Ademir Brunetto sai em defesa de bandeiras históricas do PT e aponta mazelas do governo de Silval. Incapaz de responder às críticas que Brunetto levanta, ala adesista do PT escala o pelego Alexandre César para atacar deputado que fala em se livrar da canga

Ademir Brunetto, à esquerda, questiona apoio do PT a Silval Barbosa, que é defendido por corrente liderada por Ságuas, Abicalil e Alexandre César. Resta saber se Brunetto conseguira transformar a rebelião que iniciou na Assembléia em uma rebelião que se alastre, também, entre militantes e filiados ao PT, em todo Estado

Uma instigante disputa se desenha na Assembléia Legislativa de Mato Grosso, dentro da bancada do Partido dos Trabalhadores. De um lado, o deputado de Alta Floresta, Ademir Brunetto, defendendo rompimento do partido com o governo de Silval Barbosa. Do outro, o deputado Alexandre César, escalado pela ala adesista do partido, para tentar enquadrar o Brunetto rebelado.

A disputa é interessante porque abre uma possibilidade de recuperação da prática petista em nosso parlamento, depois de anos e anos de adesismo cego, que acabaram por arrastar a legenda para seu pior momento, em nosso Estado.

Vejam que Brunetto defende o rompimento com Silval porque, aqui em Mato Grosso, o governo que foi eleito pela coligação PMDB-PT-PR, virou as costas para o movimento organizado dos servidores e vem sucateando a estrutura do serviço público estadual, além de espezinhar as lideranças sindicais da categoria. O novo posicionamento de Ademir Brunetto é resultado de uma ligação cada vez mais intensa que o parlamentar vem desenvolvendo com os sindicatos dos servidores, com os quais parece estar aprendendo lições diárias de combatividade. Não é um movimento sindical muito coeso, muito articulado, de postura ideológica rasa – mas a proximidade com o povo e suas demandas acaba por trazer influências saudáveis e renovadoras para o mandato de Ademir Brunetto.

Do outro lado, está o velho pelego petista Alexandre César que já começou a defender, na tribuna da Assembléia e em declarações à imprensa, o enquadramento de Brunetto pelo Diretório Estadual.  Alexandre, como se sabe, é o principal executor da politica de subordinação do PT ao PMDB e ao PR, em nome de um tal “projeto nacional” que só tem servido, nestes últimos tempos, para prostituir as práticas do PT em Mato Grosso. Tanto que, no meio, entre a disputa que se trava entre esses dois líderes petistas, o que se tem é o vácuo dolorido de uma militância que não tem sabido como se comportar, em meio à multiplas contradições que vem marcando a ação partidária. O PT, decididamente, perdeu o senso de realidade e a influência da cúpula sobre as bases é cada vez mais paralisante.

Como este ano haverá eleição para a renovação das novas direções partidárias, o duelo entre os possíveis inquietos, articulados em torno de Brunetto, e os acomodados, polarizados em torno de Alexandre César, pode ser um fator de motivação para o engajamento dos filiados nesta disputa, pelo Mato Grosso adentro, provocando algum tipo de saculejo nas estruturas partidária. Resta torcer para que, comprometido por uma prática adesista e eleitoreira, nesses últimos tempos, seja o PT capaz de recredenciar-se minimamente como um partido minimamente representativo dentro dos embates políticos e administrativos que se travam em nosso Estado. Do jeito que está, tá ruço.

3 Comentários

Assinar feed dos Comentários

  1. - IP 201.67.99.3 - Responder

    Tarde demais Bruneto, o pt ( partido dos traidores) aqui em MT e em nível nacional não tem mais rumo algum.
    Sugiro que o nobre deputado troque de partido. Sugiro o PSB e assim nos ajude a eleger Eduardo Campos para presidente.

  2. - IP 189.10.67.83 - Responder

    É uma incoerência geral, pois se o deputado Brunetto não está preocupado com a influência dos mensaleiros petralhas sobre o PT nacional e sobre o Governo Federal, então ele não tem porque ter alguma restrição em relação ao aliado Silval.

    Porque o Deputado Brunetto, assim como os demais filiados do PT, não representa nas instancias internas do partido, pela exclusão dos mensaleiros condenados, como prevê o estatuto daquele ajuntamento de “gente boa” ao qual botaram a alcunha de Partido dos Trabalhadores.

  3. - IP 187.5.86.108 - Responder

    E a educação no estado com dez anos de administração petista, continua alcançando os primeiros lugares em todos os testes realizados para averiguar os conhecimentos de nossos alunos.
    O único problema é que temos que olhar a tabela de classificação de cabeça para baixo.

    Fora PT.

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

seis + cinco =