Salvino Ribeiro, que tentou disputar presidência da Unimed, vira alvo do MP – e da Comissão de Disciplina da Unimed

A promotora Audrey e o médico Salvino

O Poder Judiciário volta a rondar o destino do médico ginecologista Salvino Teodoro Ribeiro. Em fevereiro, Salvino fora impedido por uma decisão do desembargador Rui Ramos, do Tribunal de Justiça de Mato Grosso, de encabeçar a Chapa 2 que disputaria com o médico Rubens Carlos de Oliveira Jr, candidato à reeleição, e alvo de muitas denúncias de má gestão, a presidência de um dos maiores planos de saúde do Brasil, a Unimed Cuiabá. Em sua campanha, abortada praticamente na véspera da eleição, Salvino acusava Rubens de uma série de irregularidades.

Agora, 5 meses depois, é o próprio Salvino que aparece denunciado e investigado pela 1ª Promotoria de Justiça de Defesa do Patrimônio Público e da Probidade Administrativa da Comarca de Várzea Grande, comandada pela promotora Audrey Thomas Ility. O Ministério Público, em inquérito aberto no dia 5 de julho, colocou o ginecologista Salvino na condição de suspeito de acumular e faturar remunerações em uma série de jornadas de trabalho que, segundo o que se investiga, qualquer profissional dificilmente teria condições de cumprir. Salvino confirmou à PAGINA DO E que também foi denunciado pelo candidato eleito, o médico Rubens Oliveira, à Comissão Disciplinar da Unimed, juntamente com seus companheiros e companheiras da Chapa 2, inviabilizada por decisão judicial.

MP não revela autor da denúncia

Na portaria 12/2019 em que determinou a instalação do inquérito, que será levado adiante por ela e por um técnico administrativo que atuará como secretário dos autos, a promotora Audrey Thomaz Ility diz que recebeu uma denúncia sobre as atividades aparentemente excessivas do médico Salvino mas não esclarece de que pessoa, autoridade ou entidade partiu a denúncia contra o candidato frustrado à eleição na Unimed Cuiabá.

O que a promotora argumenta como motivação para a sua investigação é que Salvino Teodoro Ribeiro está sendo acusado de acumular as funções de médico na Secretaria Municipal de Saúde de VG, de perito do INSS, de funcionário do Hospital Santa Rosa, em Cuiabá, além de manter consultório no Edifício Santa Rosa Tower. Em um trecho da portaria que instaurou a investigação, Audrey Thomaz Ility diz. “(…) conclui-se que, em tese, somadas estas atividades privadas às funções públicas, (o médico Salvino) desenvolva uma jornada exaustiva de trabalho, o que pode levar o profissional a não gozar de boas condições físicas e mentais para bem exercer suas funções; em evidente afronta ao princípio constitucional da eficiência, dentre outros”. Publico a íntegra da portaria em anexo.

Em contato com esta PAGINA DO E e seu blogueiro, o médico Salvino Teodoro Ribeiro informou que já constituiu o advogado Pedro Ovelar para orientar sua defesa nesse inquérito. Ele disse que, pelo que avalia, a promotora demonstra zelo, ao investigar uma denúncia que chegou ao seu conhecimento. “Se alguém denuncia, ela tem mesmo que investigar, depois de conferir a lógica da denúncia, essa é a responsabilidade do Ministério Público”. Mas ele se diz tranquilo quanto ao que será investigado.

Cooperados levados à Comissão Disciplinar

“Evidentemente que existe um impacto, o seu nome fica exposto nos sites. E existem informações ali que já estão ultrapassadas, como o fato de que seria ainda funcionário do Hospital Santa Rosa. Nas minhas funções públicas, atuo em regime de plantão, o que certamente vou detalhar criteriosamente para o conhecimento da promotora.” Confirmou que, além do inquérito instaurado contra ele pela promotora Audrey Thomaz Ility também responde a um procedimento na Comissão Disciplinar da Unimed Cuiabá, como resultado de queixa formulada pelo atual presidente da Cooperativa, o médico Rubens de Oliveira. Neste caso, ele está sendo representado pelo advogado Daniel Volpe.

“Você me pergunto se fui denunciado também internamente, na Unimed Cuiabá. Confirmo que não só eu, como todos os que participaram comigo da chapa de oposição, e alguns apoiadores. Sabe qual foi a irregularidade que cometemos? Não sei e ninguém sabe. Aparentemente foi o fato de termos formado uma chapa de oposição à diretoria da Unimed Cuiabá. Acha que é a primeira vez que cooperados são levados perante à Comissão Disciplinar por ter participado das eleições que sempre foram um processo muito democrático dentro da Unimed. Sobre isso temos que conversar com mais calma”, prometeu o médico Salvino Teodoro Ribeiro.

Em caso de punição, os médicos cooperados submetidos à Comissão de Disciplina podem ser suspensos de suas atividades e benefícios por 12 meses e até mesmo eliminados dos quadros da Cooperativa.

 

 

Promotora Audrey Ility investiga carga de trabalho do médico Salvino Ribeiro by Enock Cavalcanti on Scribd

1 Comentário

Assinar feed dos Comentários

  1. - IP 191.250.35.116 - Responder

    MP tem que conhecer a máxima “Pau que bate em Chico tbm tem que bater em Francisco”…

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

nove + 11 =