Tendência é de cassação do mandato de Júlio Campos, na Justiça Eleitoral. José Blaszak (relator), que saiu do TRE, e juiz federal Pedro Francisco votaram pela cassação. Samuel Franco, juiz da cota da OAB, que também encerrou sua temporada no TRE, votou a favor do parlamentar do DEM. Juiz Agamenon Moreno, representante da magistratura estadual, pediu vistas, adiando a conclusão da votação. Acusação contra Julinho é de compra de votos, na eleição de 2010

Juiz José Blaszak vota pela cassação de Júlio Campos (Voto) by Enock Cavalcanti

 

O empresário Julio Campos Neto, com seu pai, o deputado federal e ex-governador Júlio Campos (DEM) e o juiz eleitoral José Blaszak, da cota da OAB, que votou pela cassação de Julinho no processo que está sendo finalizado no Tribunal Regional Eleitoral

O empresário Julio Campos Neto, com seu pai, o deputado federal e ex-governador Júlio Campos (DEM) e o juiz eleitoral José Blaszak, da cota da OAB, que votou pela cassação de Julinho no processo que está sendo finalizado no Tribunal Regional Eleitoral

COMPRA DE VOTOS
Placar até o momento é de 2 a 1 pela cassação de Julio Campos
Pedido de vista do juiz Agamenos Alcântara adiou a decisão

THIAGO ANDRADE , do Hipernotícias


Mais uma vez foi adiado o julgamento que pode levar à cassação do mandato do deputado Julio Campos (DEM), dessa vez, por conta do pedido de vista do juiz Agamenon Alcântara. Até o momento, os votos estão em 2 a 1 pela punição ao social-democrata.

Isso porque o juiz eleitoral Pedro Francisco acatou os argumentos do Ministério Público e votou favorável à cassação. O então relator do caso, José Luiz Blazack, também havia manifestado pela perda do mandato. Já o juiz Samuel Dalia Franco, contestou os argumentos e votou pela absolvição do parlamentar.

Com o pedido de vista do Agamenon Alcântara deve adiar ainda mais a decisão sobre o caso que foi investigado ainda no pleito de 2010, quando Julio foi candidato à reeleição.

 

Hugo Dias/HiperNotícias


Conforme a denuncia, o deputado federal utilizava a sede da empresa da qual é sócio majoritário, a Empreendimentos Santa Laura, para distribuir vales de supermercados e abastecimento de veículos, com o objetivo de obter votos. Os tíquetes teriam sido distribuídos por Júlio Campos Neto, filho do parlamentar, e trocados no supermercado Bom Gosto, em Várzea Grande, e no Posto América, em Cuiabá.

Segundo a Lei 9.504/97, que estabelece normas para as eleições, no período compreendido entre o registro da candidatura até o dia da eleição os candidatos não podem doar, oferecer, prometer ou entregar ao eleitor bens ou vantagens pessoais de quaisquer natureza.

Disfarçados de eleitores, policiais federais foram até a sede da empresa e se mostraram interessados nas doações, após receber uma denúncia anônima. A confirmação das supostas irregularidades foi no dia 23 de setembro do ano de 2010 (no período eleitoral).

Segundo o MPE também houveram outras provas após apreensões no escritório da empresa do candidato, no posto América e no supermercado Bom Gosto, não deixam dúvidas sobre as irregularidades.

OUTRO LADO
O deputado Julio Campos não preferiu não comentar o caso. Afirma que está em Brasília e não acompanhou o julgamento.

1 Comentário

Assinar feed dos Comentários

  1. - IP 179.179.88.96 - Responder

    É lamentável que faltando apenas 6 meses para terminar a atual Legislatura o Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso, queira cassar o mandato de um dos mais atuantes e competentes deputados de MT, que é o Dr.Julio Campos, atendendo uma vontade politica do Ministério Publico Eleitoral, que contradiz todas as declarações dos eleitores testemunhas deste processo. É sabido que o relator Dr.José Luiz Blasack, colocou este processo para ser discutido e votado no ultimo dia do seu mandato, para fugir da responsabilidade de ter que esclarecer os demias Membros do TRE sobre certa indagações que lhes seriam feitas.Por que não conseguiu cassar o mandato do Governador Silval,quer de qualquer forma cassar o mandato do ex-Governador Julio Campos. Não dá pra entender certas coisas da politica de Mato Grosso.Mais ainda confio nos demais Membros do TRE para não cometerem uma injustiça como essa,que querem a cabeça do Deputado Julio Campos.

Deixe uma resposta para Jose Carlos de Lima    ( cancelar resposta )

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

dois × quatro =