(65) 99638-6107

CUIABÁ

Antes Arte do Nunca

Por que vemos cada vez mais sexo nas séries americanas? "Orange Is the New Black", do Netflix, resgatou cenas de sexo entre mulheres que até então só se via em filmes pornográficos. "Game of Thrones", da HBO, levou ao ar cenas de sexo de uma maneira jamais vista na TV americana: incesto, sexo oral, orgias, bordeis, seios, seios e mais seios. A nova safra de seriados pode ser a prova do velho conceito de que sexo vende

Publicados

Antes Arte do Nunca

girls serie hbo na pagina do enockPor que vemos cada vez mais sexo nas séries americanas?

‘Game of Thrones’ explora aspectos do sexo de maneira nunca vista na TV americana

Desde seu primeiro episódio, em 2011, a série Game of Thrones, da HBO, levou ao ar cenas de sexo de uma maneira jamais vista na TV americana: incesto, sexo oral, orgias, bordeis, seios, seios e mais seios.

No ano seguinte, outro novo seriado na mesma HBO, Girls, ganhou a mídia por um motivo parecido: a inclinação de suas jovens estrelas de tirar a roupa para protagonizar cenas de sexo de alta voltagem.
Ao raiar de 2013, depois de tanta nudez e tantos encontros picantes, uma série inteira sobre sexo já parecia algo quase corriqueiro. Mesmo assim, Masters of Sex– drama sobre o trabalho inusitado dos sexólogos William Masters e Virginia Johnson nos anos 50 – estreou no canal Showtime e, agora, está em sua terceira temporada, sendo exibida no Brasil pela HBO.
Na época em que Masters of Sex se passa, o sexo era um tema tão tabu que até casais unidos pelo santo matrimônio em seriados como I Love Lucy tinham que ser mostrados dormindo em camas separadas.
Mas nos anos 70, marido e mulher já podiam dividir a mesma cama, e falar sobre sexo não era algo tão proibitivo. Tanto que Maude, da série de mesmo nome, acaba fazendo um aborto, enquanto Mary do The Mary Tyler Moore Show dá a entender que toma anticoncepcionais.
Hoje, as cenas explícitas na telinha viraram lugar comum: simplesmente assumimos que elas acontecem em qualquer seriado de drama para adultos, comoThe Americans, The Affair, House of Cards, Scandal, How to Get Away with Murder, Orphan Black, Transparent e Outlander. A “era dourada dos dramas na TV” também marca o início de uma era dourada do sexo na TV.

Cinema mais contido

Allison Williams in girls

O canal HBO foi um dos pioneiros na exibição de conteúdo mais explícito na TV, como em ‘Girls’

Certamente, as mídias sociais incentivaram as emissoras a ousar, compensando qualquer cena mais chocante com hashtags que logo disparam entre as mais comentadas. Mas, misteriosamente, o cinema enveredou na direção oposta, tornando-se cada vez menos explícito enquanto tenta alcançar uma audiência mais ampla e variada. Mirando em um público familiar e sem o potencial que a TV tem de gerar uma repercussão em uníssono, a indústria de filmes adotou uma linha diferente.
Enquanto Hollywood ficou mais contida, a televisão se tornou a principal fonte para quem quer se deliciar com cenas intensas. O principal motivo para essa mudança é que os dois meios praticamente reverteram seus papeis dentro da cultura americana.
Até pouco tempo atrás, o cinema era mais “descolado”: mais visionário, o lugar perfeito para se testar limites. A TV era algo de segunda divisão, um espaço para a diversão das massas, não para a arte nem para o entretenimento “amadurecido”. Era algo para o consumo de todos.
Mas no início dos anos 2000, a HBO ganhou destaque com seriados com aspirações mais artísticas. David Chase criou Família Soprano, inspirado nos corajosos filmes de Francis Ford Coppola e Martin Scorcese dos anos 70. (A boate de striptease Bada Bing! certamente aumentou o quociente de nudez nas telinhas, assim como as caminhadas errantes de Tony Soprano, cheias de sexo).
A partir daí, a TV se tornou algo sério, com anti-heróis, uma bela fotografia, roteiros bem lapidados, atuações impecáveis – e muito conteúdo para maiores de 18. Foi o caso de Mad Men, Breaking Bad, Lost, Dexter, The Good Wife,Homeland e House of Cards, entre tantas outras.
A TV a cabo e os serviços de streaming online também tiveram um papel importante: com menos restrições por parte da Comissão Federal de Comunicações dos Estados Unidos, os programas puderam usar maneiras mais provocativas de atrair a atenção dos espectadores. Basicamente, nos anos 2000, a televisão se tornou o que o cinema foi nas décadas de 60 e 70.

Leia Também:  Arnaldo Jabor, em visita a Goiás, critica música sertaneja e afirma que existe uma “ascensão do mau gosto”. As críticas foram de forma geral a todo tipo de produção massificada.“O show de qualquer babaca enche. Esses filmes, como os do [Fábio] Porchat, não tem reflexão alguma”, e completou: “Hoje as pessoas não querem pensar

Exceções nas bilheterias

‘Masters of Sex’, do canal pago Showtime, escapa das restrições à TV aberta nos EUA

Enquanto isso, a indústria cinematográfica mudou radicalmente. À medida que os estúdios passaram a buscar grandes faturamentos, eles retomaram quase que exclusivamente a realização de filmes de franquia, com marcas imediatamente reconhecidas pelo público.
Os investimentos cada vez maiores em superastros e efeitos especiais de ponta fizeram com que as produções fossem destinadas a uma audiência mais ampla, tanto dentro quanto fora dos Estados Unidos. O resultado: um monte de explosões e imagens geradas por computador, mas pouquíssimo sexo.
Ao mirar em uma audiência global, Hollywood se conscientizou sobre as sensibilidades de outros países e dos tabus envolvendo conteúdo explícito. Os poucos sucessos que vencem essas barreiras, como Cinquenta Tons de Cinza e a franquia Magic Mike, mostram uma boa quantidade de corpos nus e pouca sutileza. Mesmo assim, as bilheterias demonstram que as produções destinadas a agradar toda a família são as que faturam mais.

Leia Também:  Alunos da Escola Livre Porto Cuiabá apresentam a peça "A pena e a Lei", de Ariano Suassuna, de quinta a domingo, no Teatro do Cerrado

Sexualidade em novos ângulos

‘Orange is The New Black’ tornou o sexo entre mulheres na TV algo corriqueiro

A nova safra de seriados pode ser a prova do velho conceito de que sexo vende. Mas eles o fazem de uma maneira inovadora, artística e provocadora, desafiando as normas sociais.
A explosiva inovação trazida pela roteirista e produtora Shonda Rhimes paraGrey’s Anatomy em 2005 deu início a essa ebulição da TV americana, com seu enorme elenco de médicos e médicas bonitões transando em salinhas entre uma cirurgia e outra.
A série não explorou apenas o sexo – ela tornou o sexo na TV mais feminista, com suas cenas de mulheres recebendo sexo oral, casais de lésbicas e a palavra “vagina” sendo sugerida o tempo todo. Rhimes manteve sua marca registrada em outras de suas criações, como Private Practice, Scandal e How to Get Away With Murder.
Seus programas também foram pioneiros em mostrar cenas de sexo entre homossexuais fora dos domínios da TV pay-per-view.
Ao mesmo tempo, Orange Is the New Black, do Netflix, resgatou cenas de sexo entre mulheres que até então só se via em filmes pornográficos. Afinal, não há nada mais clichê nesse gênero do que duas garotas bonitas transando na cadeia.
Mas o seriado humanizou essas relações, tornando-as tão peculiares quanto as personagens que protagonizam a série. Algumas cenas de sexo são dóceis, outras aventureiras, outras românticas e outras até embaraçosas. Muitas das atrizes não têm aquele corpo idealizado tradicional. E o que se vê, no fim, é que o sexo entre mulheres na prisão vira algo corriqueiro. Nós torcemos por alguns dos casais e odiamos outros, da mesma maneira que fazemos pelos pares heterossexuais das novelas.
A série Grace and Frankie, também do Netflix, faz o mesmo pela sexualidade dos idosos. A história começa quando os maridos das duas personagens do título as abandonam para ficarem juntos – uma admissão óbvia de que o sexo ainda é importante para quem tem 70 e poucos anos.
As esposas abandonadas não perdem tempo em encontrar novos potenciais parceiros, principalmente Grace, vivida por Jane Fonda, que dá a seu amante uma lição clara de uma boa preliminar.

COMENTE ABAIXO:

Propaganda
Clique para comentar

Você precisa estar logado para postar um comentário Login

Deixe uma resposta

A verdade vos libertará

LEANDRO KARNAL: Livro é um presente permanente. Ler é esperança, sempre

Publicados

em

Por

Karnal

Uma ponte de livros

Por Leandro Karnal

Sim! Você sobreviveu até a penúltima semana de 2020. Parabéns! Eu sei que os pessimistas estão dizendo: ainda faltam vários dias. É verdade. Seria tão injusto falhar agora! Viemos nadando com desafios desde março. A outra margem do rio está tão próxima. Sejamos otimistas: chegaremos todos a 2021.

Há uma possível pausa pela frente. Em algum momento você terá um pouco mais de folga. Chegou a hora de pensar estrategicamente: livros. Por quê? Não sei o que nos aguarda no ano próximo e novo. Sei que ele será mais bem vivido se houver mais pensamentos, maior conhecimento, mais informações. Atrás de sugestões para ter ou presentear? Farei algumas. Lembre-se sempre: um livro é um presente permanente que pode mudar a cabeça do agraciado.

Literatura? É o ano do centenário de nascimento de Clarice Lispector. A editora Rocco lançou um volume alentado e lindo com Todas as Cartas. É a correspondência da nossa maior escritora em um tomo que “fica sozinho em pé”. A leitura me trouxe um enorme prazer. Se o gênero correspondência não faz sua cabeça, mergulhe nos volumes da mesma editora com várias obras de Clarice: A Maçã no Escuro, A Legião Estrangeira, Onde Estivestes de Noite, O Lustre, Perto do Coração Selvagem, Felicidade Clandestina e A Bela e a Fera. São apenas alguns dos títulos lindos, com capas sedutoras e textos que vão alterar seu mundo.

Quer reencontrar outros clássicos? A Cia das Letras lançou Ressurreição, de L. Tolstoi. A luta de um nobre para reparar um erro grave do passado é o eixo daquele que, para mim, é uma das melhores obras do russo genial. Se Tolstoi o atrai, a editora Todavia reuniu 4 obras dele (Felicidade Conjugal, A Morte de Ivan Ilitch, Sonata a Kreutzer e Padre Siérgui) em um único volume.

Você sobreviveu a uma das mais transformadoras epidemias na história. Que tal ler A História das Epidemias, de Stefan Cunha Ujvari? Saiu pela editora Contexto. Aprende-se muito com o livro, bem escrito e solidamente pesquisado. Prefere o terreno argiloso da política e da sociedade? A pesquisa de Bruno Paes Manso resultou no necessário A República das Milícias. O livro proporciona análises indispensáveis e medos incontornáveis.

Leia Também:  Projeto de nação no Brasil deve integrar Educação e Cultura, defende José Miguel Wisnik

Você prefere algo que o anime? Pedro Salomão lançou o Valor Presente – A Estranha Capacidade de Vivermos um Dia de Cada Vez pela Best Business. Tive o privilégio de fazer o prefácio. Na mesma linha, uma coletânea com textos exemplares de Mario Sergio Cortella: Sabedorias para Partilhar, da Vozes/Nobilis.

Quer discutir amor e casamento? Não perca Amor na Vitrine – Um Olhar Sobre as Relações Amorosas Contemporâneas, de Regina Navarro Lins. A psicanalista vai mexer com suas convicções tradicionalistas e desafiar seus censores invisíveis.

Eduardo Giannetti sempre faz pensar. Li com avidez O Anel de Giges, da Cia das Letras. Tomando a lenda platônica do anel que produz invisibilidade, o que restaria da ética? Um homem invisível precisa se manter com boas regras morais ou vai acabar se entregando a seus desejos e caprichos menos nobres de espírito? Foi a leitura que mais me provocou inquietações no ano de 2020. É genial a capacidade de Gianetti de combinar densidade com linguagem leve.

Você ou o seu amigo-secreto amam viajar? Guilherme Canever lançou dois tomos pela Pulp: Destinos Invisíveis – Uma Nova Aventura pela África e Uma Viagem Pelos Países Que Não Existem. Livros densamente ilustrados, com um olhar agudo para lugares inusitados.

A Autêntica vai fundo na alma humana ao lançar uma nova edição do Além do Princípio do Prazer. O livro chegou ao centenário agora e a cuidadosa tradução de Maria Rita Salzano Moraes ajuda a valorizar a obra fundamental do dr. Freud.

Foi um ano estressante, reconheçamos. Talvez seja hora de pensar em um texto sobre ansiedade e o desafio da saúde mental. O dr. Leandro Teles, pela editora Alaúde, lançou Os Novos Desafios do Cérebro – Tudo o Que Você Precisa Saber Para Cuidar da Saúde Mental nos Tempos Modernos. Acho que a grande meta de 2021 é o desafio do equilíbrio. O livro do dr. Teles ajuda muito.

Leia Também:  João Bosquo e Luiz Edson Fachin, dois amigos poetas

Você ama narrativas biográficas? A obra de Adam Zamoyski (Napoleão – O Homem Por Trás do Mito – ed. Crítica) prenderá sua atenção do início ao fim. O imperador raramente encontrou um biógrafo tão denso e sem lados definidos: sem o sempre esperado “monstro corso” (contra) ou gênio militar e político (a favor). Continua interessado em narrativas biográficas e domina inglês? Hildegard of Bingen – The Woman of Her Age, de Fiona Maddocks (Image Books), foi uma descoberta muito feliz. A entrevista final com a Sister Ancilla no mesmo mosteiro onde morou a santa medieval é um recurso muito interessante para iluminar a tradição da grande doutora da Igreja.

Anseia explorar uma área nem sempre devidamente destacada? Aventure-se pela obra A Razão Africana – Breve História do Pensamento Africano Contemporâneo (Muryatan S. Barbosa – Todavia). O Racismo Estrutural, obra crítica de Silvio de Almeida (editora Jandaíra), ajuda em um tema que foi destaque em 2020. Na mesma coleção, a coordenadora da série, Djamila Ribeiro, tem texto indispensável: Lugar de Fala. Você se preocupa com o universo feminino e suas muitas abordagens? Mary del Priore escreveu Sobreviventes e Guerreiras: Uma Breve História da Mulher no Brasil de 1500 a 2000 (editora Planeta). 2021 demandará consciência social. Prepare-se!

Muitos e bons livros para todos os gostos. Ler dá perspectiva, vocabulário, ideias e companhia. Um bom texto aumenta seu mundo e o faz sair do senso comum. Embeber-se em histórias é viver de forma ampla. Já é um bom projeto para 2021. Ler é esperança, sempre.

Leandro Karnal é historiador e escritor, autor de ‘O dilema do porco-espinho’, entre outros. Artigo publicado originalmente no jornal O Estado de S Paulo

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

MATO GROSSO

POLÍCIA

Economia

BRASIL

MAIS LIDAS DA SEMANA