gonçalves cordeiro

Tourinho Neto, do TRF da 1ª Região, manda soltar Cachoeira. Sérgio Bittencourt, do TJDF, manda manter Cachoeira na prisão da Papuda. Com qual dos dois juízes você concorda, bem informado cidadão?

Cachoeira entre dois juízes: qual é o seu?

 

Tourinho Neto, do TRF da 1ª Região, concedeu habeas corpus a Carlinhos Cachoeira; “poeira assentou”, registrou juiz; “cenário que autorizou a prisão preventiva não existe mais”; para Sérgio Bittencourt, do Tribunal de Justiça do DF, porém, bicheiro deve ser mantido atrás das grades; e você, o que acha?

Do site Brasil 247

De um modo ou de outro – e exatamente por isso -, Carlinhos Cachoeira pode se achar entre duas justiças. Enquanto o juiz do Tribunal Regional Federal da Primeira Região, Fernando Tourinho Neto, concedeu nesta sexta-feira 15 o que, na prática, representaria sua liberdade, o desembargador do Tribunal de Justiça do Distrito Federal, Sérgio Bittencourt, negou pedido para que o bicheiro deixe a penitenciária da Papuda, em Brasília.

O paradoxo é compreensível. Mesmo sob provas cabais, representadas pelas escutas captadas pela Operação Monte Carlo, da Polícia Federal, os dois magistrados apresentam opiniões – e decisões – opostas. O contraventor foi preso no dia 29 de fevereiro acusado de chefiar uma quadrilha que trabalhava na exploração de jogos ilegais. Ele também é alvo de uma CPI no Congresso que apura suas relações com empresários, políticos e profissionais da imprensa.

Segundo trechos do voto de Tourinho Neto, Cachoeira não deve mais ficar preso porque o cenário que autorizou a prisão do bicheiro não existe mais. “Atualmente, o quadro é outro. A poeira assentou. A excepcionalidade da prisão preventiva já pode ser afastada”. O desembargador também confia no poder inibitório da CPI para impedir novos delitos. “Diante da instauração da CPMI, […] como poderá o paciente abrir novas casas de jogos?”. Ele lembra ainda que as máquinas caça-níqueis foram apreendidas e que todos os servidores públicos envolvidos foram afastados.

Bittencourt não pensa o mesmo. Segundo o desembargador do DF, “os fundamentos utilizados por Tourinho Neto não são hábeis a informar os fortes argumentos trazidos pela culta magistrada que prolatou decisão atacada”. O juiz se referiu, em seu voto, à decisão da juíza da 5ª Vara Criminal de Brasília que determinou a prisão de Cachoeira pela Operação Saint-Michel.

Diante de duas decisões tão diferentes referentes ao mesmo processo e ao mesmo criminoso, com qual justiça você fica?

4 Comentários

Assinar feed dos Comentários

  1. - Responder

    Prezado Enock, na qualidade de ótimo jornalista que vc é faça-nos um grande favor, para a sociedade brasileira. Por que os casos mais emblemáticos do TRF1 são distribuídos para este cidadão? Veja os casos de MT que ele julgou! Qual foi o critério que foi usado para ele compor o CNJ? Não consigo entender! Muito obrigado! Um pacato cidadão!

  2. - Responder

    Em geral Tourinho pega estes casos no Plantão. Ou seja, os advogados dos malas esperam o plantão de arremedo de magistrado. Aí é caixa! é um tipo de Tadeu Cury candango, se me entendem…. Ele é que deveria ir para a cadeia!

  3. - Responder

    Enock,
    Para variar difundindo desinformação, como podem ser decisões num mesmo processo se 1 desembargador é do TJDFT e o outro do TRF1?
    Não gostar das decisões do Tourinho tudo bem é direito, agora colocar informações erradas para criticar tais decisões, aí não é legal.

    • - Responder

      Não tem nada a ver seu comentário Carlos, pois o sujeito está preso por processos distintos. A sorte do Brasil é que o processo que corre no TJDF não teve a prisão revogada. Só isso. Enock divulgou certinho o caso.

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

6 + vinte =

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.