(65) 99638-6107

CUIABÁ

A sociedade contra o crime

Cuiabano foragido de MT por arrombamento e ataques a agência bancárias é preso na Guiana Francesa

Publicados

A sociedade contra o crime


Assessoria/Polícia Civil-MT

Investigações realizadas pela Gerência Estadual de Polinter e Capturas (Gepol) da Polícia Civil de Mato Grosso confirmou na última sexta-feira (19.02) a identificação de um homem de 34 anos, que foi preso em território francês e é procurado pela Justiça de vários estados do Brasil. Ele atuou em arrombamentos a caixas eletrônicos e ataques a agências bancárias em vários estados e tem condenações em Mato Grosso por diversos crimes.

 

Há uma semana, a equipe da Delegacia de Polinter e Capturas recebeu informações de que um criminoso foragido e conhecido da polícia de Mato Grosso com diversas passagens criminais, teria embarcado em um navio e fugiu para Europa usando nome falso.As informações apontavam que o foragido se envolvera em uma troca de tiros e estava preso na França.

Para confirmar os dados recebidos, a Polinter iniciou a apuração por meio de diversas diligências cartorárias, consultas em canais de fontes aberta e fechada e fez contatos com as Polícias Civis de outros estados, com a Polícia Federal e Interpol.

Leia Também:  Polícia Civil deflagra operação para coibir receptação de veículos na região metropolitana

Na sexta-feira (19.02), a Delegacia da Polinter recebeu a confirmação com identificação positiva de que o procurado da justiça estava preso em um território francês, contudo, diferentemente das informações inicialmente recebidas, ele está na Guiana Francesa, na fronteira com o estado do Amapá. O foragido, B.B.M., foi detido quando estava em um veículo com outros criminosos integrantes de uma organização criminosa que também usavam nomes falsos e atuam crimes de roubos, sequestros e associação criminosa.

Diante disto, a equipe da Polinter encaminhou cinco mandados de prisão que estão pendentes de cumprimento contra o procurado pela justiça e serão cumpridos mediante Carta Rogatória. Os mandados serão despachados por intermédio do Ministério da Justiça.

As investigações contaram com auxílio e colaboração da Polícia Civil do Amapá, Polícia Federal, Interpol e da Delegacia de Polícia de Oiapoque.    

Fonte: PJC MT

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

A sociedade contra o crime

Operação de combate à receptação de celulares prende 14 pessoas com aparelhos de origem ilícita

Publicados

em


Assessoria | Polícia Civil-MT

Quatorze pessoas foram presas em flagrante durante operação da Polícia Civil deflagrada na sexta-feira (26.02) pela Delegacia Especializada de Roubos e Furtos de Várzea Grande (Derf-VG),com objetivo de combater o crime de receptação de aparelhos celulares de origem ilícita,

A operação “Receptador” foi finalizada nesta segunda-feira (01.03), com o cumprimento a 14 mandados de busca e apreensão domiciliar que resultaram na recuperação de 14 aparelhos celulares de diferentes marcas e modelos, todos de origem ilícita.

As ordens judiciais foram decretadas com base em investigações da Derf-VG que conseguiram identificar pessoas envolvidas com a receptação de celulares produtos de roubo/furto cometidos entre os meses de novembro de 2020 e janeiro de 2021.

Segundo a delegada titular da Derf-VG, Elaine Fernandes da Silva, o trabalho operacional mostra a intensificação das diligências investigativas para combater o crime de receptação, responsável por fomentar os índices de roubo e furtos ocorridos na região metropolitana.

“O receptador é um criminoso covarde que financia a violência e por isso precisa ser fortemente combatido. O foco da operação é tentar minimizar o prejuízo das vítimas, que geralmente são abordadas a caminho do trabalho e tem o seu bem subtraído. Em muitos casos as vítimas ainda estão pagando as parcelas do aparelho que não poderão utilizar, ficando somente com o prejuízo”, disse.

Leia Também:  Polícia Civil entrega viaturas e equipamentos para reforçar atuação na região de fronteira

Crime e pena

O crime de receptação está previsto no artigo 180 do Código Penal Brasileiro (adquirir, receber, transportar, conduzir ou ocultar, em proveito próprio ou alheio, coisa que sabe ser produto de crime, ou influir para que terceiro, de boa-fé, a adquira, receba ou oculte. Pena de reclusão de 1 a 4 anos, e multa).

Fonte: PJC MT

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

CATEGORIA

CATEGORIA

CATEGORIA

CATEGORIA

MAIS LIDAS DA SEMANA