ANO NOVO, POLÍTICA VELHA: Racha entre lideranças do Mato Grosso Muito Mais fica evidente. Enquanto Mauro Mendes, Valtenir e Pedro Taques duelam, os bagrinhos Onofre e Faissal aparecem como traidores e Riva ganha fôlego em Cuiabá

Riva e Mauro foram à Câmara para a posse dos vereadores; no final, vitória de Riva sobre um dos líderes do Mato Grosso Muito Mais (foto Luis Alves - Camara de Cuiabá)

A eleição para a Mesa Diretora da Câmara Municipal de Cuiabá foi uma batalha que o PSB perdeu. O partido chegou ao poder em Cuiabá e suas principais lideranças na capital – o prefeito Mauro Mendes e o deputado federal Valtenir Pereira – ao invés de convergirem para uma convivência harmônica, parece que resolveram partir para um confronto fraticida. É que no horizonte já está a disputa de 2014 e o apetite pelo poder costuma embotar o raciocínio dos mais afoitos.

Com seu conhecido nariz empinado, Mauro não consultou Valtenir para coisa nenhuma, na formulação do seu poder e do seu secretariado em Cuiabá, assumindo uma arriscada parceria com o prefeito que sai, Chico Galindo e com o seu partido, o PTB, o que levou Valtenir a colocar o pé na porta, resolvendo interferir na eleição para o comando da Mesa para demonstrar que, afinal de contas, ele é o presidente regional do PSB.

O propósito anunciado por Valtenir era reforçar a pretensa candidatura de Onofre Junior, da bancada do PSB, que estaria sendo desconsiderada por Mauro que, muito cedo, se definira pelo petebista Júlio Pinheiro. No vai-e-vem do confronto, Mauro acabou assumindo aquilo que Laice Lucatelli, no Midia News, chamou de Plano B: lançou, na última hora, a candidatura de Adilson Levante, do PSB, numa tentativa de pacificação com os rebeldes Onofre Junir e Faissal Calil.

Só que esse Plano B parece ter sido costurado com muita inabilidade, por Mauro Mendes. Segundo Onofre Jr, Mauro Mendes não tem traquejo político, tanto que ele, Onofre, se sentiu humilhado pelo próprio partido, quando lançara sua candidatura e não recebera apoio nenhum. Falhou o Mauro, que não viu a importância de tratar com mais respeito a articulação desenvolvida por Onofre, Valtenir Pereira, etc – e falharam Valtenir e os peões Onofre Jr e Faissal Calil que, diante de uma candidatura a presidente de seu partido, deveriam ter percebido que não dá para votar contra um candidato do próprio partido e não querer ser chamado de traidor. Aliás, na cerimônia de posse de Mauro Mendes como prefeito, o senador Pedro Taques lançou seu brado contra os “joaquins silvérios” que teriam atuando na eleição na Câmara Municipal. Quando Faissal se dirigia para o plenário, para a votação decisiva, houve um confronte dele com adeptos mais exaltados de Mauro Mendes – e uma porta de vidro da Câmara acabou sendo espatificada. O que demonstra que pode vir chumbo grosso por aí, por parte do diretorio municipal do PSB, contra Onofre e Faissal.

A traição de Onofre e Faissal fica mais evidente quando, ao invés de fortalecerem o projeto político do Mato Grosso Muito Mais e do PSB, acabaram votando para presidente da Câmara de Cuiabá no vereador do PSD, João Manoel, que, até agora, outra coisa não sabe ser na vida senão genro do deputado mais processado por corrupção em Mato Grosso que é o deputado Geraldo Riva. Apesar de toda a empafia de Mauro Mendes, Onofre e Faissal não tem justificativa aceitável para fortalecer o grupo político de Geraldo Riva. Mesmo em cima da hora, Mauro Mendes jogou a toalha, retirou o apoio a Julio Pinheiro, colocou a presidencia da Câmara nas mãos do PSB – mas parece que o PSB não é tão importante assim para Faissal e Onofre. O que valeria na política seria quem fala mais grosso e quem é capaz de faturar acordos mais proveitosos.

Esses vereadores, ao tratar dos seus interesses pessoais e políticos, jamais podem perder que vista que tudo que fazem tem uma forte repercussão não só em seu futuro, maas no futuro daqueles partidos e daquelas composições políticas em que atuam.

Mas vejam que não falo de uma situação muito fácil de destrinchar. Não existe aqui uma linha reta que a gente possa seguir para chegar à melhor conclusão. O fato é que o enredo político em Cuiabá que parecia ser tão simples, com o PSB construindo por aqui sua principal base de atuação e a principal base de atuação do Mato Grosso Muito Mais, para 2014, de repente se complica, com a renúncia do vice João Malheiros, que é do grupo de Blairo Maggi e, agora, com a eleição de João Emanuel, do grupo do Riva, para comandar a Câmara e atuar como vice de Mauro Mendes.

Desde que Riva perdeu força dentro do Judiciário e desde que seus processos começaram a avançar, na fase pós- Escandalo da Maçonaria, apontando para a inviabilização de qualquer pretensão futura dele em matéria de disputa eleitoral, é preocupante perceber que Riva, apesar de tudo,  continua a evoluir, no mundo da política, como se os processos judiciais contra ele simplesmente não existissem. Pior: fica parecendo que esses processos e o desgaste de Riva não são devidamente considerados por aqueles que com ele se articularam. A se confirmarem articulações de Valtenir Pereira com Riva, nesta eleição, na Câmara de Cuiabá, teremos um retrocesso político grave. Eis ai uma anotação que faço e que fica a merecer maior aprofundamento. E vejam só que complicado: Allan Kardec e Arilson, do PT, votaram de forma entusiasmada na chapa que traduzia o reforço a Riva em Cuiabá. Quer dizer, a novata bancada do PT na Câmara de Cuiabá para que optou pela insignificância.

11 Comentários

Assinar feed dos Comentários

  1. - IP 186.208.182.48 - Responder

    CÂMARA DE CUIABÁ DEIXA DE SER EXTENSÃO DO EXECUTIVO

    Quem não se lembra das tantas manobras realizadas na penumbra e que tinham o propósito de atender, numa forma de vassalagem, ao Executivo. Agora, neste ano de 2013, o novo (com o novo prefeito com o antigo estilo) tem impor sua vontade sobre outro Poder. Até o último instante, ainda que dissesse que não iria intervir em um processo interno, tentou, primeiro defender claramente um dos maiores símbolos da continuidade do ex-prefeito e partícipe do processo da venda da SANECAP, aumentos de tarifas e do IPTU, que é o ex-presidente da Câmara, vereador Julio Pinheiro. Apavorado ante, tentou fazer uma jogada e lançar de última hora o vereador Adilson da Levante, que não tinha o desgaste, mas, infelizmente carregava na sua chapa alguns nomes estigmatizados. Não conheço e nem votei em João Emanuel, mas é preciso dizer que ser parente não é castigo, nem mérito de qualquer pessoa. Não importa quem votou nele. Deve ser respeitado porque é assim que se consolida a democracia. Inegavelmente que o projeto político de João Emanuel não se encerra no mandato de vereador, embora ele nunca tenha se manifestado publicamente a esse respeito. Vamos torcer para que sua competência seja do tamanho do seu projeto político. Objetivamente é o vereador com o maior respaldo eleitoral e tecnicamente, por força da renúncia do vice-prefeito eleito, com a vacância do cargo, torna-se prática também, o vice-prefeito de direito. Nada mal para um estreante. Sobre o novo alcaide, parece que anda tão compromissado com “forças ocultas” que ou faz da prefeitura a continuidade do Sistema S, continua ou promove o retorno de alguns nomes para seu secretariado que estiveram em administrações passadas. Um dos problemas crônicos de Cuiabá é a saúde, que nunca se permitiu abrir a caixa de pandora que é o Hospital e Pronto Socorro Municipal de Cuiabá, aquele que várias vezes desabou o teto. Algumas coisas começam a mudar. É preciso que o Legislativo imponha a transparência de todos os atos, com acessibilidade de qualquer cidadão aos projetos que tramitam naquela Casa. Parabéns, aos vereadores eleitos ou reeleitos, espera-se, que não tenham perdido nem a voz, nem o teor de seu discurso e façam do mandato o caminho para realizar o desejo da população que lhe delegou essa condição. Ao novo alcaide, o lembrete: humildade é algo bom e que deve ser cultivada a todo instante e não apenas na frente das câmeras.

  2. - IP 177.144.199.126 - Responder

    Essa “eleição” da Camara dos horrores só serviu para mostra a inabilidadae politica do Mauro Mendes que, apesar de não ter sido eleito para isso, quis dar uma de cabo eleitoral do insignificante julio pinheiro e tmou até. Bem feito para ele!

  3. - IP 177.4.188.122 - Responder

    Quero aqui cumprimentar os vereadores Onofre , Faissal e Clovito por não aceitarem o tal de cabresto .
    O Mauro e o Pedrito tem que acostumar que em politica partidaria não é a mesma coisa que Ministério Publico nem empresa particular.
    O senador “pode tudo”, deve apreder a ser mais coerente em politica, critica o Riva mas alia-se com ele em outros municipios. Ele pode , outros não ??

  4. - IP 177.4.181.254 - Responder

    Qual a razão para Mauro Mendes, Silval Barbosa, Riva, Blario Maggi e Edder Moraes não estarem aliados ao PT???

    E qu razão haveria para o PT não estar aliado a todos eles???

  5. - IP 187.6.198.228 - Responder

    O cidadão minimamente esclarecido sabe o quanto o vereador Onofre Junior (PSB) se esforçou para construir uma segunda via para disputar o comando da Câmara de Cuiabá. Uma busca pelos sites de notícias da Capital Comprova isto de forma irrefutável. Onofre foi um pregador do deserto. Durante a peregrinação de Onofre contra o continuísmo de Júlio Pinheiro (PTB) contou com o apoio aberto e declarado do vereador Mário Nadaf (PV). Onofre defendia o nome de qualquer um dos novatos. Mauro preferia o velho, o retrocesso, o continuísmo. Mauro, por força das negociatas do segundo turno já havia se vendido para Galindo. O desgastado Galindo de fato apoiou Mauro, mas fez duras e pesadas exigências: secretarias, em caso de vitória e no negócio espúrio constava a presidência da Câmara com Júlio Pinheiro. Para chegar ao poder, Mauro vendeu a alma para Júlio e Galindo. E mais: o prefeito Mauro Mendes teve o cinismo de pessoalmente estimular o vereador Onofre a lançar seu nome na disputa, mesmo sabendo que não iria apoia-lo. Então, veja: quem primeiro traiu os vereadores novatos, quem primeiro traiu sua própria base, foi justamente Mauro que teve que vender seu apoio a Julio e Galindo para vencer o segundo turno. Enquanto isso os vereadores Onofre, Faissal e mesmo Adilson Leventi ficaram bolhando à ver navios. Isolados e sem apoio, nada restou aos novatos Onofre e Faissal senão construir seu próprio espaço e o resultado ai está: a vitória de João Emanoel por culpa unica e exclusiva de Mauro Mendes que resolveu bancar a candidatura de Julio Pinheiro. Mas o PSB sai fortalecido. Hoje, o partido tem a primeira Vice Presidencia da Câmara com Onofre e a chapa de Julio fosse a vitoriosa o PSB não teria absolutamente nada.

  6. - IP 189.59.39.113 - Responder

    Aff….

    Riva Boy

    Genro Boy

    É o fim mesmo ,coitados de nós.

    Ele ainda tem a cara de pau de almejar o governo do Estado em 2014 !!!

  7. - IP 177.97.34.222 - Responder

    O Mauro Mendes e Pedro Taques achavam que poderiam cometer as baixarias que cometeram contra o Lúdio durante a campanha, mas os vereadores novatos mostraram que não se deixam levar pelo cabestro…

  8. - IP 187.6.198.228 - Responder

    Com a divulgação desta notinha o presidente em exercício da Comissão Provisória do PSB, Robério Garcia, pretende atingir dois objetivos básicos: 1) dar uma satisfação, ainda que esfarrapada a opinião pública; 2) amedrontar os vereadores Onofre Junior e Faissal Calil. Mas a notinha traz ínsita em si algumas inverdades. Ei-las: Não existe Executiva Municipal. Trata-se de mera Comissão Provisória. Júlio Pinheiro é do PTB e este partido não integrou o arco de alianças que elegeu Mauro Mendes. O PTB de Galindo foi cooptado por Mauro ou este foi cooptado pelo PTB no curso da campanha eleitoral. Outro detalhe que fica claro nas entrelinhas desta notinha: o novo inquilino do Alencastro é raivoso, vingativo e seguramente vai demorar alguns dias para digerir ou assimilar a porrada que tomou de Riva. Um consolo: Mauro perdeu a direção da Câmara por incompetência, falta de habilidade política e novas derrotas virão caso não desça do sapatinho e comece a fazer uso diário de doses regulares de humildade. Claro, esta receita não se aplica a quem se deixa emprenhar pelo discurso bélico de Pedro Taques.

  9. - IP 189.31.2.211 - Responder

    Agora a ratazana vai dominar tudo . Politica neste infausto estado é mesmo um negócio de familia.

  10. - IP 201.24.174.108 - Responder

    Enquanto os quadrilheiros brigam por cofres a cidade padece.
    Enquanto essas gangs se digladiam o povo que se ferre.
    Não há solução à vista. Saimos da lama, caimos na merda.
    O único consolo é saber que o próprio caos vai gerar a solução.
    Mais ridículo que essas figuras nessa foto somente a manifestação
    dos parasitas apoiadores em suas distorções…
    Eu olho na Prefeitura, e tento imaginar o que terá por lá de tão
    escabroso para ser de tão grande interesse ao hamster anão…
    Só vejo até aqui…o medo do cadeião de Campo Grande…

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

6 + 17 =