SAÍTO, pensador cristão, acredita que desastres, catástrofes, maldades, fatos desagradáveis que nos cercam, têm uma causa, e não estão na ação direta da providência divina, mas na permissão. A ação imperfeita é das criaturas, não da perfeição, do criador. É por aí?

Gonçalo Antunes de Barros Neto, o Saíto

Gonçalo Antunes de Barros Neto, o Saíto

Bem ou mal, mau ou bom?

Gonçalo Antunes de Barros Neto – Saíto

 

Uma noite em Cassiciaco, Agostinho ficou acordado e pensando. Ouvia a água correndo na casa de banhos, e observou que não fazia barulho uniforme, mas variado. Ponderou qual seria a razão para isso. Um som fê-lo perceber que Licêncio ainda estava acordado.

Agostinho falou a Licêncio de seus pensamentos, tendo este sugerido uma explicação racional e científica. Estando o canal bloqueado por folhas caídas, a pressão da água podia movimentá-las, e a água faria barulhos diferentes quando alternadamente impedida de fluir livremente.

Agostinho, em interrogação racional – O que dá origem a um evento fora do curso ordinário de eventos? Será que pode algo acontecer por acaso, ou devemos buscar ordem também em tais coisas aparentemente casuais?

Chegou Agostinho ao axioma fundamental de que nada acontece sem uma causa, e que, portanto, nada fica fora da vontade das coisas (G. R. Evans – Agostinho Sobre o Mal).
Considerando a ordem das coisas, que Deus é perfeito e a premissa de que perfeição gera perfeição, posto o contrário ser contraditório, o mal não é criação divina, mas humana, vale dizer, da vontade autorizada pelo livre arbítrio.

Então, se poderia arguir – Porque Deus permite o mal? Exageros epistemológicos à parte, Platão diz que os corpos são movidos primeiro pelas almas, boas ou más. O mal é na quase totalidade oculto, tendo a providência do bem o papel de retirar-lhe o manto. Portanto, o mal é ausência do bem, do bom, do correto. É dependente e irrelevante no atacado, assumindo papel necessário no varejo, para a recuperação e manutenção da ordem das coisas.

Deus assume o mal em seu plano para o universo, fazendo-o trabalhar para ele (Evans).
Desastres, catástrofes, maldades, fatos desagradáveis que nos cercam, têm uma causa, e não estão na ação direta da providência divina, mas na permissão. A ação imperfeita é das criaturas, não da perfeição, do criador. Por princípio científico, do que é perfeito, só se tem a perfeição. Por amar, por querer recuperar, respeitando a liberdade de cada qual, se tolera.

Mas não somos criaturas feitas à imagem e semelhança Dele? Sim, criaturas; mas não gerados por Ele, como o foi Jesus Cristo. Perfeito, posto gerado e não Criado. Vivamos no bem, com essência no bom, e tudo de positivo nos será acrescentado. Não se busca santificação, mas purificação, para a vida espiritualmente eloquente.

‘Não há nada bom nem mau a não ser estas duas coisas: a sabedoria que é um bem e a ignorância que é um mal’ (Platão).É por aí.

Gonçalo Antunes de Barros Neto, Saíto, é juiz de Direito e professor em Cuiabá, Mato Grosso. Escreve em A Gazeta (email: antunesdebarros@hotmail.com).

Sem comentários. Seja o primeiro a comentar

Assinar feed dos Comentários

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

5 − quatro =