ADEMAR ADAMS TAMBÉM VIU A MANGUEIRA ENTRANDO: Falar do trem, que não tem previsão de chegar, falar de paraíso e dar a entender que Cuiabá é uma floresta, como se a Amazônia começasse aqui, foram bobagens que anotei. O ex-prefeito que fez o contrato deveria devolver o dinheiro, uma vez que contratou muito mal

Ademar Adams sentiu falta, no enredo da Mangueira, dos nossos escritores e poetas, das personalidades do passado. "Cuiabá continuou desconhecida e distorcida. A imagem de que jacarés e onças andam pelas ruas continua", avalia

Samba, enganação e safadeza no Carnaval da Mangueira
por ADEMAR ADAMS

 

A única coisa que a Mangueira fez e retratou fielmente Cuiabá, foi o atraso para concluir o desfile. Igualzinho as obras da Copa. Já o enredo confuso, deve ter sido feito por quem não conhece nada de Cuiabá.

Embora não ouvi os comentaristas globais falarem da grana que o povo cuiabano pagou, como falaram do patrocínio da Beija Flor, pelos criadores do cavalo manga-larga, a Mangueira não entregou a mercadoria esperada. Aliás, os comentaristas só falaram platitudes. Chico Spinoza então, não disse coisa com coisa e só repetia lugares comuns com ar de enfado.

Falar do trem, que não tem previsão de chegar, falar de paraíso e dar a entender que Cuiabá é uma floresta, como se a Amazônia começasse aqui, foram algumas das bobagens que anotei.

Poderiam ter falado e mostrado o nosso centro histórico, ainda que infelizmente mal tratado. Deveriam mostrar também que temos avenidas e edifícios modernos. Falar do tempo antigo, em contraponto com os tempos atuais, o crescimento vertiginoso, com a migração e o progresso na agricultura.

Não falaram dos nossos escritores e poetas, das personalidades do passado, nada. Enfim, Cuiabá continuou desconhecida e distorcida. A imagem de que jacarés e onças andam pelas ruas continua.

O ex-prefeito que fez o contrato deveria devolver o dinheiro, uma vez que contratou muito mal. Uma cidade onde o pronto socorro é um eterno caos, o lixo jogado pra todo lado, as ruas esburacadas, a periferia abandonada, as margens do rio Cuiabá uma podriqueira só, longe, portanto, do paraíso apregoado, não pode gastar 3,6 milhões num evento distante e mal feito.

O samba enredo apesar do refrão cantado com facilidade, falava de uma madeira que não tem aqui, pois, o jequitibá é da mata atlântica. A pobreza dos  versos denota o desconhecimento da história de Cuiabá. Bastava ouvir um pouco os nossos rasqueados e a inspiração poderia aflorar.  Mas, que importância tinha. A grana sairia de qualquer jeito, como saiu.

Como cuiabano por adoção, que amo esta terra, não aceito calado mais essa coisa mal feita e que muitos querem se enganar achando que foi uma maravilha e os erros são meros detalhes. Para mim foi um fiasco e pronto!

A questão dos ingressos é uma imoralidade. A sociedade tem direito de saber qual o critério adotado para a distribuição. A entrega feita para entidades como os Tribunais, Assembleia e Câmara, para que estes órgãos escolhessem os agraciados, é imoral. Os ingressos deveriam ser sorteados para quem se interessasse em ir. De outra forma acabaria, como acabou acontecendo, a distribuição aos amigos dos poderosos, num vergonhoso caso de privilégio.

Queremos saber também a quantos favorecidos a prefeitura patrocinou passagem, estadia e diárias. E também com quais critérios.

Para terminar, uma pergunta: alguém entendeu a demagogia do atual prefeito, que preferiu ir ao “Vinde e vede”, do que acompanhar no Sambódromo uma escola de samba mostrando a cidade que administra?

Ademar Adams é jornalista em Cuiabá-MT

6 Comentários

Assinar feed dos Comentários

  1. - IP 187.55.179.177 - Responder

    O enredo da Estação Primeira de Mangueira foi simplório em relação a cultura cuiabana. Ficou-se no oba-oba do estereótipo, coisa de desinformado. Acho que o Ministério Público, se quiser, enontrará indícios de mau uso de verba pública em relação ao financiameno do carnaval pela prefeitura.

  2. - IP 187.55.179.177 - Responder

    Quanto ao atual prefeito não participar da festa momesca, acho difícil o mesmo tomar tal atitude, pois, nem desfile dos blocos carnavelscos houve! Nunca vi nenhum prefeito desta minha Cuiabá participar das festas carnavalescas populares, até porque, os nosso políticos só querem a presença do povo na hora de pedir voto! Pois não é?!

  3. - IP 201.49.159.68 - Responder

    Ademar,
    Esse negócio de ver a mangueira entrando ficou meio esquisito. Se fosse artigo do Enock defensor da turma do arco-íris era até possível de entender, acho que você deveria solicitar a retificação da chamada.
    Lembre-se que a Commenbol proibiu a avalanche dos gremistas. (risos)

    • - IP 200.58.147.50 - Responder

      Cadu, o Enock disse que eu vi “a mangueira entrando”. Tudo bem que eu possa ter visto, mas parece que ele SENTIU A MANGUEIRA ENTRANDO…

  4. - IP 177.5.234.223 - Responder

    Bisonharia foi o nome mais adequado que encontrei para o que ví e ouví.
    Pobre Cuiabá.

  5. - IP 189.15.147.184 - Responder

    Como sempre, texto incrível!

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

doze + 6 =