PREFEITURA SANEAMENTO

“Veja” expõe farsa de Pagot, que ampliou fatura da Delta

O jornal Diário de Cuiabá e o jornalista Anselmo Carvalho Pinto, que abriram largos espaços, no domingo passado, para Luiz Antonio Pagot, são agora desmentidos pela revista Veja que – como se vê neste período de revelações pré-CPI – entende muito de farsa e também está no olho do furacão, devendo ter alguns de seus principais dirigentes convocados para depoimento no Congresso Nacional. Uma coisa é certa: é dificil acreditar neste Pagot que Blairo Maggi criou. (EC)

O fim da farsa de Pagot


ANTI-HERÓI - Demitido após o escândalo de corrupção no Ministério dos Transportes, Luiz Pagot, ex-diretor do Dnit, tentou forjar uma história para justificar sua queda, mas acabou desmentido. Ex-diretor de Infraestrutura de Transportes do Dnit tentou se transmutar de vítima, mas a mentira não foi longe: na gestão dele a Delta multiplicou seus negócios

Daniel Pereira, Otávio Cabral e Rodrigo Rangel

DA REVISTA VEJA

Em julho do ano passado, uma reportagem de VEJA revelou que no Ministério dos Transportes funcionava uma organizada estrutura de corrupção. Em troca de contratos e liberação de faturas, empreiteiras eram instadas a recolher propina ao caixa do Partido da República, o PR, que comanda a pasta. Dias depois da revelação, a presidente Dilma Rousseff demitiu toda a cúpula do ministério, incluindo Luiz Antonio Pagot, o então diretor do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit), o órgão responsável pela construção e manutenção das estradas federais. Pois esse mesmo Pagot, recentemente, tentou se transmutar em vítima, atribuindo sua demissão a um complô tramado pelo grupo de Carlos Cachoeira. Em sua versão, o defenestrado perdeu o cargo não por seus defeitos, mas por suas qualidades. Ele teria contrariado interesses da construtora Delta, empreiteira que, se sabe agora, tinha Cachoeira como lobista. Pagot chegou a insinuar que a reportagem teve origem em informações da quadrilha de Cachoeira.

O contorcionismo retórico de Pagot, como a mentira, tinha perna curta. Não foi longe. Já se sabia que na gestão dele a Delta multiplicou seus negócios, transformando-se na maior prestadora de serviços do governo, com faturamento superior a 3 bilhões de reais em contratos de rodovias, muitos deles eivados de irregularidades. Pagot foi um Papai Noel para a empreiteira. Na semana passada, foram reveladas novas gravações telefônicas captadas pela Polícia Federal que desmontam a tese do ex-diretor do Dnit. Os diálogos mostram que a quadrilha de Cachoeira estava muito preocupada com a demissão de Pagot, que após a divulgação das irregularidades foi convocado para depor perante uma comissão do Senado e ameaçava fazer revelações sobre o esquema de propina no ministério. Em um dos diálogos, Cachoeira fala com o representante da construtora no Centro-Oeste que, se Pagot dissesse qualquer coisa sobre o esquema, estaria dando “um tiro no próprio pé”. Ele, de fato, se calou diante da comissão do Senado. O ex-diretor do Dnit, segundo a Polícia Federal, participou de um jantar com o senador Demóstenes, Cachoeira e o dono da Delta, Fernando Cavendish, para tratar dos negócios da empreiteira. Essa relação explicaria em parte o sucesso da Delta, que tinha em seu rol de “consultores” o ex-ministro José Dirceu, apontado pelo Ministério Público como o “chefe da quadrilha do mensalão”. A oposição quer convocar Pagot para depor. Boa chance para ele, desta vez, contar tudo o que sabe

FONTE REVISTA VEJA

Categorias:Jogo do Poder

2 Comentários

Assinar feed dos Comentários

  1. - IP 177.63.47.204 - Responder

    Enock, não caia nessa onda do PIG de transformar os detritos de maré baixa da Veja em Chanel #5, como diS o PHA….Eu também sei que o Pagot não é nenhum santo nesse covil da política brasileira, mas daí a dar voS à revistona Óia é um tanto quanto perigoso…talveS vc não saiba, mas o 9º BEC feS uma estrada em Mimoso, terra de Rondon, que não durou as primeiras chuvas….na época, o Pagot, como secretário de obrasdo governo Maggi, quis cobrar do 9º BEC a reconstrução da rodovia, mas, para evitar atrito com a cúpula do Exército, o Governador Blairo Maggi deixou a querela pra lá… (trata-se de erro de projeto realiSado pela suspeitíssima Fundação Ricardo Franco, que elaborou o projeto sem sair do Rio de Janeiro, sem, portanto, conhecer a região pantanosa de Mimoso)….sem querer defender o Pagot, mas o fato de ter crescido o faturamento da Delta no período de seu comando no DNIT não quer diSer nada, pois o Pagot pode ter sido calado, como o foi no caso de Mimoso…Abç

    • - IP 201.49.164.241 - Responder

      Gerson está corretíssimo. A Veja está tentando livrar a capa dela, pois ela está mais envolvida com Cachoeira (vide Nassif) que qualquer outro segmento político, cultural ou econômico.

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

5 × 3 =