TCE - OUTUBRO

Zilda Pereira Leite trocou a aposentadoria mercenária da Assembleia Legislativa por uma aposentadoria como professora, que lhe dá menos de R$ 5 mil por mês. Militante da causa da Educação, se mantém na ativa e assumiu novamente a secretaria na prefeitura de VG, atendendo à prefeita Lucimar Campos. Seu desafio começa por uma rede de escolas depredadas e passa pelo esforço de reconstruir também a estrutura da Cultura, que não conta sequer com um espaço digno para as apresentações artísticas. Mas a professora Zilda está entusiasmada

Entrevista com a professora Zilda Pereira Leite que está no comando da Educação e da Cultura, em Várzea Grande

A PAGINA DO E conversou com a professora Zilda Pereira Leite Campos, atual secretária de Educação, Cultura, Esporte e Lazer, na Prefeitura de Várzea Grande.

A entrevista começou com um pedido público de desculpas à professora Zilda, apresentada por este blogueiro, por nunca ter registrado aqui neste blogue que ela, como deputada estadual, exerceu um mandato digno e foi uma das poucas parlamentares que se recusou a se beneficiar com o tão questionado fundo de aposentadoria parlamentar da Assembleia, que poderia estar lhe rendendo um salário igual aos dos atuais deputados, às custas dos cofres públicos, depois de apenas 4 anos de mandato.

Aposentada como professora, Zilda Pereira Leite recebe pouco menos de 5 mil reais de aposentadoria por mês, um salário que, segundo ela, dá pro dia-a-dia.

Como vereadora, em VG, relatou que tem o orgulho de ter participado da elaboração da Lei Orgânica do município e de ter levantado os primeiros encaminhamentos sobre a escola de tempo integral, ter participado da criação do Conselho Municipal de Educação e ter contribuído para a implantação da Gestão Democrática na Educação, não só lá do outro lados das pontes, como também em Cuiabá, capital do Estado, durante a gestão do prefeito Dante de Oliveira e do secretário de Educação Valter Albano.

Na Assembleia Legislativa, diz que sentiu uma dificuldade maior para seu trabalho parlamentar, devido a um maior distanciamento daquele plenário em relação aos interesses da população.

Sobre a nababesca aposentadoria pelo FAP, que recusou, ela diz, simplesmente, que não seria justo. “Eu nem teria como explicar isso para meus filhos e netos. Estou vivendo muito bem com a aposentadoria de professora”

A professora Zilda já havia comandado em duas outras oportunidades, a Educação em Várzea Grande. Durante as duas gestões do prefeito Jaime Campos quando, com apoio do Instituto Paulo Freire, procurou construir uma escola mais aberta, capaz de receber não só os alunos mas também seus pais, fazendo com que o entorno da escola seja movimentado, preparando condições para que as pessoas possam atuar de forma mais decisiva no ambiente em que vivem.

Uma educação que dê instrumentos para que o aluno saiba fazer suas escolhas com conhecimento de causa, resume ela.

A professora Zilda, agora de novo no cargo de secretária, está retomando este ideal e este trabalho, segundo o qual não basta ensinar a ler e a escrever, mas que é preciso ensinar para as crianças que é o importante é viver bem com suas famílias, cem meio à sua comunidade, buscando cotidianamente a felicidade.

Doze anos separam a professora Zilda daquela experiência anterior. Mas ela está entusiasmada, mesmo tendo que enfrentar uma enorme gama de dificuldades.

Ela tem buscado a parceria do Governo do Estado, através da gestão do governador Zé Pedro Taques e do atual secretário estadual de Educação, Permínio Pinto, para fazer frente aos problemas que encontrou pela frente, como uma rede de ensino muito depredada, com nada menos que 6 escolas sem condições mínimas de funcionamento.

Sua meta é avançar com a implementação de escolas que funcionem em tempo integral, ofertanto às crianças não só o ensino fundamental como também atividades para ampliação do conhecimento, na área artística e dos esportes e do lazer.

Nesses seis meses à frente da Secretaria, a professora Zilda já comandou a elaboração de um Plano Municipal de Educação e, em 2016, pretende também enfrentar o desafio de estabelecer um orçamento para a Cultura, avançando na reestruturação de uma secretaria autônoma que possa de dedicar exclusivamente à área cultural.

Nesse mês de dezembro, a Secretaria de Educação e Cultura de Várzea Grande está realizando o projeto Natal Feliz que pretende fazer de todos os finais de semana, até o próximo dia 20, na Praça Aquidaban, um momento de intensas atividades artisticas e culturais, envolvendo não só a prefeitura e seus departamentos, como também organizações não governamentais, clubes de serviço e toda a sociedade civil organizada do município.

No vídeo, você confere a íntegra da conversa deste blogueiro com a professora Zilda Pereira Leite.

Zilda Pereira Leite

Zilda Pereira Leite

1 Comentário

Assinar feed dos Comentários

  1. - Responder

    Na verdade, quando Zilda deixou a Seduc-VG, as escolas não ofereciam condições para executar um projeto digno, visto que 90% das escolas municipais não eram equipadas com quadras cobertas para práticas recreativas. Situação que foi enfrentada no primeiro mandato do prefeito Murilo. Foram dezenas de projetos de readequação das escolas, substituindo telhado de telhas de frbracimento por telhas de barro, construção de refeitórios e quadras cobertas. Depois veio o Tião da Zaeli e aprovou o PCCS da educação de VG, creio que com esses instrumentos e um pouco mais de investimentos no setor, ZILDA possa fazer um trabalho relevante.

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

3 × três =