A MORTE DO ROQUEIRO CHORÃO: Drogas preenchem vazio de transtorno, mas sob alto custo

Análise

Drogas preenchem vazio de transtorno, mas sob alto custo

ELKO PERISSINOTTI

ESPECIAL PARA A FOLHA

Todos lamentamos a morte precoce de Chorão. Cabe, agora, avaliar o que uma suposta personalidade instável pode provocar de nocivo a si, sobretudo com as drogas.

Há a suspeita de que Chorão fosse dependente de cocaína, droga ilícita estimulante do sistema nervoso central que favorece o surgimento de quadros depressivos que pioram com o uso contínuo -a sensação de bem-estar torna-se cada vez menos duradoura, requerendo novas doses.

Há ainda a suspeita de dependência de um tranquilizante com forte tendência ao abuso, pois requer doses cada vez maiores para o mesmo efeito.

Se associarmos bebidas alcoólicas a estas substâncias, os efeitos são imprevisíveis; pode não ocorrer nada de muito grave, mas pode ocorrer surtos de agitação e agressividade, além do risco de convulsões e arritmias cardíacas.

Uma situação de extrema gravidade é o risco de surto psicótico que, nesses casos, ocorre com delírios e/ou alucinações paranoicas. Se o indivíduo apresentar predisposição para a doença bipolar, seu risco para grave depressão ou grave euforia, ambos do tipo psicótico, é bem maior.

Não sabemos o que houve com Chorão, mas, além da suspeita das drogas, há a suspeita de um transtorno bipolar que talvez nunca tivesse sido tratado. As drogas preenchiam esse vazio, mas sob um alto custo: o de uma overdose ou de uma psicose com sintomas de perseguição.

É preciso saber que, mesmo contrariando a todos, Chorão pode não ter vivido tão intensamente; mas sofreu muito mais intensamente.

ELKO PERISSINOTTI é vice-diretor do Hospital-Dia-Adultos do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínica

Categorias:Plantão

1 Comentário

Assinar feed dos Comentários

  1. - IP 179.225.62.46 - Responder

    LAMENTÁVEL O OCORRIDO! QUE SIRVA DE ALERTA AOS JOVENS E PAIS PARA QUE ESSE “MAL DO SÉCULO” FIQUE BEM LONGE DAS NOSSA FAMILIAS.

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

3 × 3 =