(65) 99638-6107

CUIABÁ

Antes Arte do Nunca

Artistas de Mato Groso se posicionam sobre o impeachment. Segundo Amaury Tangará, “a posição dos artistas mato-grossenses não é unânime em torno da defesa da democracia e contra o golpe. Muitos temem por seus empregos e por retaliações dos governos estaduais e municipais, muitos alinhados com o golpe; enquanto outros, apesar de supostamente serem formadores de opinião (a função basilar de um artista), permanecem na ignorância e adestrados pela grande mídia que lhes indica meias verdades ou falsas afirmativas sobre o governo da presidente Dilma”.

Publicados

Antes Arte do Nunca

Amauri Tangará

Amauri Tangará


Artistas se posicionam sobre o impeachment
Muitos foram os convidados a se manifestar sobre votação que acontece neste domingo, mas poucos tiveram a coragem de dar a cara a tapa
Amauri Tangará diz que é contra o impeachment. “Acredito no bem e na vitória da presidente Dilma neste domingo”, afirma ele, que gravou clipe contra o que chama de golpe
JOÃO BOSQUO
DC ILUSTRADO DIARIO DE CUIABÁ

Os artistas, ora os artistas, são as antenas da raça humana, escreveu em um determinado tempo o poeta (ah, sempre os poetas) Ezra Pound. E como anda o pensamento / antena / dos nossos artistas mato-grossenses nestes tempos de impeachment que podem mudar os destinos de nosso país? Os homens, creio, vivem suas provas, às vezes diárias, de tempos em tempos, e assim também são as instituições e as cidades, os estados e a nação. O Brasil está passando por uma prova, cujo resultado – positivo ou negativo – nós, enquanto coletivo, só saberemos com o passar de décadas.
Amauri Tangará, ator, escritor, cineasta e, podemos assim dizer, ativista que procura trabalhar na linha da inclusão social, repartindo seus conhecimentos para que mais e mais pessoas tenham acesso às ferramentas da linguagem da sétima arte e possam fazer documentários, ficção e, mesmo, jornalismo com uma câmera de vídeo, não se furta em manifestar.
Segundo Amaury Tangará, “a posição dos artistas mato-grossenses não é unânime em torno da defesa da democracia e contra o golpe. Muitos temem por seus empregos e por retaliações dos governos estaduais e municipais, muitos alinhados com o golpe; enquanto outros, apesar de supostamente serem formadores de opinião (a função basilar de um artista), permanecem na ignorância e adestrados pela grande mídia que lhes indica meias verdades ou falsas afirmativas sobre o governo da presidente Dilma”.
Tangará diz que, mesmo a despeito de todos aqueles que não cumprem sua função basilar, “gratamente depara com uma grande leva de artistas que tem plena consciência de seu papel de intérpretes dos acontecimentos”.
“Eu, por exemplo, acostumado que sou a criar enredos para filmes e espetáculos, me deparo com estratégias incríveis para enganar e ludibriar a ingenuidade da população em geral. O que às vezes me assusta é a capacidade de um artista que viveu tempos difíceis e sombrios, de novamente se deixar enganar pelas palavras dos falsos profetas políticos. Mas a arte é libertária. A cultura é democrática por instinto. Afinal, carrega consigo os códigos de nossa identidade, nossas raízes e não terá jamais controle por órgãos ou cor partidária”.
“Somos, todos nós artistas, os guardiões da memória e da consciência de nosso povo e precisamos nos conservar lúcidos e sem expectativas vãs, para continuar nosso processo de resistência e luta rumo a um mundo melhor. Acredito no bem e na vitória da presidente Dilma neste domingo, já que, como cidadã e líder, jamais abandonou suas ideias e ideais. Estou com ela”, arremata Amauri Tangará.
Capilé Charbel – músico, produtor musical, participou de bandas como Caximir, GTW, Nidhog, pesquisador de viola caipira, hoje radicado em São Paulo, trabalhando basicamente com trilha sonora cinema/publicidade, mas que mantém seus laços de afetividade com os movimentos culturais locais – é curto e objetivo e diz que “sou contra o impeachment da presidente Dilma, não por ela, mas por ser inconstitucional e por que vai – segundo ele – criar um precedente terrível”.
Mário Olímpio, gestor cultural, falando do impeachment foca sua posição na questão da política cultural. Segundo o Mário, “nada muda para a política cultural. Com Dilma ou sem Dilma, o orçamento para a cultura sempre foi ínfimo. Sem dinheiro, não há política pública. Só um intenso trabalho de organização pode mudar o cenário. E isto envolve educação, economia e democracia”.
O também cineasta Bruno Bini, diretor de filmes premiados como “S2”, sendo sua mais recente produção o curta metragem “Três tipos de medo”, não foge da raia e diz que “falando exclusivamente do processo que corre na Câmara, não vejo motivos que justifiquem o impeachment. Não dá pra confundir desacordo com o governo com razão para impedimento. Da forma como está, é um processo muito mais político do que jurídico. Sou a favor das investigações, a favor da punição para crimes de corrupção comprovados, mas contra esse impeachment da forma como foi construído”.
O poeta, romancista e acadêmico Eduardo Mahon que, no próximo dia 26, lança a Trilogia da Palavra, livros de poesias, e está no prelo com o romance “O Fantástico encontro de Paul Zimmermann”, opina que, segundo ele, “qualquer movimento jurídico ou político de impedimento é um brusco solavanco democrático que demanda sacrifício. Importa saber que, mesmo com um trauma enorme na vida política brasileira, não tenhamos ruptura da ordem constitucional. Do meu ponto de vista, a presidente avançou o sinal da responsabilidade para sustentar a reeleição, o que já vimos, alias, com Fernando Henrique Cardoso, por ocasião da emenda constitucional que permitiu o seu segundo mandato. Os órgãos de controle reprovaram a manobra de Dilma Roussef que teve a infelicidade de ter contra ela uma crise econômica realizada justamente por essas manobras fiscais irresponsáveis. Um clima de desconfiança política, arrocho econômico e falta de carisma pessoal, contaminou os parlamentares que tendem a votar favoravelmente ao impedimento. Qualquer quadro é péssimo. Dilma saindo é traumático. Dilma ficando é uma tragédia em termos financeiros, políticos, administrativos. Só espero que nossos governantes nacionais não sejam indignos a ponto de sairem do poder direto para a cadeia, como aconteceu em Mato Grosso”.
A escolha de Ezra Pound para abrir esta reportagem – fica combinado – não foi por acaso. O poeta amado, considerado o maior do século 20, equiparado a Albert Einstein – o que este foi para física ele foi para a poesia. Esse poeta referenciado por toda uma geração namorou, noivo e casou com o fascismo. Mas não quero ser mau crítico. Ezra Pound dizia que “o mau crítico se identifica facilmente quando começa por discutir o poeta e não o poema”. A obra de Ezra Pound sobrevive a tudo isso, mas que sempre tem uma vozinha a nos lembrar de que ele aderiu ao fascismo. Sorte dele ser o grande poeta que foi. Eu, como um poeta menor, não posso ser dado a cometer esse tipo de vacilo e, por isso, me declaro contra o golpe, entendendo que é o povo que deve escolher sempre o seu presidente e não um Congresso de corruptos. Mas que todo este processo ajude nossas instituições a se consolidarem. Já será um avanço.

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  DEU NO CIRCUITO MT: Apesar da crise, Orquestra do maestro Leandro Carvalho segue faturando milhões dos cofres públicos

Propaganda
Clique para comentar

Você precisa estar logado para postar um comentário Login

Deixe uma resposta

A verdade vos libertará

LEANDRO KARNAL: Livro é um presente permanente. Ler é esperança, sempre

Publicados

em

Por

Karnal

Uma ponte de livros

Por Leandro Karnal

Sim! Você sobreviveu até a penúltima semana de 2020. Parabéns! Eu sei que os pessimistas estão dizendo: ainda faltam vários dias. É verdade. Seria tão injusto falhar agora! Viemos nadando com desafios desde março. A outra margem do rio está tão próxima. Sejamos otimistas: chegaremos todos a 2021.

Há uma possível pausa pela frente. Em algum momento você terá um pouco mais de folga. Chegou a hora de pensar estrategicamente: livros. Por quê? Não sei o que nos aguarda no ano próximo e novo. Sei que ele será mais bem vivido se houver mais pensamentos, maior conhecimento, mais informações. Atrás de sugestões para ter ou presentear? Farei algumas. Lembre-se sempre: um livro é um presente permanente que pode mudar a cabeça do agraciado.

Literatura? É o ano do centenário de nascimento de Clarice Lispector. A editora Rocco lançou um volume alentado e lindo com Todas as Cartas. É a correspondência da nossa maior escritora em um tomo que “fica sozinho em pé”. A leitura me trouxe um enorme prazer. Se o gênero correspondência não faz sua cabeça, mergulhe nos volumes da mesma editora com várias obras de Clarice: A Maçã no Escuro, A Legião Estrangeira, Onde Estivestes de Noite, O Lustre, Perto do Coração Selvagem, Felicidade Clandestina e A Bela e a Fera. São apenas alguns dos títulos lindos, com capas sedutoras e textos que vão alterar seu mundo.

Quer reencontrar outros clássicos? A Cia das Letras lançou Ressurreição, de L. Tolstoi. A luta de um nobre para reparar um erro grave do passado é o eixo daquele que, para mim, é uma das melhores obras do russo genial. Se Tolstoi o atrai, a editora Todavia reuniu 4 obras dele (Felicidade Conjugal, A Morte de Ivan Ilitch, Sonata a Kreutzer e Padre Siérgui) em um único volume.

Você sobreviveu a uma das mais transformadoras epidemias na história. Que tal ler A História das Epidemias, de Stefan Cunha Ujvari? Saiu pela editora Contexto. Aprende-se muito com o livro, bem escrito e solidamente pesquisado. Prefere o terreno argiloso da política e da sociedade? A pesquisa de Bruno Paes Manso resultou no necessário A República das Milícias. O livro proporciona análises indispensáveis e medos incontornáveis.

Leia Também:  OSCAR D`AMBROSIO: “A caminho de casa”, filme de Charles Martin Smith, conta a devoção de uma cadela, Bella, pelo seu dono.

Você prefere algo que o anime? Pedro Salomão lançou o Valor Presente – A Estranha Capacidade de Vivermos um Dia de Cada Vez pela Best Business. Tive o privilégio de fazer o prefácio. Na mesma linha, uma coletânea com textos exemplares de Mario Sergio Cortella: Sabedorias para Partilhar, da Vozes/Nobilis.

Quer discutir amor e casamento? Não perca Amor na Vitrine – Um Olhar Sobre as Relações Amorosas Contemporâneas, de Regina Navarro Lins. A psicanalista vai mexer com suas convicções tradicionalistas e desafiar seus censores invisíveis.

Eduardo Giannetti sempre faz pensar. Li com avidez O Anel de Giges, da Cia das Letras. Tomando a lenda platônica do anel que produz invisibilidade, o que restaria da ética? Um homem invisível precisa se manter com boas regras morais ou vai acabar se entregando a seus desejos e caprichos menos nobres de espírito? Foi a leitura que mais me provocou inquietações no ano de 2020. É genial a capacidade de Gianetti de combinar densidade com linguagem leve.

Você ou o seu amigo-secreto amam viajar? Guilherme Canever lançou dois tomos pela Pulp: Destinos Invisíveis – Uma Nova Aventura pela África e Uma Viagem Pelos Países Que Não Existem. Livros densamente ilustrados, com um olhar agudo para lugares inusitados.

A Autêntica vai fundo na alma humana ao lançar uma nova edição do Além do Princípio do Prazer. O livro chegou ao centenário agora e a cuidadosa tradução de Maria Rita Salzano Moraes ajuda a valorizar a obra fundamental do dr. Freud.

Foi um ano estressante, reconheçamos. Talvez seja hora de pensar em um texto sobre ansiedade e o desafio da saúde mental. O dr. Leandro Teles, pela editora Alaúde, lançou Os Novos Desafios do Cérebro – Tudo o Que Você Precisa Saber Para Cuidar da Saúde Mental nos Tempos Modernos. Acho que a grande meta de 2021 é o desafio do equilíbrio. O livro do dr. Teles ajuda muito.

Leia Também:  Alinhados os últimos detalhes para o 34० Festival de Inverno de Chapada dos Guimarães

Você ama narrativas biográficas? A obra de Adam Zamoyski (Napoleão – O Homem Por Trás do Mito – ed. Crítica) prenderá sua atenção do início ao fim. O imperador raramente encontrou um biógrafo tão denso e sem lados definidos: sem o sempre esperado “monstro corso” (contra) ou gênio militar e político (a favor). Continua interessado em narrativas biográficas e domina inglês? Hildegard of Bingen – The Woman of Her Age, de Fiona Maddocks (Image Books), foi uma descoberta muito feliz. A entrevista final com a Sister Ancilla no mesmo mosteiro onde morou a santa medieval é um recurso muito interessante para iluminar a tradição da grande doutora da Igreja.

Anseia explorar uma área nem sempre devidamente destacada? Aventure-se pela obra A Razão Africana – Breve História do Pensamento Africano Contemporâneo (Muryatan S. Barbosa – Todavia). O Racismo Estrutural, obra crítica de Silvio de Almeida (editora Jandaíra), ajuda em um tema que foi destaque em 2020. Na mesma coleção, a coordenadora da série, Djamila Ribeiro, tem texto indispensável: Lugar de Fala. Você se preocupa com o universo feminino e suas muitas abordagens? Mary del Priore escreveu Sobreviventes e Guerreiras: Uma Breve História da Mulher no Brasil de 1500 a 2000 (editora Planeta). 2021 demandará consciência social. Prepare-se!

Muitos e bons livros para todos os gostos. Ler dá perspectiva, vocabulário, ideias e companhia. Um bom texto aumenta seu mundo e o faz sair do senso comum. Embeber-se em histórias é viver de forma ampla. Já é um bom projeto para 2021. Ler é esperança, sempre.

Leandro Karnal é historiador e escritor, autor de ‘O dilema do porco-espinho’, entre outros. Artigo publicado originalmente no jornal O Estado de S Paulo

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

MATO GROSSO

POLÍCIA

Economia

BRASIL

MAIS LIDAS DA SEMANA