(65) 99638-6107

CUIABÁ

A sociedade contra o crime

Polícia Civil entrega armamentos para unidade especializada e anuncia nova sede para GCCO

Publicados

A sociedade contra o crime


Assessoria/Polícia Civil-MT

A atuação da Polícia Civil de Mato Grosso no combate ao crime organizado foi fortalecida com a entrega, nesta terça-feira (11.05), de fuzis doados pela Secretaria Nacional de Segurança Pública, do Ministério da Justiça, à Gerência de Combate ao Crime Organizado (GCCO). 

A entrega do armamento, modelo carabina 556, com três carregadores com capacidade para 30 munições e mais 200 munições calibre 556 foi realizada pela Diretoria da Polícia Civil e pela Gerência de Armas, Explosivos e Munições (Gaem). 

No evento, o delegado-geral adjunto, Gianmarco Paccola Capoani, e o diretor de Atividades Especiais, Fernando Vasco Pigozzi Spinelli, aproveitaram para conversar com os policiais da GCCO sobre a gestão da unidade, as ações desenvolvidas pela equipe nas últimas semanas e a previsão da nova sede. 

O delegado-geral adjunto falou das dificuldades enfrentadas pela Polícia Civil, principalmente durante o período de pandemia, quando ficou ainda mais evidente a dedicação e esforços dos policiais no combate ao crime organizado.

Gianmarco destacou que, mesmo diante do decreto de calamidade financeira, a Polícia Civil continuou buscando recursos e conseguiu alcançar inúmeras conquistas nas áreas de tecnologia e de  infraestrutura e que foco agora também é a melhoria das condições de trabalho para o servidor. 

Leia Também:  Polícia Civil prende mulher por venda de falsa 'galinhada beneficente' em Nova Xavantina

“Passamos por este período em que a aquisição de bens foi proibida, então buscamos recuperar os recursos, o que a princípio parece simples, mas é fruto de um esforço exaustivo da equipe da Diretoria de Execução Estratégica que manteve contato com o Ministério da Justiça para conseguir trazer esse armamento para a Polícia Civil de Mato grosso, fortalecendo ainda mais o trabalho da instituição”, disse.

O diretor de Atividades Especiais frisou que as armas atendem um deficit da unidade e que o objetivo é que em breve venham novas armas, veículos, além de pedir o reforço do efetivo.

“Estamos trabalhando para tentar melhorar cada dia mais as condições de trabalho da equipe. Sabemos que os trabalhos desenvolvidos pela GCCO são extremamente complexos, envolvendo investigação em todo o estado e que o reforço tanto de aparelhamento quando de efetivo é fundamental para o bom desempenho dos trabalhos”, ressaltou o delegado Fernando Spinelli. 

A diretora de Execução Estratégica, Daniela Silveira Maidel, pontuou que mesmo atuando em várias frentes, a DEE procurou buscar alternativas para a crise pela qual o Estado passou, ressaltando que atualmente a situação é outra. Daniela falou sobre a nova sede da GCCO, que será instalada no antigo prédio da Procuradoria-Geral do Estado (PGE), no Centro Político, e da aquisição de novos armentos por meio de emenda parlamentar que atenderá unidades do interior do e também unidades especializadas como a gerência. 

Leia Também:  Foragido de Rosário Oeste tem prisão cumprida pela Polícia Civil em Várzea Grande

“Agora, um dos nossos focos com a GCCO é trabalhar a questão estrutural, com a entrega da nova sede. Estamos com todo mobiliário comprado para atender a unidade, que será uma das melhores unidades da região metropolitana”, destacou.

O delegado titular da GCCO, Vitor Hugo Bruzulato Teixeira, agradeceu a entrega das armas e destacou que a gerência tem valorosos policiais e o reconhecimento do trabalho desenvolvido pela unidade é um grande motivador.

“Todo esse reforço estrutural é fundamental para equipe da GCCO, uma vez que unidade presta apoio e orientação para as unidades do interior do estado. Sabemos da luta da diretoria para atender tudo o que é necessário, que são muitas coisas, armamento, viaturas, capacitação, para manter essa equipe forte que estamos construindo. Lembrando que ninguém trabalha sozinho e por isso esse apoio é essencial para o desenvolvimento dos trabalhos”, destacou o delegado.

Fonte: PJC MT

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

A sociedade contra o crime

Investigado pela Polícia Civil pela morte de companheira é condenado a 21 anos em Tribunal do Júri

Publicados

em


Assessoria/Polícia Civil-MT

O homem investigado pela Polícia Civil por um feminicídio da companheira, ocorrido há três anos, em Cuiabá, foi condenado pela Justiça Estadual a 21 anos de prisão. A decisão foi do Tribunal do Júri em julgamento realizado nesta quinta-feira (24), na Capital.

M.J.S.D. matou Vanessa Tito Poquiviqui em 31 de janeiro de 2018, no bairro Três Barras. O crime foi investigado pela Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), que apurou que o criminoso, depois de matar a vítima asfixiada, filmou a namorada agonizando.

Ele ficou foragido durante um ano e depois de diversas diligências, a equipe da DHPP o localizou na região do Coxipó do Ouro. Ele utilizava documento falso para escapar do mandado de prisão que foi expedido pela 2a Vara de Violência Doméstica e Familiar de Cuiabá pelo feminicídio da companheira.

O crime

A vítima, de 21 anos morava há cerca de um mês com o namorado. À época, ele estava com 30 anos e já tinha quatro passagens criminais, sendo três por violência doméstica, com três mulheres diferentes, mas nenhuma contra Vanessa.

Leia Também:  Operação conjunta aborda mais de 50 veículos em Bom Jesus do Araguaia

A jovem foi localizada pela mãe do suspeito, que acionou a Polícia. A equipe de plantão da Delegacia de Homicícios (DHPP) encontrou a jovem na cama do quarto do casal e apresentava lesões no rosto, um corte de faca no supercílio e outro corte superficial no queixo.

Histórico criminal

A primeira prisão de do investigado foi registrada em 2009, por lesão corporal. Ele foi condenado no processo, mas foi determinada medida cautelar com uso de tornozeleira.

Em 2011, ele respondeu a procedimento por porte ilegal de arma de fogo de uso permitido.

Ele também respondeu por lesão corporal e injúria contra uma menor de idade, crime que tramitou pela Delegacia Especializada de Defesa dos Direitos da Criança e do Adolescente (Deddica).

A quarta passagem criminal foi registrada por crime de lesão corporal em 2017, em inquérito pela Delegacia da Mulher de Cuiabá.
 

Fonte: PJC MT

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

MATO GROSSO

POLÍCIA

Economia

BRASIL

MAIS LIDAS DA SEMANA