiz, onde as ofensas teriam continuado. Nesse local, a intimação foi entregue ao juiz, mas este pediu que todos fossem ouvidos na Assessoria Militar para esclarecer os fatos. Viveiros também foi acusado de ofender policiais militares.

Imagens
A reportagem da ConJur teve acesso a imagens do circuito interno do Fórum de Cuiabá que mostram parte da confusão. Em um trecho, o procurador discute com policiais e com o cunhado da ex-sócia. Em outro momento, o Viveiros aparece tentando interromper um depoimento do cunhado da ex-sócia de sua mulher. E em outro trecho, Viveiros aparece discutindo com policiais.

Outro lado
O procurador Mauro Viveiros apresentou sua defesa ao MP. Ele também nega ter dado voz de prisão para alguém e afirmou que não estava no exercício funcional, mas em defesa do filho. Viveiros também afirma que é a falsa a acusação sobre o furto de documentos públicos praticada por sua família. Ele diz que seu filho e sua mulher foram acusados de crime que não cometeram e “por quem acabara de perpetrar uma fraude confirmada pela própria vítima”.

Viveiros também diz que o homem que afirma ter sido xingado por ele “visava livrar-se da prova da fraude que praticara pouco antes, quando induziu uma estagiária a fazer a citação de sua esposa na ação que a sócia lhe propôs”. Ele também relatou que o homem que o acusou já havia ameaçado outro de seus filhos em outra oportunidade.

FONTE CONSULTOR JURÍDICO

17 Comentários

Assinar feed dos Comentários

  1. - IP 189.87.159.25 - Responder

    Se isso tivesse acontecido na vara de 2 outros juízes da cível, com certeza ele sairia preso de lá…

    • - IP 187.7.212.2 - Responder

      PAPEL ACEITA QUALQUER COISA MESMO! E A INTERNET NÃO É DIFERENTE! VOCÊ PODE COLOCAR NELE APENAS O TRECHO DE UM TEXTO E FAZER PARECER QUE SE TRATA DE OUTRA COISA, OU ENTÃO, RETIRAR DE UMA FILMAGEM UMA DETERMINADA POSE DE ALGUÉM E DIZER QUE ESSA É A PROVA DE QUE A PESSOA FEZ DETERMINADA COISA. A VERDADE É QUE A MÍDIA – QUE PODE E É COMPRADA, EM BOA PARTE DAS VEZES – FAZ DO PÚBLICO MARIONETES, POIS NÃO TEM O MENOR RESPEITO, MUITO MENOS COMPROMISSO COM A VERDADE. PROVA DISSO É ESSA MATÉRIA QUE DÁ INFORMAÇÕES INVERÍDICAS SOBRE O CASO – QUE SÓ PODEM TER SIDO FORNECIDAS PELO MARGINAL INTERESSADO EM JOGAR SUJEIRA EM QUEM NÃO COMPACTUA COM MALANDRAGEM.

  2. - IP 187.7.212.2 - Responder

    Enock… num tem “boutique” nenhuma na história. A pendenga toda é por causa do desfazimento de uma sociedade em uma “academia de ginástica”. Vc não leu a defesa do Procurador? Porra Enock!

  3. - IP 187.7.212.2 - Responder

    A VERDADE É QUE UM CASAL DE MALANDROS QUE CONSEGUIU ENGANAR, POR MUITO TEMPO, UMA FAMÍLIA INTEIRA, A PONTO DE CONSEGUIR COM ELA SOCIEDADE NUMA EMPRESA, QUANDO SE VIU DESMASCARADO POR AQUELAS PESSOAS HONESTAS – QUE OUSARAM CAIR FORA DA CILADA QUE ELES HAVIAM ARMADO -, DECIDIU, FINALMENTE, AGIR DE ACORDO COM SUA NATUREZA INESCRUPULOSA E DESONESTA, E PASSOU A SUJAR O NOME DA FAMÍLIA . NOME, ALIÁS, LIMPO, E DO QUAL ELES SE VALERAM PARA MONTAR A EMPRESA, JÁ QUE O SEU É MAIS SUJO QUE PAU DE GALINHEIRO…

  4. - IP 189.73.210.136 - Responder

    A Paginadoe poderia publicar a petição inicial da Ong. Moral para que pudéssemos nos maravilhar com mais mais uma pérola jurídica e, além disso, conhecer os fundamentos jurídicos daquela plêiade de juristas de escol, com o objetivo de formar ou construir uma compreensão dos fatos, sempre em busca da verdade… uma vez que a Ong. Moral tem comprometimento com uma das partes e, portanto, sua suposta versão não pode ser recebida como manifesta, pronta e perfeita verdade… É tudo uma questão de racionalização em busca da justiça do fatos que, via de regra, os envolvidos, como a Ong. Moral, não conseguem formular influenciados pelas paixões, versões e interesses muitas vezes não manifestos… Aguardemos esses subsídios indispensáveis.

    • - IP 191.8.244.37 - Responder

      Sr. Itagi:
      Suas estultícias estão saindo da crítica para a acusação caluniosa. Gostaria que vossa senhoria passasse a fazer isso usando seu nome verdadeiro e não esse apelido ridículo. O espaço público da internete não é valhacouto para vilipendiadores da honra alheia.

      • - IP 189.73.210.136 - Responder

        A matéria jornalística afirma que a Ong. Moral denunciou a autoridade ao CNMP. Diz a matéria jornalística que “A denúncia foi formalmente apresentada pela ONG Movimento Organizado pela Moralidade Pública e Cidadania (Moral) ao Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP). De acordo com a acusação, o procurador ameaçou funcionários do cartório e policiais porque sua mulher iria ser citada em um processo para encerramento de uma sociedade.” Ora, a Ong. Moral tem claramente um lado e coloca-se como acusadora daquela autoridade que, por sua vez, apresenta uma outra versão dos fatos. Então onde está a acusação caluniosa deste pobre vivente? Se Ademar Adams não consegue trabalhar com a correta definição legal de calúnia, corre o risco de, por ignorância, de repente cometer o crime que ora me atribui de modo leviano. Por outro lado, Ademar não está investido de nenhuma autoridade estatal para exigir isto ou aquilo de quem quer que seja… Adams tem, evidentemente, o direito de achar ridículo ou não gostar dos nomes ou pseudônimos das pessoas, mas daí fazer exigências descabidas demonstra apenas que seus argumentos, ideias e posicionamentos são frágeis e não suportam o debate livre. O que há índio velho, enveredando pelos caminhos das contradições insuperáveis? Vai apelar para as soluções de força fundadas na irrazoabilidade? Vai se esconder no valhacouto dos déspotas, fascistas e afins? Você, ou melhor, Vossa Senhoria tem´preparo e capacidade para muito mais que isso… não decepcione seus admiradores e nem se faça frágil diante de seus adversários e inimigos… Pede lá um conselho para a cuia de chimarrão, logo de manhã, que isso vai passar e você, digo, Vossa Senhoria vai perceber a enorme oportunidade que abre diante de nós… depois, evidentemente, de uma ducha fria sobre as têmporas para organizar as ideias…

  5. - IP 187.7.212.2 - Responder

    CUIDADO SR. CORREGEDOR DO MP! O SEU CARGO LHE IMPEDE DE SER UMA PAI IGUAL A QUALQUER OUTRO… PORTANTO, SE VIR, DE NOVO O SEU FILHO, CAINDO NUMA CILADA ARMADA POR UM MARGINAL QUE FEZ À POLICIA UMA DENUNCIAÇÃO CALUNIOSA CONTRA ELE, FIQUE QUIETO, DEIXE QUE ENGANEM A POLÍCIA E TRATEM SEU FILHO COMO SE ELE FOSSE UM CRIMINOSO. AFINAL, VOCÊ É O CORREGEDOR DO MINISTÉRIO PÚBLICO, E, QUALQUER COISA QUE VIER A FAZER – AINDA QUE SEJA DEFENDER O FILHO DE UMA ARMAÇÃO – SERÁ USADO CONTRA VOCÊ. AFINAL, QUE OUTRA OPORTUNIDADE SEUS INIMIGOS TERÃO PARA FALAR MAL DE VOCÊ?

  6. - IP 187.123.2.208 - Responder

    Nossa! Os animos dos membros do MP estão, como se pode ver, cada vez mais exaltados. Seria isso reflexo da explosiva Operação Ararat??

  7. - IP 191.8.244.37 - Responder

    Ana Maria do que mesmo?

  8. - IP 201.88.216.112 - Responder

    Autoridade ? Atá… quem falou que esse povo do MP é autoridade? Bosta nenhuma !

    • - IP 191.179.132.43 - Responder

      Mas esse MP ultimamente ta pegando fogo…valha-me ta animado que só….aliás a comunidade jurídica inteira é juiz brigando com porteiro promotor se atracando com polícia corregedor dando abafo em fórum o jeito é chamar uma mãe de santo pra ver se a coisa melhora nesse Mato Grosso porque ta feio….muito feio….

  9. - IP 177.193.131.87 - Responder

    DOUTOR MAURO VIVEIROS,um homem de conduta ilibada! A família Viveiros foi enganada. É só aguardarem para ver quem são os acusadores… Como a ANA MARIA comentou: nome mais sujo que pau de galinheiro! Nunca nos enganou!
    Uma pena ver um nome tão limpo como o de Mauro ser atacado por um cara tão baixo!
    Deus está vendo tudo!

  10. - IP 189.73.210.136 - Responder

    O debate pegando fogo – com novas e importantes informações – e Ademar Adams querendo o nome, o sobrenome, o apelido, o RG e o CPF de Ana Maria? Desde quando o exercício do direito de opinião, neste espaço, passou a ser administrado e fiscalizado por Adams? A democracia da Paginadoe não pode ficar sob a verificação de Adams porque então teríamos a instalação de um aparelho fascista-stalinista sem nenhuma razão e justificativa. Essa tentativa de intimidação deve ser repudiada e repelida de modo contundente. “O costume do cachimbo deixa a boca torta”…

  11. - IP 187.123.9.114 - Responder

    Legal ver os pré-conceitos das pessoas ao lerem matérias de suposto abuso de autoridade sem nenhuma carga comprovatória. Quando é um Magistrado Estadual é “juizite aguda” quando é um membro do MP “esta defendendo a honra da família”. Nada contra ou a favor nenhum dos dois, espero que ambas as condutas sejam apuradas e caso não haja culpa, arquivadas. Mas é óbvio que a postura do TJ-MT (depois de diversos escândalos e da chegado do CNJ) mudou, e muito, já vimos diversos Magistrados serem punidos, inclusive com a pena máxima. Agora, que eu nunca vi ninguém ser punido por algo na Corregedoria do MPE-MT e/ou pelo CNMP, isto eu nunca vi. Sera que eles nunca erram?

  12. - IP 179.217.124.178 - Responder

    Não sei o que mais me admira nesta história toda…
    Uma ONG ou um jornalista experientes e reconhecidos se prestarem a noticiar tamanha bagatela….
    Problema pessoal. Vida íntima. Ali não estava o corregedor, mas o pai, o marido.
    Quando Gilson de Barros passou por isso sentenciou: “cassem as minhas prerrogativas de deputados, mas não cassem meus direitos de pai!”

    Isso aqui ta virando blog de fuxico…..só falta colocar messias pra ser articulista em calderões dessa natureza.
    Não basta ser o polemista desembestado. é preciso ter um caráter teleológico, uma função social

    O sangue pingando, o Estado falido moral e espiritualmente e essa ONG com respaldo deste blog tão discutindo “bafões”….

    enfim, quem tem tempo caga longe! deve ta com pouco serviço no TRT

  13. - IP 177.203.1.111 - Responder

    Se o procurador tivesse avisado o Pica Pau , nada disso teria acontecido.

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

6 + doze =