“Veja” insulta leitores com pergunta cínica numa chamada de capa: “Como Demóstenes enganou tantos por tanto tempo?”.

As escutas entre Veja e a quadrilha
Por Saul Leblon, no sítio Carta Maior:

Na edição desta semana a revista Veja atreve-se a insultar seus próprios leitores com a pergunta cínica estampada numa chamada de capa: “Como Demóstenes enganou tantos por tanto tempo”. Bastaria folhear o longo histórico de suas perorações contra a esquerda, o Estado, a democracia participativa, a cidadania engajada, o pensamento crítico, bem como a demonização de lideranças, idéias e projetos progressistas para obter a resposta à pergunta em suas próprias páginas.

A sedimentação golpista de uma parte da opinião pública de classe média não se dá ao acaso. Não se trata da plutocracia ciosa de seus domínios, da qual Civita & policarpos são servidores bem pagos. E eficientes, diga-se, na arte de popularizar janios, collors, demóstenes e outros vulgarizadores dos interesses graúdos.

Não, o florescimento dessas gargantas de aluguel não prosperaria na forma de votos e medo pânico que inspiram em muitos governantes – inclusive da esquerda – não fosse o trabalho prestimoso dos que esculpem o seu busto em bronze de credibilidade e veneração, através da citação cotidiana de suas perorações, no manchetear espetaculoso de suas ‘denúncias’, nas reflexões de cocheira, copiosamente repetidas pelos colunismo que forma julgamentos e dissemina pautas.

Há responsáveis na lubrificação cotidiana dessa engrenagem. É um equívoco dissolver a sua assinatura numa edulcorada predisposição da sociedade ou de parte dela para ser canalha, ou ‘egoísta’. Ainda que isso seja um fato, o que plasma esse apetite em nervos e musculatura política é a ação deliberada e organizada para esse fim. Incensar os demóstenes e satanizar os lulas e respectivas agendas é o fermento que transforma instintos em história.

O dispositivo midiático demotucano tem executado esse labor com sofreguidão notável. Chegou a hora de nomeá-lo claramente, sem liquefazer seu papel num solvente sociológico que evoca o acanalhamento ‘natural’ da sociedade para relevar quadrilhas e relativizar o peso de sua órbita funcional. Há marcos referenciais na ação deliberada da mídia em produzir fatos políticos.

A edição do debate Collor-Lula em 1989, no Jornal Nacional da Globo, não seria um deles? E os famosos outdoors relâmpagos da revista Época, em março de 2002? Quase em real time com os fatos que estampavam, eles ganharam as ruas –num fim de semana, note-se– a bombar a operação Lumus, da PF, que destruiria a candidata Rosane Sarney, rival de Serra até hoje odiado pelo clã Sarney que o tem como artífice da operação prontamente repercutida pela revista, colosso de agilidade jornalística. E o que dizer do farto e nebuloso enredo do mensalão (agora se vê, já com os dedos longos de Cachoeira e seu consórcio goiano)?

A ficha falsa da Dilma candidata a Presidente da República em 2010, apresentada pela Folha, não deixa por menos em matéria de sincronia e prontidão. A suspeita de perigosa terrorista fazia back-vocal às acusações de pagã, aborteira e etc , excretadas das gargantas de tucanos e respectivas senhoras em campanha.

Flagrados entre o gozo e a morte ética, em em pleno vôo matrimonial com os zangões do crime, da corrupção e do golpismo de extrema-direita, Veja e outros tentam agora declinar das responsabilidades. Como se fosse possível reverter a fusão metabólica através da qual tornaram-se sangue do mesmo sangue, a reproduzir, propagandear e inseminar, exaustivamente, o discernimento da sociedade, com o martelante fluxo de golpes, saques, mentiras e videotapes. A democracia brasileira não pode recuar nesse momento. A CPI do Cachoeira é forçosamente também a CPI da Veja e dos que lhe fazem e fizeram coro no ardor e no despudor.

Aos senhores membros desta comissão a sociedade deve cobrar coragem e dignidade. Do governo, hombridade para, de uma vez por todas, dizer claramente à cidadania que a mídia brasileira precisa de regras; que a sua regulação fortalece a democracia, assim como a impunidade fez de uma parte dela um braço-auxiliar do crime e do ódio. À Polícia Federal cabe exigir a divulgação integral das escutas recolhidas pela Operação Monte Carlo -inclusive aquelas que envolvem jornalistas e membros da quadrilha Cachoeira.

Categorias:Plantão

Sem comentários. Seja o primeiro a comentar

Assinar feed dos Comentários

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

16 − três =