gonçalves cordeiro

Um olhar mais profundo, e menos viciado, mostra que o Mensalão representou, na verdade, uma derrota para a elite predadora que luta ferozmente para conservar seus privilégios e manter o Brasil como um dos campeões de desigualdade social. O caso do Mensalão emergiu para que terminasse como ocorreu em 1954 e 1964: com a derrubada de quem foi eleito democraticamente sob o verniz da “luta contra a corrupção”. Mas a meta não foi alcançada – e isso é uma extraordinária vitória para a sociedade brasileira

 

MARIA INÊS NASSIF: “STF AGE COMO OPOSIÇÃO”

Edição247-Ramiro Furquim-Sul21 / Gervásio Baptista-SCO-STF / Divulgação:

Para colunista da Carta Maior, com o julgamento da AP 470, “STF tornou-se um bunker incrustado no coração da democracia, que mais colabora para manter as deficiências do sistema político do que para saná-las; e que mais se consolida como uma instância máxima de ação política do que como uma instituição que deve garantir justiça”

 

247 – Para colunista da Carta Marior Maria Inês Nassif, ao decretar o cumprimento de prisões sem o trânsito em julgado de toda a ação da AP 470, “STF tornou-se um bunker incrustado no coração da democracia, que mais colabora para manter as deficiências do sistema político do que para saná-las”. Leia:

STF age como oposição porque partidos não conseguem cumprir papel

O STF tornou-se um bunker incrustado no coração da democracia, que mais colabora para manter as deficiências do sistema político do que para saná-las.

Escrevo com atraso a segunda coluna sobre as dificuldades da oposição partidária brasileira (leia aqui a primeira, O canto do cisne do PSDB e do DEM), mas isso pode ter sido providencial. Coincide com a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) de decretar a prisão dos condenados do chamado Mensalão sem o trânsito em julgado de toda a ação.

As pessoas que concordam com a intromissão do STF em assuntos que a Constituição define como de competência do Legislativo dizem que os ministros do STF legislam porque o Congresso não cumpre a sua função. Se for possível sofismar sobre essa máxima, dá para concluir que o STF age como oposição porque os partidos políticos, que deveriam fazer isso, não conseguem atuar de forma eficiente e se constituírem em opção de poder pelo voto.

O Supremo, na maioria das vezes em dobradinha com o Ministério Público, tem atuado para consolidar um poder próprio, que rivaliza com o Executivo e o Legislativo, isto é, atua em oposição a poderes constituídos pelo voto. Tornou-se um bunker poderoso incrustado no coração da democracia, que mais colabora para manter as deficiências do sistema político do que para saná-las; e que mais se consolida como uma instância máxima de ação política do que como uma instituição que deve garantir justiça.

Essas afirmações não são uma opinião, mas uma constatação. O STF, nos últimos 11 anos, a pretexto de garantir direito de minorias, legislou para manter o quadro partidário fragilizado nas ocasiões em que o Legislativo – que não gosta muito de fazer isso – tentou mudá-lo. Como magistrado, seleciona réus e culpados e muda critérios e regras de julgamento para produzir condenações e dar a elas claro conteúdo político. O julgamento do caso do chamado Mensalão do PT foi eivado de erros, condenou sem provas e levará para cadeia vários inocentes. Casos de corrupção que envolvem partidos de oposição caminham para a prescrição.

Como legislador, o STF derrubou as tentativas do Congresso de fazer valer as cláusulas de barreira para funcionamento dos partidos no Legislativo, votadas pela Constituinte de 1988 e que foram adiadas ao longo do tempo. Elas serviriam para “enxugar” o quadro partidário das legendas de aluguel.

Em 2008, o Supremo referendou decisão do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), de que perderia o mandato o político que, eleito por um partido, migrasse para outro depois da eleição. Embora teoricamente defensável, a decisão de obrigar políticos eleitos à fidelidade partidária apenas fechou a porta usada regularmente pelo políticos para reacomodação do quadro partidário depois das eleições, ou de interesses políticos nas vésperas de um novo pleito.

Num sistema político-partidário imperfeito como o brasileiro, a possibilidade de trocar de legenda era fundamental para o político. Dada a dificuldade dos políticos eleitos por partidos tradicionais de sobreviver sem o apoio do governo federal, era comum que, empossado um novo governo, houvesse uma migração de políticos oposicionistas para partidos da base aliada. Isso manteve inalterado o número de partidos por um bom par de anos, embora em número excessivo; e dava um certo fôlego aos novos governos para compor maiorias parlamentares cuja ausência, num sistema político como o brasileiro, poder inviabilizar um governo.

Na ausência dessa brecha, e sem que houvessem mudanças no sistema político que tornassem adequadas as punições para infidelidade partidária, a decisão do STF escancarou outra porta: abriu uma única exceção para a migração parlamentar, a criação de um novo partido. O PSD foi criado pelo grupo do ex-prefeito Gilberto Kassab em 2010, logo após as eleições, para dar uma alternativa aos integrantes do DEM que constataram que a desidratação eleitoral do ex-PFL naturalmente levaria o partido à extinção, mesmo com o nome novo; e que passar mais quatro anos na oposição, para a maioria dos políticos que lá estavam, também era uma sentença de morte. O PSD foi uma acomodação pós-eleitoral. A criação do Solidariedade e do PROS (e da Rede também, se o partido de Marina Silva tivesse obtido registro no TSE) serviram à acomodação pré-eleitoral no quadro partidário.

Se tudo continuar como está, os períodos de reacomodação das forças políticas sempre exigirão a criação de novas legendas.

O STF foi o artífice de um novo processo de pulverização partidária que certamente tornará mais frágil o quadro partidário e mais deficiente a ação legislativa. E tem inibido o Congresso de legislar sobre partidos e eleições, quase que fixando os dois temas como reserva de mercado do Judiciário. A decisão do ministro Gilmar Mendes, este ano, de sustar a tramitação de um projeto no Legislativo que impedia ao parlamentar que mudasse para outro partido levar junto o seu correspondente em Fundo Partidário e horário eleitoral gratuito (que ficaria com o partido pelo qual foi eleito), foi uma barbaridade jurídica que, se não tinha muito futuro no plenário do SFT, surtiu o efeito de intimidar o Parlamento de seguir adiante.

Diante desses fatos, é possível concluir, sem margem de erro, que não apenas os interesses dos integrantes do Congresso estão em desacordo com uma reforma política. Um risco igualmente grande de fracasso de uma mudança legal efetiva no sistema partidário e eleitoral reside no Poder Judiciário.

No caso do Mensalão, o STF não julgou. Os réus já estavam condenados antes que o julgamento se iniciasse. O hoje presidente do tribunal e relator da ação, Joaquim Barbosa, deu inestimável ajuda para que isso acontecesse. A orquestra tocou rigorosamente sob sua batuta, salvo o honroso desafino do revisor da ação, Ricardo Lewandowski. Seria louvável se o julgamento servisse para mostrar à sociedade que até poderosos podem ser condenados, se o processo não deixasse dúvidas de sua intenção de fazer justiça. As condenações, todavia, foram fundamentadas em erros visíveis a olho nu. É um contrassenso: para fazer a profilaxia política, condena-se culpados, inocentes e quem estava passando por perto mas tinha cara de culpado.

Basta uma análise breve do julgamento para constatar que, não se sabe com que intenção, Barbosa construiu uma acusação sobre um castelo de cartas: como precisava existir dinheiro público para que a acusação de desvio de dinheiro público vingasse, forjou o ex-diretor de Marketing do BB, Henrique Pizzolato, como o “desviador” de uma enorme quantia do Fundo Visanet, que não era público e que não foi desviado. Pizzolato vai para a cadeia sem que em nenhum momento, como diretor de Marketing, tivesse poder de destinar dinheiro do fundo. É uma situação tão absurda que as campanhas contratadas pela agência DNA, que servia por licitação feita no governo anterior ao Banco do Brasil, foram veiculadas pelos maiores órgãos de comunicação, que continuam a falar do desvio embora o dinheiro tenha entrado no caixa de cada um deles.

O STF considerou que a culpa de José Dirceu dispensava provas e que a assinatura de José Genoíno, então presidente do PT, num empréstimo feito pelo partido, que foi quitado ao longo desses anos e considerado legal pelo TSE na prestação de contas do partido, tornava o parlamentar culpado. Foram decisões politicamente convenientes e aplaudidas por isso por parcela da população. Esse foi um erro cometido pela elite brasileira, um grande erro – e torço para que ela perceba isso a tempo. Condenar sem provas e sem evidências, quando o STF é a instituição que condena, pode se tornar uma regra, não uma exceção. Qualquer brasileiro poderá estar sujeito a isso a partir de agora. A visão subjetiva dos ministros do STF terá o poder de prevalecer sobre qualquer fato objetivo.

Esses dois padrões de decisão do STF só podem ser entendidos se tomados conjuntamente. São ações que dão sobrevida aos partidos de oposição, ao manter o partido do governo sob constantes holofotes, de preferência em vésperas de eleições; e ao mesmo tempo mantém os partidos enfraquecidos por constantes intervenções em leis eleitorais e partidárias, o que dá à mais alta Corte brasileira poder constante de intervenção sobre assuntos político.

FONTE AGENCIA CARTA MAIOR

———————————

 

O VINHO AMARGO QUE SERÁ TOMADO PARA FESTEJAR A PRISÃO DE DIRCEU

Paulo Nogueira
POR PAULO NOGUEIRA – DIÁRIO DO CENTRO DO MUNDO

Colunistas da mídia estão festejando com sua habitual hipocrisia estridente a decisão do Supremo de ontem de mandar prender boa parte dos réus.

Dirceu preso era o sonho menos deles do que de seus patrões.

Num momento particularmente abjeto da história da imprensa brasileira, dois colunistas chegaram a apostar um vinho em torno da prisão, ou não, de Dirceu.

Você vai ler na mídia intermináveis elogios aos heróis togados, aspas, comandados pelo já folclórico Joaquim Barbosa.

Mas um olhar mais profundo, e menos viciado, mostra que o Mensalão representou, na verdade, uma derrota para a elite predadora que luta ferozmente para conservar seus privilégios e manter o Brasil como um dos campeões de desigualdade social.

Por que derrota, se a foto de Dirceu na cadeia vai estar nas manchetes?

Porque o que se desejava era muito mais que isso. O Mensalão foi a maneira que o chamado 1% encontrou para repetir o que fizera em 1954 com Getúlio e 1964 com João Goulart.

Numa palavra, retomar o poder por outra via que não a das urnas. A direita brasileira, na falta de votos, procura incansavelmente outras maneiras de tomar posse do Estado – e dos cofres do BNDES, e das mamatas proporcionadas por presidentes serviçais etc etc.

A palavra mágica é, sempre, “corrupção” – embora nada mais corrupto e mais corruptor que a direita brasileira. Sua voz, a Globo, sonegou apenas num caso 1 bilhão de reais numa trapaça em que tratou a compra dos direitos de transmissão de uma Copa como se fosse um investimento no exterior.

Foi assim como o “Mar de Lama” inventado contra Getúlio, em 1954. Foi assim com Jango, dez anos depois, alvo do mesmo tipo de acusação sórdida e mentirosa.

E foi assim agora.

Por que o uso repetido da “corrupção” como forma de dar um golpe? Porque, ao longo da história, funcionou.

O extrato mais reacionário da classe média sempre foi extraordinariamente suscetível a ser engabelado em campanhas em nome do combate – cínico, descarado, oportunista – à corrupção.

A mídia – em 54, 64 e agora – faz o seguinte. Ignora a real corrupção a seu redor. Ao mesmo tempo, manipula e amplia, ou simplesmente inventa, corrupção em seus adversários.

Agora mesmo: no calor da roubalheira de um grupo nascido e crescido nas gestões de Serra e Kassab na prefeitura, o foco vai se desviando para Haddad. Serra é poupado, assim como em outro escândalo monumental, o do metrô de São Paulo.

Voltemos um pouco.

A emenda que permitiu a reeleição de FHC passou porque foi comprado apoio para ela, como é amplamente sabido. Congressistas receberam 200 000 reais em dinheiro da época – multiplique isso por algumas vezes para saber o valor de hoje — para aprová-la.

Mas isso não é notícia. Isso não é corrupção, segundo a lógica da mídia.

O caso do Mensalão emergiu para que terminasse como ocorreu em 1954 e 1964: com a derrubada de quem foi eleito democraticamente sob o verniz da “luta contra a corrupção”.

Mas a meta não foi alcançada – e isso é uma extraordinária vitória para a sociedade brasileira. No conjunto, ela não se deixou enganar mais uma vez.

O sonho de impeachment da direita fracassou. Ruiu também a esperança de que nas urnas, sob a influência do noticiário massacrante, os eleitores votassem nos amigos do 1%: Serra conseguiu perder São Paulo para Haddad, um desconhecido.

O que a voz rouca das ruas disse foi: estão tentando bater minha carteira com esse noticiário.

O brasileiro acordou. Ele sabe que o que a Globo — ou a Veja, ou a Folha – quer é bom para ela, ou elas, como mostram as listas de bilionários brasileiros, dominadas pelas famílias da mídia. Mas não é bom para a sociedade.

E por estar acordado o brasileiro impediu que o Mensalão desse no que o 1% queria – num golpe.

Por isso, o vinho que será tomado pela prisão de Dirceu será extremamente amargo.

———————

 

O GRITO DE UM BLOGUEIRO CONTRA A PRISÃO DE GENOINO

Edição/247 Fotos: Folhapress/Reprodução:

No artigo “Preto, pobre, prostituta e petista”, Eduardo Guimarães, do Blog da Cidadania, expressa sua indignação com a prisão de uma das principais lideranças da esquerda brasileira, José Genoino, que deve acontecer nas próximas horas; “isso está acontecendo em um país em que um político como Paulo Maluf, cujas provas de corrupção se avolumam há décadas, jamais foi condenado à prisão”, diz ele, que ilustra seu texto com uma imagem da “mansão de Genoino”

 

“Num tempoPágina infeliz da nossa históriaPassagem desbotada na memóriaDas nossas novas gerações

Dormia

A nossa pátria mãe tão distraída

Sem perceber que era subtraída

Em tenebrosas transações”

 Vai Passar (Chico Buarque)

Por Eduardo Guimarães, do Blog da Cidadania

O Brasil amanheceu pior do que ontem. A partir de agora, torna-se oficial o que, até então, era uma tenebrosa possibilidade: cidadãos brasileiros estão sendo privados de suas liberdades individuais apenas pelas ideologias político-partidárias que acalentam.

A “pátria mãe tão distraída” foi “subtraída em tenebrosas transações” entre grupos políticos partidários e de comunicação e juízes politiqueiros.

Na foto que ilustra este texto, o leitor pode conferir o único patrimônio de um político que foi condenado pelos crimes de “corrupção ativa e formação de quadrilha” pelo Supremo Tribunal Federal em 9 de outubro de 2012.

Junto com ele, outros políticos ou militantes políticos filiados ao Partido dos Trabalhadores, todos com evoluções patrimoniais modestas diante dos cargos que ocupavam na política.

José Dirceu, José Genoino, João Paulo Cunha e Henrique Pizzolato tiveram suas prisões decretadas com base em condenações por uma Corte na qual, ao longo de sua existência secular, jamais políticos de tal importância foram condenados.

A condenação desses quatro homens, todos de relevância político-partidária, poderia até ser comemorada. Finalmente, políticos começariam a responder por seus atos. Afinal, até aqui o STF sempre foi visto como a principal rota de fuga dos políticos corruptos.

Infelizmente, a única condenação a pena de prisão que aquela Corte promulgou contra um grupo político foi construída em cima de uma farsa gigantesca, denunciada até por adversários políticos dos condenados, como, por exemplo, o jurista Ives Gandra Martins, que, apesar de suas divergências com o PT, reconheceu que não houve provas para condenar José Dirceu, ou como o formulador da teoria usada para condenar os réus do mensalão, o alemão Claus Roxin, que condenou o uso que o STF fez de sua revisão da teoria do Domínio do Fato.

Dirceu e Genoino foram condenados por “formação de quadrilha” e “corrupção ativa” apesar de o primeiro ter estado infinitamente mais distante dos fatos que geraram o “escândalo do mensalão” do que estão Geraldo Alckmin e José Serra dos escândalos Alston e Siemens, por exemplo.

Acusaram e condenaram Dirceu apesar de, à época dos fatos do mensalão, estar distante do Partido dos Trabalhadores, por então integrar o governo Lula. Foi condenado simplesmente porque “teria que saber” dos fatos delituosos por sua importância no PT.

Por que Dirceu “tinha que saber” das irregularidades enquanto que Alckmin e Serra não são nem citados pelo Ministério Público, pela Justiça e pela mídia como tendo responsabilidade direta sobre os governos nos quais os escândalos supracitados ocorreram?

O caso Genoino é mais grave. Sua vida absolutamente espartana, seu microscópico patrimônio, sua trajetória ilibada, nada disso pesou ao ser julgado e condenado como um “corruptor” que teria usado milhões de reais para “comprar” parlamentares.

O caso João Paulo Cunha é igualmente ridículo, em termos de sua condenação. Sua mulher foi ao banco sacar, em nome próprio, com seu próprio CPF, repasse do partido dele para pagar por uma pesquisa eleitoral. 50 mil reais o condenaram por “corrupção passiva, peculato e lavagem de dinheiro”.

O caso mais doloroso de todos, porém, talvez seja o de Henrique Pizzolato, funcionário do Banco do Brasil, filiado ao PT e que, por ter assinado um documento que dezenas de servidores da mesma instituição também assinaram sem que contra eles pesasse qualquer consequência, foi condenado, também, por “corrupção passiva, peculato e lavagem de dinheiro”.

Isso está acontecendo em um país em que se sabe que dois governadores do PSDB de São Paulo, apesar de ter ocorrido em suas administrações uma roubalheira de BILHÕES DE REAIS, não são considerados responsáveis por nada.

Isso está acontecendo em um país em que um político como Paulo Maluf, cujas provas de corrupção se avolumam há décadas, jamais foi condenado à prisão.

Isso está acontecendo em um país em que um governador como Marconi Perillo, do PSDB, envolveu-se até o pescoço com um criminoso do porte de Carlinhos Cachoeira, foi gravado em relações promíscuas com esse criminoso e nem acusado foi pelo Ministério Público.

Isso está acontecendo, finalmente, no mesmo país em que os ex-prefeitos José Serra e Gilberto Kassab toleraram durante anos roubalheira dentro da prefeitura e quando essa roubalheira de MEIO BILHÃO de reais vem à tona, a mídia e o Ministério Público acusam quem mesmo? O PT, claro.

Já entrou para o imaginário popular, portanto, que, neste país, cadeia é só para pretos, pobres, prostitutas e, a partir de agora, petistas.

No Brasil, as pessoas são condenadas com dureza pela “justiça” se tiverem mais melanina na pele, parcos recursos econômicos, se venderem o que só pertence a si (o próprio corpo) para sobreviver ou se tiveram convicções políticas que a elite brasileira não aceita.

A condenação de alguém a perder a liberdade por suas convicções políticas, porém, é mais grave. É característica das ditaduras, pois a desigualdade da Justiça com os outros três pês deriva de falta de recursos para se defender, não de retaliação a um ideário.

Agora, pois, é oficial: você vive em um país em que se deve ter medo de professar e exercer suas verdadeiras convicções políticas, pois sabe-se que elas expõem a retaliações ditatoriais como as que levarão para cadeia homens cuja culpa jamais foi provada.

———————-

A vitória do golpe

Enviado por  –  O CAFEZINHO

Sem comentários por hoje. Analise as manchetes das edições do jornal O Globo dos dias 2 a 17 de abril (saltei uma edição ou outra) de 1964, e compare-as com a desta quinta-feira 14 de novembro de 2013. Se quiser ler as matérias, e entender a história, de ontem e hoje, entre no acervo do jornal.

ScreenHunter_2922 Nov. 14 18.55

ScreenHunter_2923 Nov. 14 18.56

ScreenHunter_2924 Nov. 14 18.57

ScreenHunter_2925 Nov. 14 18.57

ScreenHunter_2926 Nov. 14 18.58

ScreenHunter_2927 Nov. 14 18.59

ScreenHunter_2928 Nov. 14 19.00

ScreenHunter_2929 Nov. 14 19.07

ScreenHunter_2930 Nov. 14 19.08

ScreenHunter_2931 Nov. 14 19.09ScreenHunter_2932 Nov. 14 19.09ScreenHunter_2933 Nov. 14 19.10

ScreenHunter_2934 Nov. 14 19.41

ScreenHunter_2933 Nov. 14 19.41

———————–

 

O STF É QUE
FOI JULGADO

POR PAULO HENRIQUE AMORIM – NO CONVERSA AFIADA

 

 

A sessão que decidiu prender o Dirceu já foi um exercício no caos.

E no ineditismo.

Nunca Dantes, na História do Supremo, se inovou tanto para atingir o objetivo de  encarcerar o Dirceu, o arquiteto da obra política que governa o Brasil – para os pobres – desde 2002.

Encarcerar de preferência com algemas, se depender a opinião do Gilberto Freire com “i” (*), diretor de jornalismo do Supremo, e seu êmulo na batalha de seduzir o patrão – clique aqui para ler o depoimento do Paulo Nogueira sobre a matéria, o Ataulfo Merval de Paiva (**), o decimo­segundo Ministro.

Clique aqui para ler “Como o PiG se fez Juiz do mensalão”.

Breve será possível fazer a autopsia deste Golpe bem sucedido, que foi a cassação da liderança do PT.

Só sobram – por enquanto – o Lula e a Dilma.

Mas, é possível também extrair alguns benefícios da sessão que acabou por condenar este julgamento de exceção a seu lamentável lugar na Historia – o da Exceção.

O Supremo, com a ajuda da TV Justiça (um escárnio à Democracia) se mostrou em close ­up.

É o que é.

Uma Corte de partido.

O da Big House.

Mas, há o beneficio de o encarceramento do Dirceu realizar­-se um ano antes da eleição de 2014, que poderá ser histórica para o PT.

Até lá, as imagens do Dirceu algemado – se o secreto desejo do diretor de jornalismo da Globo se realizar – terão perdido a força da novidade estarrecedora.

O presidente Joaquim Barbosa não repetiu a metodologia de seu antecessor , o Big Ben de Propriá, que condenou Dirceu, na primeira vez, na hora em que o eleitor de São Paulo elegia Haddad contra o eterno Padim.

Obtido o encarceramento do Dirceu, o presidente Barbosa pode se sentir com autoridade e poder de legitimar, imediatamente, a Operação Satiagraha, que lança luz ofuscante sobre as atividades do Valeriodantas e a Operação Castelo tucano na Areia.

Enquanto apressa o julgamento do mensalão tucano, mais velho que o do PT e, nem por isso, na parada de sucessos.

O bem sucedido Golpe para degolar a liderança que construiu o PT ao lado do Lula deve ter ensinado ao PT a amarga lição: saber escolher ministros do Supremo e Procuradores Gerais.

Quem está na lista da Presidenta Dilma para suceder o ministro decano Celso de Mello ?

Vai depender o Sigmaringa, do zé da Justiça, do Palocci, king makers do PT?

Está na hora de fazer a limonada.

Paulo Henrique Amorim

(*) Ali Kamel, o mais poderoso diretor de jornalismo da história da Globo (o ansioso blogueiro trabalhou com os outros três), deu-se de antropólogo e sociólogo com o livro “Não somos racistas”, onde propõe que o Brasil não tem maioria negra. Por isso, aqui, é conhecido como o Gilberto Freire com “ï”. Conta-se que, um dia, D. Madalena, em Apipucos, admoestou o Mestre: Gilberto, essa carta está há muito tempo em cima da tua mesa e você não abre. Não é para mim, Madalena, respondeu o Mestre, carinhosamente. É para um Gilberto Freire com “i”.

(**) Ataulfo de Paiva foi o mais medíocre – até certa altura – dos membros da Academia. A tal ponto que seu sucessor, o romancista José Lins do Rego quebrou a tradição e espinafrou o antecessor, no discurso de posse. Daí, Merval merecer aqui o epíteto honroso de “Ataulfo Merval de Paiva”, por seus notórios méritos jornalísticos,  estilísticos, e acadêmicos, em suma. Registre-se, em sua homenagem, que os filhos de Roberto Marinho perceberam isso e não o fizeram diretor de redação nem do Globo nem da TV Globo. Ofereceram-lhe à Academia.E ao Mino Carta, já que Merval é, provavelmente, o personagem principal de seu romance “O Brasil”.

——————————

KOTSCHO: PRISÃO DOS RÉUS NÃO RESPINGA NAS ELEIÇÕES

Edição247-Divulgação R7 / Roberto Stuckert Filho-PR:  

Para colunista, mesmo após as condenações dos dirigentes petistas na AP 470, a presidente Dilma manteve altos índices de aprovação do seu governo e continua sendo a favorita para vencer as eleições do próximo ano

 

247 – Em seu blog, Ricardo Kotscho diz que a execução de penas dos réus da AP 470 não impacta, em nada, o caminho de Dilma Rousseff rumo à reeleição. Leia:

Prisões do mensalão não deverão influir nas eleições de 2014

Pela primeira vez na nossa história jurídica e política, tantos políticos foram julgados e condenados à prisão em sessões do Supremo Tribunal Federal transmitidas ao vivo pela televisão ao longo de um ano e meio.

Entre eles, está toda a antiga cúpula do PT no primeiro governo Lula, que ainda terá direito a novo julgamento dos embargos infringentes em 2014, mas já deverá começar a cumprir suas penas em regime semiaberto, como ficou definido nesta quarta-feira, ao final da mais confusa sessão do mais longo julgamento do STF.

Não acredito, porém, que esta decisão tenha consequências político-eleitorais, ao contrário do que esperam a grande mídia e seus comentaristas militantes, que passaram este tempo todo tentando influenciar a decisão dos ministros para que as penas fossem as maiores possíveis e pressionaram o STF até a véspera para decretar imediatamente as prisões.

Já não teve consequências em 2006, quando Lula foi reeleito para um segundo mandato, mesmo após a aceitação da denúncia do mensalão pelo STF.

Não teve em 2010, quando Lula elegeu sua sucessora, a presidente Dilma Rousseff, depois de alcançar os mais altos índices de aprovação de um governo em toda a nossa história.

E não teve nas eleições municipais do ano passado, no auge do julgamento do mensalão, que coincidiu com a campanha, quando o PT saiu das urnas como o partido mais votado do país.

Mesmo após as condenações dos dirigentes petistas, a presidente Dilma manteve altos índices de aprovação do seu governo e continua sendo a favorita para vencer as eleições do próximo ano.

Nem o PSDB acredita mais que o mensalão possa ser utilizado como arma política nas eleições, como reconheceu outro dia o marqueteiro da campanha de Aécio Neves, um dos pré-candidatos tucanos.

O julgamento do mensalão é uma página histórica, mas é uma página virada.

Vida que segue. Bom feriadão a todos.

Em tempo: depois que publiquei este texto, recebi o seguinte comentário do leitor Sergio Pinto, às 10h59: “Quanto ao mensalão dos tucanos, alguém ainda tem alguma expectativa de que ele virá a ser julgado antes da prescrição dos crimes ou da prescrição de culpa pela idade dos indiciados?”

Podem enviar suas respostas para o Balaio.

Categorias:Cidadania

14 Comentários

Assinar feed dos Comentários

  1. - Responder

    STF é oposição e esse jornalismo é situação!

  2. - Responder

    Então fica assim, o mensalão é uma criação das elites, como o chefão Zé Dirceu que voltou às pressas do descanso na Bahia, de ônibus de excursão?? Não, foi de jatinho, afinal de contas ele é da elite culpada pelo mensalão.

    Nisso a esquerdotralha tem razão, foram as elites, como o Zé do Jatinho, as responsáveis pelo mensalão.

  3. - Responder

    Dilma, cê conhece o Kassab??

    Conheço sim, Haddad, ele é nosso aliado na eleição para presidente.

  4. - Responder

    Petralhas não engana mais ninguem. Vão ter que continuar comprando voto.

  5. - Responder

    José e João Bobão, vocês não conseguem digerir a matéria porque ela coloca fatos históricos com recortes do Globo da época e outros documentos.A verdade é que a direita nacional,do qual vocês fazem parte,de foma clandestina,tentou derrubar o Governo Democrático, Progressista e Popular do Presidente Lula e Dilma com essa estória do mensalão!!O Governo segue em frente rumo a mais uma vitória nas urnas no ano que vem com o soberano voto do povo trabalhador !!!

    • - Responder

      haja fé.

  6. - Responder

    Ao gritar viva o PT, no momento em que foi preso por suas práticas criminosas, o bandidão não deixa dúvidas de que todos os seus crimes foram praticados em no partido e que este é nada mais nada menos do que uma organização criminosa.

  7. - Responder

    Os aplausos dos petistas, na porta da Polícia Federal, aos chefões partidários presos, representam vivas à corrupção e muitos, muitos outros crimes.

  8. - Responder

    Enquanto a incompetente presidente Dilma finge que combate a corrupção, a militÔncia petralha e petista aplaude a corrupção e os chefões Genoiino, Dirceu e Delúbio presos.

  9. - Responder

    Agora o PT está coerente com a sua prática: tem deputados presos que os representam na cadeia, mas tem também presidiários deputados que representam os bandidos no PT e no congresso.

  10. - Responder

    No dia em que se comemora a República, os chefões petistas são presos por suas práticas anti-republicanas.

    Os aplausos que os bandidos estão recebendo por parte da militÔncia petista e petralha demonstra que no PT todo mundo é anti-republicano e não ligam para os crimes praticados contra a coisa pública.

  11. - Responder

    Você é politicamente um doente” João não sei do quê ‘!!!

    • - Responder

      Se o Sr. Rubens Falcão acha normal os petistas aplaudirem um criminoso que queria implantar no Brasil uma ditadura de moldes cubanos/soviéticos, então você é o doente ideológico.

  12. - Responder

    FORA PT… FORA PT… PT NUNCA MAIS

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

quatro × 5 =