(65) 99638-6107

CUIABÁ

A sociedade contra o crime

Operação Apocalipse indicia 33 pessoas por organização criminosa, tráfico e associação em Juína

Publicados

A sociedade contra o crime


Raquel Teixeira/Polícia Civil-MT

Investigação realizada pela Polícia Civil de Juína durante a Operação Apocalipse levou ao indiciamento de 33 pessoas pelos crimes de organização criminosa, associação para o tráfico e tráfico de drogas, além de crimes conexos, entre eles o de corrupção de menores.

A operação, coordenada pela Delegacia Regional de Juína, foi realizada em duas fases e coletou diversas informações que comprovaram as atividades criminosas lideradas por três mulheres e composta por um grupo de pessoas ligadas a uma facção que age na região. Com apoio da delegacia municipal e de outras unidades da região, a Polícia Civil chegou à identificação e prisão dos envolvidos no comércio realizado no atacado e varejo de drogas em Juína.

O delegado regional de Juína, Carlos Francisco de Moraes, explica que a investigação, iniciada em meados do ano passado, é resultado de ação integrada com diversas unidades da Polícia Civil para identificar os envolvidos no tráfico e em outros crimes ocorridos na região, que têm ligação com a distribuição e venda de drogas. “Nas duas fases da Operação Apocalipse foram cumpridos diversos mandados judiciais de prisão e de buscas, que forneceram elementos importantes para se chegar à materialidade delitiva e responsabilização dos envolvidos na organização criminosa que fomenta outros delitos graves na região de Juína”, pontuou o delegado.
 

Leia Também:  Delegacia de Colíder inaugura Núcleo de Atendimento Especializado à Mulher

Atacado e varejo de drogas

A investigação da Polícia Civil apurou que a organização criminosa criada para atuar na região de Juína trabalhava com funções previamente definidas, com uma mulher exercendo o papel de líder regional, a quem cabia organizar o fornecimento de entorpecentes recebido do atacado. Além disso, a criminosa de 30 anos também era responsável por gerenciar os pagamentos do grupo criminoso e impor e aplicar a disciplina a quem descumprisse as determinações da facção. A Polícia Civil apreendeu em julho do ano passado um carregamento de 37 quilos de entorpecente que foi enviado para Juína a mando da líder criminosa.

Outras duas mulheres, de 28 anos e 22 anos, exerciam as funções de gerentes financeiras do grupo, atuando na distribuição da droga no varejo, cobrança dos pagamentos dos lojistas, aplicação do dinheiro recebido e também fiscalizar os castigos impostos.

As três mulheres estão detidas em unidades femininas do Sistema Penitenciário estadual, assim como a maioria dos demais indiciados no inquérito.

Outros três homens do grupo foram identificados como responsáveis pela execução da disciplina. E outros cinco tinham o papel de receber a droga, pesar, embalar e distribuir aos lojistas. Já a maior parte dos indiciados exercia a função de lojistas da organização fazendo a venda a usuários de entorpecentes.

A apuração e análise dos materiais coletados nas buscas, alguns dos investigados na operação também são suspeitos também pelos crimes de tortura e corrupção de menores.

Leia Também:  Enfermeira é presa em flagrante por peculato praticado na Santa Casa de Cuiabá

“A maioria dos investigados nessa operação já responde a diversos procedimentos policiais e judiciais anteriores e com ações contumazes, inclusive em crimes como furto, roubo, receptação e homicídio, além do tráfico de drogas”, explicou o delegado regional de Juína.

Fases da operação
 

Na primeira fase da operação foram apreendidos em uma residência de Juína mais de sete quilos de entorpecentes, entre maconha, cocaína e pasta base. Dez mandados de busca e apreensão foram cumpridos em endereços da cidade para coletar informações para a investigação.

Já a segunda fase cumpriu 30 ordens judiciais entre prisões e buscas, contra integrantes da facção criminosa que agiam como lojistas. Dos 13 mandados de prisão preventiva, oito deles foram cumpridos contra pessoas que já estavam presas por outros crimes.

Os cumprimentos dos mandados nas duas fases, realizadas em novembro e dezembro do ano passado, contaram com apoio de equipes das delegacias de Juína, Juara, Juruena, Aripuanã, Cotriguaçu, Porto dos Gaúchos e Tabaporã, Alta Floresta, Gerência de Operações Especiais (GOE), regional de Tangará da Serra e Gerência de Combate ao Crime Organizado (GCCO).

 

Fonte: PJC MT

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

A sociedade contra o crime

Suspeito de furtos cometidos contra casas e comércio é detido em flagrante, em Comodoro

Publicados

em


Assessoria/Polícia Civil-MT 

Um homem foi detido neste sábado (15) por policiais civis e militares em Comodoro suspeitos de praticar diversos furtos na cidade. Os policiais foram acionados depois que o suspeito foi visto em um mercado, no bairro Cidade Verde. Ao chegar ao local, o suspeito já havia saído, mas foi detido logo em seguida por outra equipe policial, próximo a uma praça.

Em entrevista com o suspeito, os policiais questionaram sobre o furto ocorrido a um escritório de advocacia e ele confirmou o crime e que os objetos levados estariam um hotel, onde se hospedou, além de outros furtos cometidos a estabelecimentos comerciais e residências. 

Em buscas no hotel, os policiais localizaram uma bolsa com um notebook, um HD externo e outros objetos levados do escritório de advocacia. Ao ser indagado sobre  outros furtos ocorridos nos últimos dias na cidade, o suspeito afirmou ter realizado o furto de dois aparelhos celulares no prédio da Defensoria Pública de Comodoro e de um aparelho celular em um restaurante. Ele afirmou ainda que vendeu os celulares na conveniência de um supermercado.

Leia Também:  Polícia Civil de Itaúba recupera carreta roubada por criminosos armados na BR-163

O homem relatou ainda um furto cometido em uma residência, de onde levou tapetes e depois pediu a uma pessoa para guarda-los. Os policiais localizaram a pessoa e recuperaram os tapetes.

Em outro furto, ele levou uma arma de fogo de uma propriedade onde tinha trabalhado. A arma foi localizada com um terceiro, que foi conduzido à delegacia por posse irregular de arma de fogo.

Em outra ocorrência citada pelo suspeito, ele furtou uma loja ao lado de um supermercado e subtraiu uma bolsa contendo dinheiro. Após gastar todo o dinheiro,  jogou a bolsa dentro de um bueiro. Os policiais localizaram a bolsa no local indicado pelo suspeito.

Outro furto confessado pelo suspeito ocorreu também em uma loja, de onde ele levou diversas peças de roupas, que deixou na casa de um conhecido seu. As roupas foram entregues pela pessoa que guardou as peças.

Após a localização dos objetos furtados, o suspeito foi conduzido à Delegacia de Comodoro, onde foi autuado e permanece preso.

Leia Também:  Prédio da Acadepol passará por desinfecção na tarde desta 6ª feira

Fonte: PJC MT

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

MATO GROSSO

POLÍCIA

Economia

BRASIL

MAIS LIDAS DA SEMANA