SAÍTO: Ser livre é muito mais sentença que dádiva

Saíto

Utopia para caminhar…

Por Gonçalo Antunes de Barros Neto

 

Debruçando sobre as grandes questões existenciais, a adequação, não dos sonhos,  mas a sua própria liberdade em sonhar, à realidade de tudo quanto pudemos  intuitivamente sopesar como possível acontecer, temos no mundo inteligível (mundo das ideias – Platão) seu ápice. 

Não pode ser diferente. No mundo material, sensível, portanto, já concebemos, ‘a priori’, a possibilidade ou não da empreitada, do sucesso quanto ao interesse manifestado sobre o objeto, ou o ‘plano’, enquanto vontade. 

Assim, essa reflexão não seria possível sem considerar o fato de que o que dá  sentido aos anjos (somente para exemplificar) não são seus corpos e, sim, a ideia que se  tem deles. 

Seria possível viver, e feliz, sob a autoridade da realidade material sem sequer divisar uma ideia que ponha cobro à insensibilidade? 

Interessante esta passagem de “Crime e Castigo’: … ‘ela gosta muitíssimo mais de  ti do que de si mesma. Ela é um anjo; e tu, Rodka, tu, para nós, és tudo… Toda a nossa ilusão, toda a nossa esperança’… (Dostoiévski) 

Um anjo, porque abnega; e ilusão, sonha e tem esperança. Quem sorri frente às  pedras e não sonha diante do brilho das estrelas? 

Sendo uma das virtudes teologais, a esperança faz o homem e a mulher transcender o presente em direção ao futuro (Bloch). Imagine alguém sem ilusão, sonho  e esperança? Um ‘chato’, um cruel defensor do pessimismo como forma de vida (de  ciência é explicável, sempre). 

A par disso, o homem e a mulher são livres para realizar o próprio projeto  existencial. Aliás, condenados a ser livres (Sartre). Ser livre é muito mais sentença que  dádiva, pois, a responsabilidade dali advinda são irrefutáveis, não há argumento  explicativo que subsista. Lhes serão acrescentados cultura, paixão, desilusão, ideologia, classe etc., tornando-se o que são, e são histórias de si mesmos. 

Quem muito pode amar, muito pode odiar. A intensidade não pende somente para um lado da balança. 

Nesta terra que nasce e renasce num eterno devir, deve-se ter em mente que a escolha é atributo da vontade que o é da liberdade. Mas a vontade, absolutamente e de forma implacável, é a única imortal. 

Que a história de cada qual se encha de esperança e utopia. No mínimo, caminhará. 

Nas lições de Jonathan Silva, ‘Samba da Utopia’: Se o mundo ficar pesado/Eu voi pedir emprestado/A palavra poesia/Se o mundo emburrecer/Eu vou rezar pra chover/Palavra sabedoria/Se o mundo andar pra trás/Vou escrever num cartaz/A palavra rebeldia/Se a gente desanimar/Eu vou colher no pomar/A palavra teimosia/Se… 

É por aí… 

 

Gonçalo Antunes de Barros Neto, o Saíto, é juiz de Direito e professor em Cuiabá, Mato Grosso.

Sem comentários. Seja o primeiro a comentar

Assinar feed dos Comentários

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

2 × três =