A LUTA PELA RGA EM MATO GROSSO: Prevaleceu o rolo compressor do governo tucano: 13 a 9 na primeira votação da mensagem de Zé Pedro Taques. Através de emenda, pedetista Zeca Viana ainda tenta garantir pagamento dos 11,28% mas Wilson Santos já anuncia que proposta será triturada em plenário. Servidores vindos de todo Estado lotaram galerias da Assembleia

nao ao golpe rga ja na pagina do e

O movimento grevista dos servidores estaduais voltou a mostrar sua força, atraindo uma multidão que loteou praticamente todos os espaços da Assembleia Legislativa de Mato Grosso, nesta segunda-feira. Mas no plenário, na votação entre os deputados, prevaleceu a lógica do arrocho do governador Pedro Taques. Sua proposta de 6% de reajuste em três prestações e os restantes 5,28% quando puder, acabou aprovada em primeira votação pelos caititus de sua base parlamentar.

Contra o projeto de RGA de Zé Pedro Taques e a favor dos servidores votaram Emanuel Pinheiro (PMDB), Janaína Riva (PMDB), Zeca Viana (PDT), Silvano Amaral (PMDB), Leonardo Albuquerque (PDT), Pery Taborelli (PSC), Wancley Carvalho (PV), Sebastião Rezende (PSC) e José Carlos do Pátio.

A favor da proposta de Zé Pedro Taques e contra os servidores votaram Mauro Savi (PSB), Oscar Bezerra (PSB), Saturnino Massom (PSDB), Pedro Satélite (PSD), Dilmar Dal’Bosco (DEM), Max Russi (PSB), Baiano Filho (PSDB), José Domingos Fraga (PSD), Gilmar Fabris (PSD), Nininho (PSD), Wagner Ramos (PSD), Eduardo Botelho (PSB) e Wilson Santos (PSDB).

A primeira votação foi concluida na manhã desta terça. A segunda votação está marcada para amanhã, em nova sessão extraordinária, pela manhã.

Zeca Viana, deputado do PDT, tentando ainda criar um espaço parlamentar de negociação pediu vistas e já propôs que os 11,28% do RGA sejam pagos da seguinte forma: uma primeira parcela de 1,26% em julho deste ano. Já de agosto a dezembro parcelas de 1,22%. Em janeiro de 2017, uma parcela de 1,37% e em fevereiro e março de 2017 parcelas de 1,30%, totalizando os 11,28% da RGA.Todas as parcelas retroativas a maio de 2016.

Apesar da grande mobilização, uma certa perplexidade perpassa o movimento dos servidores. O que fazer diante da estratégia governamental de enfiar sua proposta de reajuste pela goela dos servidores? O Fórum Sindical deve mergulhar em reuniões nestas próximas horas para definir sua tática diante da nova realidade. O que se sabe é que o Sinetran, dos servidores do Detran, pretende continuar sustentando a sua greve geral enquanto não forem garantidos os 11.28 de reajuste integral.

Sem comentários. Seja o primeiro a comentar

Assinar feed dos Comentários

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

catorze − onze =