SENADOR, OLHA O VEXAME! – Visita de José Marcondes, o pequeno Muvuca, ao Senado Federal, deixa o senador Pedro Taques à beira de um ataques de nervos.

Todos que esperavam ver Pedro Taques envolvido em polêmicas mais produtivas, não podem deixar de se espantar ao ver a trapalhada que se arma no Senado quando Pedro Taques percebe que um blogueiro, que é seu critico contumaz e que ele trata como desafeto, resolveu acompanhar a reunião de uma comissão permanente da Casa. O testemunho do jornalista Cláudio Humberto, que estava no local, é de que o piti de Pedro Taques foi constrangedor. E aguarda-se pela prova de que Muvuca, efetivamente, tenha feito mais que uma piada de mau gosto contra o assustado senador do PDT

A nota divulgada pelo Josias de Souza foi, visivelmente, alimentada pelo gabinete do Pedro Taques no Senado.  Sim, Pedro Taques tem bom transito entre os mais renomados articulistas do PIG que, diante de um Muvuca, não se preocupam em pensar que possa existir um outro lado. O insuspeito Cláudio Humberto, que estava presente na hora do bafafá, todavia, diz que o que houve mesmo foi um ataque de nervos do senador Pedro Taques. Um piti tipo constrangedor. Depois do que vi Pedro Taques argumentar, eu estou querendo ler o tal post em que o Muvuca, segundo o Pedro Taques, ameaça matá-lo. É a prova do crime! A Adriana Vandoni, tão zelosa dos interesses do Pedro Taques, deve ter feito um print – e talvez nos lance mais esclarecimentos sobre este lance, propagandeado por Pedro Taques como se fosse uma espécie de arremetida da Al Qaeda contra ele.  A versão que ouvi do Muvuca, neste final de noite, é que ele, sempre exagerado e abusado como todo mundo conhece, ameaçou, sim, matar o Pedro Taques… mas matar de raiva! Será que os vários processos que Pedro Taques move contra o Muvuca não são bastante para lidar com essa ameaça que vem dos descontrolados blogues na internet contra esta estrela da nova direita parlamentar, que é o Pedro Taques? E olhem que o Muvuca, serviçal de Riva e inscrito, ao que eu saiba, nas fileiras do DEM, também é um direitista de carteirinha. Talvez seja o caso do Pedro Taques conversar com o Renan Calheiros para aprender algumas técnicas de relaxamento quando milhares e milhares de blogues e páginas no Facebook investem contra você, como vem ocorrendo com o próprio Renan Calheiros. Ao que saiba, o Renan Calheiros ainda não mandou prender ninguém e quem o xinga segue livre neste Brasil varonil, podendo circular livremente até mesmo dentro do Senado Federal. O curioso é que, quando se trata de linchar o Renan Calheiros pela internet, Pedro Taques e sua turma (confiram no site da Adriana Vandoni), sempre dão uma força danada. Articulistas do PIG, como Dora Kramer e Anselmo Góis já chegaram a insinuar que qualquer hora dessas o Renan Calheiros haverá de ficar sem condição de entrar num avião ou num restaurante, no eixo Rio-São Paulo-Brasilia, ante a possibilidade de ser cuspido pelos atentos leitores de Reinaldo Azevedo, Augusto Nunes, essa gente bronzeada tão empenhada em acabar com a praga que eles identificam como a praga dos petralhas no Brasil. Será que um Pedro Taques não é bastante para lidar com um Muvuca? Teria sido preciso mesmo envolver a Policia do Senado  nesta história? Problemas da democracia – eu aprendi com o Antero de Barros, que agora anda muito amiguinho do Pedro Taques, já que o Pedro Taques anda tucanando e o Antero é um pós-tucano -, bem, problemas da democracia a gente resolve com mais democracia. Mais democracia para o Muvuca, portanto. Que os processos contra o Muvuca sejam julgados logo para acalmar o senador Pedro Taques.  Pedro Taques parece estar achando que o Muvuca, porque o critica, não tem mais o direito de ir e vir – pelo menos o direito de ir e vir em ambientes nos quais o próprio e assustadiço Pedro Taques esteja presente. Será que essas restrições, específicas contra o cidadão alcunhado de Muvuca, constam da Constituição que o Pedro Taques tanto diz defender?  Para terminar, outro aspecto curioso desta trapalhada: na hora do aperto, achando que estava diante de um matador chamado Muvuca e achando que ele, Pedro Taques, era um homem marcado para morrer, o senador matogrossense, sob o domínio do medo (será que molhou as cuecas?) pede socorro logo a quem?! A Renan Calheiros e a Fernando Collor de Mello, senadores contra os quais ele, Pedro Taques, embeiçado pelos holofotes do PIG, tem erguido o seu chicote de bem instruido parceiro do engavetador Roberto Gurgel dentro do Senado Federal. Collor e Renan, em atitude civilizada, não negaram proteção ao apavorado Pedro Taques que vai mostrando assim que é mais um aloprado que pintou no cenário político brasileiro. Confira o noticiário. (EC)

 

Polícia do Senado contém desafeto de Taques

por Josias de Souza

O senador Pedro Taques (PDT-MT) viveu momentos de tensão nesta quarta-feira (20). Após ameaçá-lo de morte no Facebook, um jornalista de Cuiabá apareceu no Senado. Chama-se José Marcondes. Responde a cinco processos por injúria, calúnia e difamação movidos pelo senador.   Conhecido como Muvuca, o jornalista foi, primeiro, ao gabinete do senador Blairo Maggi (PR-MT). Matogrossense como Taques, Maggi conhece o contencioso. Mandou um assessor avisar Taques, que se espantou com a presença do desafeto nas dependências do Senado.

Em 5 de março, Taques entregara um ofício ao presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL). No documento, pedia para ser avisado caso o jornalista entrasse no prédio do Senado. Antes, o senador já havia alertado a Polícia Federal. Na conversa com Renan, Taques historiou o caso. Contou sobre as mensagens veiculadas no Facebook.

Numa delas, o jornalista anotou que poderia “matar” o senador. Noutra, mais recente, informou que iria a Brasília para avistar-se com Renan e com Fernando Collor (PTB-AL), dois adversários políticos de Taques, candidato derrotado à presidência do Senado na eleição de fevereiro passado.   Ao saber, por meio do assessor de Maggi, sobre a presença de Muvuca, Taques foi ao líder do seu partido, Acir Gurgacs (PDT-RO). Como estivessem na Comissão de Infraestrutura do Senado, presidida por Collor, dirigiram-se a ele. Cientificado de que o jornalista o mencionara na internet, Collor apressou-se em ligar para Renan. O presidente do Senado almoçava numa mesa do restaurante brasiliense Stella Grill. Seu celular estava desligado.

Collor, então, tocou o telefone para Gim Argello (DF), líder do PTB no Senado. Ele estava ao lado de Renan, a quem passou o celular. Informado, finalmente, sobre a encrenca, Renan telefonou para a Polícia do Senado. Determinou: 1) que fossem enviados seguranças para proteger Taques; 2) que o jornalista fosse localizado e colocado para fora do prédio. Assim foi feito.

Agora, Taques analisa que providências irá adotar. Em Cuiabá, mercê dos inimigos que colecionou ao longo dos 14 anos em que atuou como Procurador da República, o senador até hoje recebe a proteção de agentes da Polícia Militar. Em Brasília, nada.

————–

 

Pedro Taques aciona Presidência do Senado e afirma ter sofrido ameaça de morte de jornalista de Cuiabá

Da Redação – Lucas Bólico OLHAR DIRETO

O senador Pedro Taques (PDT) encaminhou um ofício à Presidência do Senado informando que o jornalista José Marcondes dos Santos, o Muvuca, havia anunciado na rede social Facebook a “intenção” de matá-lo. O ofício foi protocolado no último dia 5 de março, mas só veio à tona nesta quarta-feira (20), em nota emitida pelo congressista para desmentir trechos de um texto publicado pelo jornalista Claudio Humberto, segundo o qual Taques teria acionado a Polícia Legislativa e se refugiado na Comissão de Infraestrutura na tarde de hoje após ser abordado por um homem “da máfia dos combustíveis no Mato Grosso”.

As versões sobre o que de fato ocorreu na tarde de hoje no Senado se diferem. Na nota publicada inicialmente, Claudio Humberto afirmava que “um homem ainda não identificado invadiu o Senado Federal nesta tarde e ameaçado de morte o senador Pedro Taques (PDT-MT)”. Humberto ainda declarava que o senador Acir Gurgacz (PDT-RO) acompanhou Taques quando o mesmo se refugiou na Comissão de Infraestrutura da Casa, que é presidida por Fernando Collor (PTB-AL), sob proteção de seguranças.   “Ao tomar ciência da ameaça, o presidente da Casa, Senador Renan Calheiros (PMDB-AL) telefonou para Pedro Ricardo, diretor da Polícia Legislativa do Senado, e recomendou que um esquema especial de segurança fosse dispensado a Taques”, completava Humberto.   Após a veiculação do texto, o senador mato-grossense emitiu nota declarando que as informações publicadas até então eram inverídicas e infundadas. “Mesmo após ser procurada pela minha assessoria para esclarecer o que classifico como “boato”, conversa de corredor, a redação do referido blog manteve a versão publicada sem sequer ouvir e citar o “outro lado”, sustenta.

O senador declara que não foi ameaçado de morte na tarde de hoje, não se refugiou na Comissão de Infraestrutura do Senado Federal e também não recebeu proteção exclusiva da Polícia Legislativa. “Por confiar no trabalho da Polícia Legislativa, acredito que nenhum cidadão tenha entrado armado no Senado Federal”, afirmou.   Taques sustenta que protocolou na Presidência do Senado no dia 05 de março deste ano um ofício explicitando que Muvuca teria dito em sua página na rede social a seguinte frase: “atenção autoridades: eu ainda vou matar esse cara”. “Devido às ameaças feitas pelo cidadão, a chefia de segurança do Senado irá me informar sobre a presença dele nesta Casa de Leis. Esta é a única medida de segurança em vigor neste caso”, declara.   Muvuca também deu sua versão do ocorrido usando sua página no Facebook. “Estou em Brasília fazendo meu trabalho, cobrindo a pauta política. Um certo senador, quando me viu, chamou a polícia do senado dizendo que eu sou uma ameaça pra ele. A única ameaça que ofereço é revelar seus podres. Mas aí ele viu a besteira que fez e tentou desmentir. Por meu lado, dei uma declaração na polícia do Senado que fica lá dentro e saí”, declara Muvuca.

Muvuca sustenta que Taques criou uma história “fantasiosa” de que alguém estava armado atrás dele . “Desafio ele, novamente, se for homem e tiver alguma decência moral, a provar que pelo menos cheguei perto dele, quanto mais ameaçar”, declarou. O jornalista ainda fez troça do episódio. “Tenho que agradecê-lo por isso, obrigado Pedroca! Nem se eu quisesse teria chamdo tanto a atenção”, finalizou.   O texto publicado por Claudio Humberto às 14h21 foi atualizado às 18h43 (ambos horários de Brasília). “Apesar de dizer que as informações deste site seriam “inverídicas”, Taques exibiu suas pernas curtas: em nota, sem citar o nome do desafeto, contou que durante a audiência pública “percebemos a presença de um cidadão que responde a seis ações, entre civis e criminais, por insinuações infundadas e desmedidas e ameaças contra a minha pessoa”, acrescentou Claurio Humberto.

Confira abaixo as diferentes versões do ocorrido na tarde de hoje:   Texto atualizado divulgado pelo jornalista Claudio Humberto:   Pedro Taques se sentiu ameaçado por desafeto e pediu proteção à segurança   14h21, atualizada às 18:43 – O senador Pedro Taques (PDT-MT) se sentiu ameaçado por um homem que ele reconheceu durante audiência pública da Comissão de Infraestrutura, e, na companhia do líder do seu partido, Acir Gurgacz (RO), acabou refugiando-se na própria comissão. Por volta das 14h, o presidente do colegiado, senador Fernando Collor (PTB-AL), telefonou ao presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), informou o que estava acontecendo e pediu proteção a Taques. Ato contínuo, em gesto testemunhado por três jornalistas, inclusive o titular deste site, Calheiros telefonou ao diretor da Polícia Legislativa, Pedro Henriques, e determinou medidas imediatas para a segurança do senador do Mato Grosso e para a retirada do Senado do homem que ele considerou ameaçador. Pedro Taques desmentiu a informação, mas ela foi confirmada não apenas pelos senadores citados como por suas assessorias. Apesar de dizer que as informações deste site seriam “inverídicas”, Taques exibiu suas pernas curtas: em nota, sem citar o nome do desafeto, contou que durante a audiência pública “percebemos a presença de um cidadão que responde a seis ações, entre civis e criminais, por insinuações infundadas e desmedidas e ameaças contra a minha pessoa”. Informa ainda que reiterou ofício enviado a presidência da Casa “requerendo providências cabíveis, sobretudo quanto a segurança deste senador”. O homem ameaçador seria o autor de denúncia de que a máfia dos combustíveis no Mato Grosso teria financiado a campanha de Taques para o Senado, em 2010.

Abaixo a nota divulgada pelo senador Pedro Taques:

Para efeitos de verdade, transparência e publicidade, o senador Pedro Taques (PDT-MT) desmente as informações publicadas no Blog do jornalista Cláudio Humberto, na nota “Pedro Taques se refugia em comissão do Senado com medo de homem armado”:   – São informações inverídicas, veiculadas de forma irresponsável. Mesmo após ser procurada pela minha assessoria para esclarecer o que classifico como “boato”, conversa de corredor, a redação do referido blog manteve a versão publicada sem sequer ouvir e citar o “outro lado”.

– Nesta quarta-feira (20.03), não fui ameaçado de morte, não me refugiei na Comissão de Infraestrutura do Senado Federal, tampouco recebi proteção exclusiva da Polícia Legislativa. Por confiar no trabalho da Polícia Legislativa, acredito que nenhum cidadão tenha entrado armado no Senado Federal.   – Esclareço que participei de audiência pública na Comissão de Serviços de Infraestrutura (CI), presidida pelo senador Fernando Collor, que contou com a presença do diretor-geral do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes.   – Durante o ato público, minha assessoria percebeu a presença de José Marcondes dos Santos Neto, o “Muvuca”. O cidadão responde a seis ações, entre civis e criminais, por insinuações infundadas e desmedidas e ameaças contra minha pessoa.   – Após tomar ciência de que o cidadão estaria utilizando sua página no Facebook para fazer declarações de extrema gravidade e ameaças contra minha pessoa como a frase “atenção autoridades: eu ainda vou matar esse cara” e se exaltar por ser praticante de tiro e utilizador de armas de fogo, encaminhei ofício à presidência do Senado no sentido de informar a instituição sobre os fatos. O ofício foi protocolado na presidência da Casa no dia 05 de março deste ano;

– Devido às ameaças feitas pelo cidadão, a chefia de segurança do Senado irá me informar sobre a presença dele nesta Casa de Leis. Esta é a única medida de segurança em vigor neste caso.   – No mais, esclareço que não houve nenhum imbróglio. Continuei minhas atividades parlamentares, participei da audiência pública na Comissão de Serviços de Infraestrutura, entre outras agendas legislativas.   Sempre mantendo a postura de rigor e transparência no relacionamento com a imprensa, o senador Pedro Taques se coloca à disposição para qualquer outro esclarecimento.

Veja abaixo o texto publicado pelo jornalista Muvuca em sua página pessoal no Facebook:

Exclusivo – Para que os veículos locais não distorçam os fatos:

Medo, dissimulação e mentira

Estou em Brasília fazendo meu trabalho, cobrindo a pauta política. Um certo senador, quando me viu, chamou a polícia do senado dizendo que eu sou uma ameaça pra ele. A única ameaça que ofereço é revelar seus podres. Mas aí ele viu a besteira que fez e tentou desmentir. Por meu lado, dei uma declaração na polícia do senado que fica lá dentro e saí. Estou no hotel.

Mas ele, este senador, para tentar reparar a cagada (com o perdão da expressão) criou uma história fantasiosa de que alguém estava armado atrás dele. Pura ingenuidade, pos além de ser mentira, desafio ele, novamente, se for homem e tiver decência moral, a provar que pelo menos cheguei perto dele, quanto mais ameaçar.

Agora, veja o resultado de suas besteiras: Toda a imprensa nacinal me ligand, Folha de São Paulo, Jornal do Brasil, O Globo, etc. Em seu excesso de esperteza, acabou abrindo as portas da imprensa nacional para mim.   Tenho que agradecê-lo por isso, obrigado Pedroca! Nem se eu quisesse teria chamado tanto a atenção.   Esta sim é a verdadeira ameaça, eu abrir a boca revelando o que sei. Quem está ameaçado, neste caso, sou eu!   Abram o o olho!

 

12 Comentários

Assinar feed dos Comentários

  1. - IP 201.71.176.152 - Responder

    O que está acontecendo com os políticos de Mato Grosso? Num dia um vereador retoma o assunto da sua sexualidade na mídia que estava enterrada há meses, e noutro dia um senador (que não é nenhum garotão que tem que provar algo a alguém) cava na mídia nacional um suposto crime de pistolagem. E, como pivô de tudo isso apenas um jornalista invocado e debochado chamado Muvuca. Agora, o Muvuca deu para ser mote de políticos em Mato Grosso. Apesar de gostar muito do senador Pedro Taques, muito mesmo, achei abominável ser o causador da demissão do jornalista Muvuca do seu trabalho. Poxa vida, o jornalista vive do trabalho de jornalismo, é o ganha-pão do cara. E depois, perseguir alguém que não tem renda, não tem patrimônio para se manter, através de processos na Justiça é um soco no estomago de qualquer trabalhador brasileiro. Por mim o senador retirava todos os processos contra o Muvuca. Pôxa, Pedro é o cara da qual nos orgulhamos por ser zeloso, honrado, dedicado, estudioso e corajoso, acima da nossa média, então não precisaria manter disputa com um garoto que está tentando se firmar no mundo cão como o Muvuca.

    • - IP 177.41.86.167 - Responder

      Acho que este comentário diz muita coisa. Valeu a pena ler cada palavra escrita.

  2. - IP 201.95.123.39 - Responder

    Os políticos do Mato Grosso nos envergonham, com tantos problemas no estado, veja o que chama a atençao no cenário da imprensa nacional, as brigas domésticas. Temos enormes problemas com a saúde, transporte, educação, segurança e tantas outras questões relevantes, porém as brigas dométicas são maiores, desta forma inviabilizando o estado que não dá resposta aos interesses dos cidadões.

  3. - IP 189.59.69.195 - Responder

    Assim o senador Taque vai acabar no “Irajá”….

  4. - IP 201.2.22.3 - Responder

    Não sei por que, mas acho que vi esse filme, um Senador Imaculado (Procurador de Justiça) que representava Goiás, se semelha muito com esse, até nos ideais, no linguajar um verdadeiro cartola do bons costumes de nossa sociedade, era o primeiro a atirar a pedra e o último a largar o osso…

  5. - IP 177.135.230.10 - Responder

    Então é isso. O Pedro Taques nunca mais falou do rombo dos maquinários e nem das maracutais do Presidente da assembleia, por que eles olharam com cara feia para ele e bateu duro o pé no chão. Aí ele se amedrontou. Só pode, porque a cara feia do Muvuca lhe fez correr e ficar escondido atrás da porta imagina o que pode lhe acontecer se o rei da soja e das maracutais lhe prometer algo pior.
    É senador, o senhor gosta dos holofotes, né.

  6. - IP 177.116.68.206 - Responder

    QUANTA “MOAGE”, HEIN, SENADOR TAQUES?!?!?!

  7. - IP 200.214.184.162 - Responder

    A melhor análise dos fatos até agora foi deste blogue. Parabéns pela imparcialidade e por esclarecer o que está por trás de tudo isso. Josias não me engana!!!

  8. - IP 186.221.170.1 - Responder

    Ah…pois eu numa situação dessas também colocaria o cidadão para fora…e mais, se pudesse, até atras das grades…aquele estudante de medicina da USP que entrou num cinema e metralhou dezenas era uma figura acima de qualquer suspeita…um santo até o dia que acabou com a vida de muitas famílias…vai saber o que passa na cabeça das pessoas…quem não tem intenção não ameaça…porque sabe quanto vale a vida…mas tem gente que não tem grande coisa a perder…então tanto faz acabar com a vida do próximo… em cuiabá tem o cara que matou a sogra e jogou o enteado do rio…tudo gente do mesmo nível…

  9. - IP 201.49.165.95 - Responder

    A parte do “insuspeito Cláudio Humberto” foi uma ironia, certo?

  10. - IP 189.10.75.150 - Responder

    Esse povo de Pedro Taques é tudo “barraqueiro”,tem um irmão dele que trabalha na SEFAZ que apronta nos Distritos de Bauxi e Currupira no Município de Rosário Oeste.O moço toma umas pingas é começa a andar em alta velocidade,chamando todo mundo pra briga,agora vem Pedro taques chamar Polícia por conta da presença do pequeno “Muvuca” no Senado.O Congresso Nacional é um lugar público,ou Pedro surtou e pensou que estava na Câmara dos Lordes em Londres ou no antigo Senado Romano.Calma Pedro,o Muvuca queria tirar você do sério e conseguiu,bobão…

    • - IP 187.54.111.245 - Responder

      Currupira fica em Barra dos Bugres!

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

quatro + dezenove =