SAÍTO, confessando-se “gordo de decência interior”, encerra o seu período de férias e retoma o trabalho como juiz de Direito. Para trás ficam as belezas de Camboriú, de Floripa e os encantos de Gramado

Gonçalo Antunes de Barros Neto, juiz de Direito em Cuiabá, Mato Grosso, conhecido pelos amigos como Saíto

Gonçalo Antunes de Barros Neto, juiz de Direito em Cuiabá, Mato Grosso, conhecido pelos amigos como Saíto

Final mais que feliz

por GONÇALO ANTUNES DE BARROS NETO – SAÍTO

 

Sempre acreditei que o retorno, antes de ser um andar pra trás, é a busca das origens, dos reencontros, e até da confirmação de um erro, logo que desnudado. Um olhar sobre o ombro, cargueiro de tantas experiências, ilusões e sonhos. Retornar pode ser, também, encarar a realidade como posta, do ponto até então abandonado. Sair de um estado mental que se vive, para o vivido, retomando-o. Neste último sentido, ensaio as linhas a seguir.
Ao sairmos de férias estamos sempre dispostos a esquecermos, ainda que temporariamente, das coisas do nosso dia a dia – trabalho, preocupações domésticas, política local etc. Apressados, caminhamos para o lazer. A poética “Bom tempo”, de Chico Buarque, retrata: “Dou duro toda semana/Senão pergunte à Joana/Que não me deixa mentir/Mas, finalmente é domingo/Naturalmente, me vingo/Eu vou me espalhar por aí […] Ando cansado da lida/Preocupada, corrida, surrada, batida/Dos dias meus/Mas uma vez na vida/Eu vou viver a vida/Que pedi a Deus”.
Mas a contradição (Opa!… Sempre ela a nos ensinar!) indica-nos, dias após o começo do esperado lazer, um surpreendente confronto de ânimo pela saudade do corre-corre característico do trabalho. Ou o ócio nos faz inquietos ou, ao contrário, nos obriga à reflexão. E pensar não é fácil, não. Acostumados com a máquina corporal, sofisticada, mas néscia, que não prescinde de regular lubrificação, a preguiça intelectual faz escola. No ócio que a alma é castigada, pois, como atender a Sócrates (conhece-te a ti mesmo) sem dar vazão ao pensamento? É nessa dialética interior que nos brindamos com as imagens que retratam o cotidiano de cada um, com seus acertos, o que é de júbilo, com seus erros, o que é colérico. Agigantamos e apequenamos num vai e vem frenético do mais puro julgamento, o da consciência.
Na advertência de Chaplin – “não sois máquinas, homens é que sois”- se sintetiza o horizonte humanístico. O corre-corre diário a que nos submetemos, ou somos submetidos, embrutece, mata a essência do que nos reveste. Não nos damos conta disso. Então, como máquinas embrutecidas, logramos esquecer os pecadilhos na ostentação corporal ou pelo cansaço laboral – fácil e menos traumatizante do que pensar, refletir. E vamos repetindo desde o poeta romano Juvenal que “mens sana in corpo sano”. Aliás, até a mais valia se apodera disso quando impôs a pérola de que o trabalho dignifica o homem. Dignifica o homem ou o bolso de quem escraviza? Ainda dizem não haver altercação entre o capital e o trabalho. Pobre de nós.
Retorno para o trabalho e deixo para mais um final de primavera as minhas angustias. Nem a elas me submeto quando o lombo me é castigado. Para trás ficam as belezas desse mar de Camboriú, de Floripa, e dos encantos de Gramado. A reflexão me foi imposta somente em sentir o cenário. Não me sinto mais leve de quando por aqui estive; seus frutos, não só os comestíveis, mas também e principalmente os que inquietam, me fizeram mais gordo. Gordo de decência interior, a mesma que faz pesado o sentir pelos que aqui nunca estarão. Devolvo a minha verve poética aos saborosos prazeres do esquecimento, afinal, não me querem máquina? É por aí…

GONÇALO ANTUNES DE BARROS NETO, o SAÍTO, é juiz de Direito em Mato Grosso e escreve aos domingos em A Gazeta
e-mail: antunesdebarros@hotmail.com.

10 Comentários

Assinar feed dos Comentários

  1. - Responder

    Realmente é isso…sistema capitalista nao é para seres humanos

    • - Responder

      Está errado, Sr. Flávio Matos, o sistema capitalista é que garante a liberdadade de ser humano. Fora do sistema capitalista prevalece a barbarie, sem liberdade e as pessoas não conseguem servo que desejam, mas o que os ditadores determinam, como em Cuba e na Coeia do Norte.

      Quanto ao Juiz Saíto, acho engraçado ele teorizar contra o trabalho, cujos frutos viabilizaram merecida viagem de descanso que acabou de realizar. Isso é reclamar do paraíso.

      • - Responder

        Concordo Indignado, quanta baboseira escreveu sua Excelência, parece até falta de assunto, não seria mais lúcido escrever sobre a Doutrina de Norberto Bobbio????!!!!!

  2. - Responder

    Na minha opinião o holerite do escritor desmente essa baboseira de proletário. Está mais para patrão e tem que produzir muito para justificar o que recebe. Mais valia talvez só os coitados dos servidores do Judiciário, que até no vale alimentação recebem menos que os juízes, estes na casa grande, comendo o pernil e os verdadeiros proletários comendo pé e orelha do porco. Émuita humilhação.

  3. - Responder

    Quantos comentários insanos… Basta entender ” Gordo de Decência Interior”… Reflexão… Desabafo… Parabéns…. Grande Saíto… Dr. Gilson de Barros esta com certeza orgulhoso de você… que Deus o tenha…

  4. - Responder

    Qual o sentido dessa matéria??? Oq nos acrescenta?? Sinceramente, sem sentido!

  5. - Responder

    Beco do porrete, faço minha suas palavras. Alguns leem, outros interpretam. As criticas são tão vagas que confessam ignorância politica e sobretudo literaria. O homem que não consegue contrapor a ideia e tenta hostilizar o idealizador. Rui negreiro, varzeagranddense de tchapa e cruz!!

  6. - Responder

    Rui Negreiro… legal… poucas palavras de um Homem Inteligente… as criticas são validas de quem lê e gosta do que leu… se você leu e não gostou… deleta… o importante é que leu… Parabéns…

  7. - Responder

    uma vez que estive em florianopolis gostei muito. praias muito bonitas. pena que lá, quando vem o frio, a coisa é feia. fico então com cuiabá e seu calor gostoso.

  8. - Responder

    Legal ver pessoas de cuiaba recohecendo belezas de minha regiao. Silvia…Lucas do rio verde

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.