DIÁRIO DE CUIABÁ: Acusado pelo Ministério Público Eleitoral de compra de votos nas eleições do ano passado, o prefeito de Lucas do Rio Verde, Otaviano Pivetta (PDT), corre risco de perder o mandato.

Pivetta é acusado de, durante a campanha, ter prometido a instalação de uma rede de água no bairro Chácara Bom Jesus. Conforme a denúncia, a promessa teria sido de levar o abastecimento ao local no prazo de 15 dias.

Pivetta é acusado de, durante a campanha, ter prometido a instalação de uma rede de água no bairro Chácara Bom Jesus. Conforme a denúncia, a promessa teria sido de levar o abastecimento ao local no prazo de 15 dias.

Ação do MP pede cassação de Pivetta

Do DIÁRIO DE CUIABÁ

Acusado de compra de votos nas eleições do ano passado, o prefeito de Lucas do Rio Verde (354 km ao Norte de Cuiabá), Otaviano Pivetta (PDT), corre risco de perder o mandato.

O Ministério Público Eleitoral e a coligação “Lucas Igual para Todos”, do então candidato Rogério Ferrarin (PMDB), pediram a cassação do pedetista ao Tribunal Regional Eleitoral (TRE).

A expectativa é de que o caso seja analisado pela Corte já na próxima segunda-feira (30). Apesar disso, o procurador regional eleitoral Marcellus Barbosa Lima já apresentou seu parecer. Defendeu a procedência dos recursos e, consequentemente, a reforma da sentença.

Em primeira instância, a ação contra Pivetta foi julgada improcedente. Não satisfeitos com a decisão, tanto o Ministério Público como a coligação do candidato derrotado, recorreram da decisão.

Pivetta é acusado de, durante a campanha, ter prometido a instalação de uma rede de água no bairro Chácara Bom Jesus. Conforme a denúncia, a promessa teria sido de levar o abastecimento ao local no prazo de 15 dias.

A ação, encarada como compra de votos, teria ocorrido durante uma reunião política realizada no bairro. Na ocasião, o pedetista ainda teria afirmado que os moradores poderiam retirar os cartazes de sua campanha das portas e não votar nele, caso a água não chegasse.

A promessa contaria com o envolvimento do prefeito à época, Marino Franz (PSDB). Após ser supostamente procurado por Pivetta, ele teria executado a obra no prazo estipulado. (KA)

Sem comentários. Seja o primeiro a comentar

Assinar feed dos Comentários

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

um × dois =