MÁFIA DAS INDENIZAÇÕES – Justiça determina que Polícia Civil investigue 25 mil ações judiciais, de danos morais, suspeitas de serem fraudulentas. Pelo menos 15 advogados de Mato Grosso estariam envolvidos nesse possível golpe e fariam parte de uma quadrilha. Magistrados dos Juizados Especiais expressaram ao desembargador Carlos Alberto Rocha, presidente da Amam, estranheza com espantosa multiplicação das ações. Somente um dos juristas teria proposto 6,5 mil ações. OAB fala em expulsar implicados

A Amam, presidida pelo desembargador Carlos Alberto Rocha e a OAB, presidida pelo advogado Maurício Aude estão em busca de esclarecimentos para a situação inédita criado pelo surgimento de milhares de ações que buscam indenização para pessoas pretensamente prejudicadas por terem seus nomes negativados nas listagens da Serasa

A Amam, presidida pelo desembargador Carlos Alberto Rocha e a OAB, presidida pelo advogado Maurício Aude estão em busca de esclarecimentos para a situação inédita criado pelo surgimento de milhares de ações que buscam indenização para pessoas pretensamente prejudicadas por terem seus nomes negativados nas listagens da Serasa

Suspeita de fraude em 25 mil ações

GUSTAVO NASCIMENTO
Do DIARIO DE CUIABÁ

A Justiça de Mato Grosso determinou que a Polícia Civil investigasse 25 mil ações judiciais, de danos morais, suspeitas de serem fraudulentas.

Os próprios juízes levantaram a suspeita de fraude, por conta do volume excessivo de ações tramitando nos Juizados Especiais envolvendo danos morais.

A investigação correrá em segredo de Justiça, busca identificar os responsáveis pela fraude. Conforme a assessoria de imprensa da Polícia Civil, o delegado responsável pelo caso ainda não foi designado, mas será definido até hoje (13).

Segundo o Judiciário, pelo menos 15 advogados estão envolvidos nos processos fraudulentos e fazem parte da quadrilha. Somente um dos juristas chegou a propor 6,5 mil ações.

O golpe consistia na falsificação de certidões do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC) e do Serasa. Os documentos davam a entender que empresas teriam negativado o nome dos clientes de forma indevida. Com base nisso, os suspeitos iniciavam um processo judicial requerendo indenização das empresas.

Por conta disso, o Judiciário firmou parceria com a Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL), para que os magistrados tenham livre acesso ao banco de dados da instituição. Com isso, eles poderão verificar a veracidade das certidões apresentadas nos processos e não serão induzidos ao erro.

A Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) informou que vai auxiliar nas investigações e todos os advogados que participaram do crime serão expulsos dos quadros da ordem.

 

processos judiciais - acumulo

————–
Advogados são alvos de inquérito policial que investiga fraudes em certidões do SPC e Serasa

Da Redação – Katiana Pereira
OLHAR DIRETO

A Polícia Judiciária Civil de Mato Grosso instaurou inquéritos para apurar a suposta participação de advogados em uma fraude para inclusão de pessoas físicas no banco de dados do Serasa e Serviço de Proteção ao Crédito. Segundo informações da Polícia Civil, o Judiciário encaminhou um pedido de investigação para a 2ª Delegacia de Polícia Civil de Cuiabá, localizada no bairro Planalto.

O esquema seria feito da seguinte forma: nomes de pessoas físicas seriam incluídos de forma fraudulenta nos sistemas de proteção ao crédito, sem que a mesma tivesse alguma dívida pendente. Depois da inclusão, a pessoa que estaria devedora retirava uma certidão negativa comprovando a inclusão no sistema e depois acionava o judiciário em busca de indenizações por dano moral. Os valores pedidos chegaram até R$ 30 mil.

A Polícia Civil informou que os indícios de fraudes são fortes e nenhuma possibilidade foi descartada, inclusive a participação de funcionários dos próprios órgãos de proteção e advogados. Não foi informado quantos profissionais são suspeitos de participarem do esquema.

O caso também deve ser apurado pela Ordem dos Advogados do Brasil em Mato Grosso (OAB/MT) a pedido do presidente da Associação dos Magistrados de Mato Grosso (Amam). Por meio de assessoria, o desembargador Carlos Alberto Alves da Rocha, presidente da associação, informou que os magistrados dos Juizados Especiais acharam atípica a alta quantidade de ações com pedidos de indenização por dano moral por nomes negativados de forma indevida, a chamada “Máfia das Indenizações”.

————–
Advogados investigados por fraude milionária em indenizações já respondem a processo na OAB/MT

Da Redação – Katiana Pereira
OLHAR DIRETO

Cerca de 10 advogados que são alvo de um inquérito policial por suspeita de participação em uma fraude para inclusão de pessoas físicas no banco de dados do Serasa e Serviço de Proteção ao Crédito (SPC), já são alvo de outras investigações no Tribunal de Ética de Disciplina (TED) da Ordem dos Advogados do Brasil em Mato Grosso (OAB/MT).

Em entrevista ao Olhar Jurídico o presidente da OAB/MT, Maurício Aude, revelou que o objetivo da Ordem é apurar os casos que já estão em trâmite e essa nova denúncia que é investigada pela Polícia Civil. “Iremos requisitar que a Polícia Civil nos forneça informações sobre o caso e iremos tomar as medidas necessárias. Essas medidas podem ser o afastamento por 90 dias, ou até mesmo a exclusão dos quadros da OAB, caso as suspeitas sejam comprovadas”, informou.

Conforme já revelado pela reportagem, o esquema seria feito da seguinte forma: nomes de pessoas físicas seriam incluídos de forma fraudulenta nos sistemas de proteção ao crédito, sem que a mesma tivesse alguma dívida pendente. Depois da inclusão, a pessoa que estaria devedora retirava uma certidão negativa comprovando a inclusão no sistema e depois acionava o judiciário em busca de indenizações por dano moral. Os valores pedidos chegaram até R$ 30 mil.

O Judiciário encaminhou um pedido de investigação para a 2ª Delegacia de Polícia Civil de Cuiabá, localizada no bairro Planalto. A Polícia Civil informou que os indícios de fraudes são fortes e nenhuma possibilidade foi descartada, inclusive a participação de funcionários dos próprios órgãos de proteção e advogados. Não foi informado quantos profissionais são suspeitos de participarem do esquema.

6 Comentários

Assinar feed dos Comentários

  1. - IP 189.59.36.95 - Responder

    Nomes, Enock!… Queremos NOMES!!!

  2. - IP 189.10.113.150 - Responder

    Cadê os nomes Enock!! Se fosse ladrão de galinha, tinha até o nome da tataravó….
    Quem diria hem?Até tu…
    Pronto deletei este saite dos meus preferidos.

  3. - IP 179.112.107.129 - Responder

    Parabéns aos magistrados que diagnosticaram a fraude, parabéns também ao Des. Carlos Alberto (coordenador dos juizados especiais e presidente da AMAM) por apoiar a investigação. Poderia estender esta investigação para o monopólio de outras ações se houver. Esperamos que a OAB/MT faça sua parte, se comprovado a fraude, expurgue dos quadros os envolvidos.

  4. - IP 179.254.50.69 - Responder

    DÚVIDO , repito , DÚVIDO que a OAB , EXPULSE , exclua de seus quadros esses infâmes.
    DÚVIDO.

  5. - IP 177.4.189.130 - Responder

    Beco do Porrete, vai acompanhar este caso até que a OAB divulgem os nomes… isso é caso de POLICIA…
    Estamos de OLHO…

  6. - IP 201.15.103.178 - Responder

    COMO A PROPRIA MATÉRIA EM COMENTO AFIRMA. TRATA-SE DE INÍCIO DE INVESTIGAÇÕES VISANDO APURAR FALSIFICAÇÃO E FRAUDE SUPOSTAMENTE PRATICADAS POR ADVOGADOS(AS). SENDO ASSIM, POR SE TRATAR DE ATOS QUE EM TESE NÃO SE ENQUADRAM POR LEI COMO “SEGREDO DE JUSTIÇA”, CREIO QUE OS NOMES DOS ENVOLVIDOS (INVESTIGADOS) SEJAM COLOCADOS A DISPOSIÇÃO DO PUBLICO LEITOR. ORA, COMO SE SABE, DENÚNCIAS EVASIVAS E VAZIAS SEM QUALQUER INÍCIO DE PROVA CONTRA MAGISTRADOS SÃO PUBLICADAS, INCLUSIVE COM O NOME DO JUIZ, COMO POR EXEMPLO, CONTRA O ILIBADO MAGISTRADO DOUTOR EMERSON LUIS PEREIRA CAJANGO. PORQUÊ ENTÃO DECRETAR SEGUEDO DE JUSTIÇA EM IP QUE VISA APURAR FRAUDES?. POR FIM, PARABENIZO A OAB-MT E A AMAM, NAS PESSOAS DE SEUS RESPECTIVOS PRESIDENTES, PELA POSTURA ADOTADA. QUE JUSTIÇA SEJA FEITA E EM TEMPO RAZOÁVEL. VAMOS ACOMPANHAR. “QUEM VIVER VERÁ”.

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

12 − onze =