TUDO POR DINHEIRO: PMs teriam sido pagos por campanha apoiada por Fávaro para espionar Pivetta – conta coronel Siqueira. Denúncia cai no colo do vice de Zé Pedro Taques. LEIA DEPOIMENTO

O depoimento do secretário de Estado de Justiça e Direitos Humanos (Sejudh), coronel Airton Siqueira, ao Inquérito Policial Militar (IPM), que apura crimes de espionagem em Mato Grosso pode acabar em uma guerra de egos envolvendo os poderes Executivo, Judiciário e o Ministério Público Estadual (MPE) – e revelar a existencia de toda uma banda podre dentro da Policia Militar de Mato Grosso. Além de manchar a reputação de figuras públicas, o esquema de espionagem no Estado “rachou” a Polícia Militar e as consequências ainda são incalculáveis.

O que sobressai do depoimento é que, à sombra do Governo do Estado, a Policia Militar de Mato Grosso, teria passado a abrigar verdadeiras quadrilhas, a vender serviço de escuta clandestina para quem estivesse interessado e disposto a pagar mais. No caso, a denúncia cai no colo do vice-governador Carlos Fávaro, líder do agronegócio no Estado.

Não se trata, agora, apenas de punir quem patrocinou as escutas identificadas e denunciadas pelo promotor Mauro Zaque. O que deve exigir do desembargador Orlando Perri, que comanda as investigações, é o desbaratamento dessas quadrilhas, cuja alcance de atuação precisa também ser identificado.

Vejam que, pelo que se denuncia agora, o megasojicultor Otaviano Pivetta, ex-prefeito de Lucas do Rio Verde (atualmente sem partido), teria sido mais um alvo das escutas ilegais, no esquema que ficou conhecido como “barriga de aluguel”. A afirmação consta no depoimento do coronel Airton Benedito de Siqueira Júnior e deve merecer leitura atenta do desembargador Perri para aprofundamento das investigações que, ao que tudo indica, batem direto nos gabinetes do poder no Palácio Paiaguás.

O serviço de arapongagem, prestado clandestinamente por alguns militares de alta patente lá em Lucas, segundo conta o coronel Siqueira, teria sido contratado por Rogério Ferrarin, coordenador da campanha do prefeito eleito em 2016, Luiz Binotti, pelo valor de R$ 20 mil.

Conforme contou Siqueira, o ex-secretário da Casa Civil, Paulo Taques, disse que seu escritório estava prestando assessoria jurídica em Lucas do Rio Verde e que havia pessoas, aparentemente policiais militares, que estavam no hotel perguntando sobre o nome dos advogados do escritório do Dr. Paulo, quais quartos estavam hospedados, o que estavam fazendo.

Em um encontro no posto de combustíveis Bom Clima, em Cuiabá, o cabo da Polícia Militar, Rafael teria afirmado que esteve em Lucas do Rio Verde, junto com o major da PM Barros em uma missão conduzida pelo tenente coronel César Gomes, que teria sido contratado por Rogério Ferrarin. “Que o cabo PM Rafael disse ao informante que instalaram escuta ambiental e câmeras no comitê da campanha do Pivetta e invadiram o escritório jurídico no hotel e tiraram fotos e mandariam esses dados ao Tem Cel PM César Gomes para produzir um relatório e subsidiar futura impugnação da candidatura”, diz trecho do depoimento do coronel Siqueira Jr.

Siqueira diz ter ficado em uma situação difícil porque Binotti era candidato apoiado pelo vice-governador Carlos Fávaro (PSD e representante direto do agronegócio dentro do comando do Estado ) e Otaviano Pivetta era candidato do governador Pedro Taques (PSDB). “Que percebeu um mal-estar gerado com o vice-governador, sendo que provavelmente venderam uma história de que o informante estava fazendo atividade de inteligência, totalmente diferente do que o informante relatou” – depôs Siqueira Jr.

Siqueira afirmou também que foi intimado e tomou conhecimento de que foi instaurado um inquérito policial pelo delegado Flávio Henrique Stringueta e que estaria sendo investigado por suposta operação de inteligência ilegal realizada em Lucas do Rio Verde, em 2016.

Aguardemos pelos desdobramemntos das investigações. Todos os militares citados por Siqueira Jr, bem como os políticos Rogério Ferrarin, Otaviano Pivetta e Carlos Fávaro, e também o advogado e ex-secretário de Estado, Paulo Taques, devem ser, necessariamente, convocados pelo desembargador Orlando Perri para os devidos esclarecimentos.

Coronel Siqueira Jr, secretário de Zé Pedro Taques, fala sobre escândalo dos grampos ilegais by Enock Cavalcanti on Scribd

Nota Do Desembargador Orlando Perri Reagindo a Declarações Do Coronel Siqueira Jr by Enock Cavalcanti on Scribd

Sem comentários. Seja o primeiro a comentar

Assinar feed dos Comentários

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

dezesseis − oito =