EM NOME DO AMOR À NATUREZA: O jornalista André Trigueiro, ao protestar contra o uso do “correntão” na derrubada de nossas florestas, expôs mais uma vez a atuação do deputado Dilmar Dal Bosco. E o que temos feito nós, aqui em MT, para parar este parlamentar predador?

O jornalista André Trigueiro, ao protestar, em seu perfil no Facebook, contra a liberação em Mato Grosso do uso de correntes presas por tratores, o chamado “correntão”, uma técnica de desmatamento que agride violentamente a fauna e a flora, expôs mais uma vez, diante de Mato Grosso, do Brasil e do mundo a atuação do deputado Dilmar Dal Bosco, deputado do DEM.

Dilmar foi o autor da proposta que, vejam só que horror, acabou aprovada na Assembleia Legislativa sem um protesto sequer e o decreto legislativo já está valendo para respaldar as correntadas nas árvores, pelo Mato Grosso a dentro.

Essa iniciativa do Dilmar, em favor do ” correntão”também não tinha provocado, por aqui, nenhum protesto da nossa imprensa regional, sempre teleguiada pelo poder, ou mesmo do Ministério Público que, não fosse pela decisão do Conselho Superior do MP, uma entidade nacional, continuaria ainda mantendo sua parceria espúria com o Governo do Estado, com a promotora Ana Peterlini respondendo por uma secretaria do Meio Ambiente que quase sempre só serve para se omitir.

E se o repórter da Rede Globo protesta nas redes sociais contra os mal feitos dos parlamentares de Mato Grosso, por aqui em Mato Grosso, o silêncio contra o avanço dos depredadores é sintomático de uma covardia quase completa. O tema parece não que entusiasma, não dá boas pautas. Ninguém teima na perseguição aos predadores.

Ainda bem recentemente lá estava o Dilmar Dal Bosco, com aquele seu jeitinho caipira, em uma espantosa articulação com o também deputado Eduardo Botelho, agora apontado para assumir a presidência da Assembleia a partir de setembro, promovendo sessão secreta da Assembleia Legislativa de Mato Grosso para aprovar o relaxamento das leis ambientais para favorecer os interesses predatórios de empresas como a Votorantim, que lucram com a exploração da extração de minérios em nosso Estado.

Não fosse a reação do velho blogueiro mato-grossense Eduardo Gomes e talvez a lei votada na clandestinidade ainda continuasse valendo. À medida que o Eduardo Gomes botou a boca no mundo, o Ministério Público acabou reagindo  e o presidente da AL, Guilherme Maluf, que não participara da sessão secreta, acabou por anulá-la.

O fato é que nós, de Mato Grosso, temos que tomar vergonha na cara e passar a depender menos de jornalistas e jornais de outras regiões para zelar pelo que é nosso, para zelar pela defesa da Legislação, para zelar pelo meio ambiente tão rico de nosso Estado.

Vejam que aqui os ambientalistas e as entidades ecológicas vivem sufocados. Os empresários desmatadores e predadores vão fazendo tudo o que querem, sem encontrar quem lhes coloque um freio. Temos que superar essa nossa vergonha coletiva – e reagir.

Veja aqui o protesto de Andre Trigueiro nas redes sociais

andré-trigueiro

 

ENTENDA COMO AVANÇA A DEPREDAÇÃO EM MATO GROSSO:

1 Comentário

Assinar feed dos Comentários

  1. - IP 187.7.244.56 - Responder

    Muito bom!!!! Que a verdade seja dita, doa a quem doer!!! O silencio das raposas que cuidam do galinheiro já diz tudo!!! O desmate continua a todo vapor e agora, com o aval dos sujos!! Desmatamento zero governador?? Estão dando risada, mostrando mais uma vez que quem dá a cartada final é a bancada ruralista. E o silêncio continua…..

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

três × 3 =