Ruralistas de MT preferem retórica direitista de Jair Bolsonaro que os alertas ambientalistas de Wanderlei Pignati

 

Republico, abaixo, versão estendida do artigo publicado na edição impressa do Diário de Cuiabá, nesta sexta, 3 de março.

 

Bolsonaro e Pignati

Por Enock Cavalcanti

 

 

Meus amigos, meus inimigos: o agro é pop, grita a Rede Globo. O objetivo é exaltar as atividades daqueles produtores que militam na Agricultura, em nosso País. E os números da Agricultura conquistados em nosso Estado são mesmo para babar. Mais de 100 milhões de toneladas de soja! E ainda tem o milho, o gado, o algodão…

Mas o agro também é tóxico. As grandes quantidades de agrotóxicos usados para combater as pragas nas lavouras transformaram Mato Grosso em um território brutalmente contaminado. Como tanto tem comprovado, em seus estudos, o incansável pesquisador e professor da UFMT, o médico Wanderlei Pignati.

Mas quem dá ouvidos ao Pignati? Vejo muito o velho Pignati nos circuitos universitários e alternativos, mas jamais vi o estudioso da UFMT convidado para debulhar seus dados sobre o envenenamento de nossa terra em um desses eventos do agronegócio.

Parece que o agronegócio gosta  mais do Jair Bolsonaro, que vem lá do Rio, com sua ideologia direitista, do que do nosso Pignati, que é santo de casa, há tantos anos radicado em Cuiabá, naquela espécie de rancho urbano que mantém às margens do rio Coxipó, na região do Horto Florestal.

Vejam que, agora mesmo, se anuncia que Bolsonaro está voltando mais uma vez a Mato Grosso, para palestrar. Sim, o deputado federal Jair Bolsonaro (PSC-RJ) foi confirmado como um dos principais oradores da Farm Show 2017, que será realizada entre 28 e 31 de março em Primavera do Leste, área de grandes plantadores agrícolas. Em Primavera, terra de Érico Piana, tem muita soja. Mas lembro que lá também se conseguiu firmar belas colheitas de uva, em pleno Cerrado mato-grossense. Depois viriam as uvas dos franceses, em Nova Mutum.

Mas soube que Bolsonaro dará uma palestra que ainda não teve temática divulgada, mas certamente abordará a atual conjuntura brasileira. A presença do deputado foi confirmada pelo presidente do Sindicato Rural de Primavera, José Nardes, que poderia ter convidado por telefone, já que o homem tá sempre por aqui, mas fez questão de viajar até Brasília, para confirmar essa nova palestra.

Vejam que Bolsonaro recentemente ficou em segundo lugar em uma pesquisa da CNT/MDA como possível candidato à presidência da República em 2018. Fico pensando o que leva nossos ruralistas a investirem tanto no Bolsonaro.  Vejam que não será a primeira vez que o parlamentar,   conhecido mais por seus preconceitos do que por suas propostas políticas, pousa no Estado. Em abril de 2016, lá estava ele, participando da Parecis SuperAgro.  Foi nessa ocasião que Bolsonaro se declarou favorável ao direito dos ruralistas se defenderem de invasões com o uso de armas de fogo. “No que depender de mim, vocês da área rural vão ter fuzil na sua propriedade porque a propriedade privada é sagrada, e é a base da democracia”, disse.

Nenhuma palavra do Bolsonaro contra os venenos que, através da terra chegam aos nossos rios, envenenam nossos peixes, espalham sua peste pelo Pantanal, produzem tantos cânceres nas pessoas. Nenhum espaço dos ruralistas para fazer ecoar os alertas do Pignati que, no final das contas, só deseja que se produzam safras cada vez maiores, ampliando-se, todavia, o compromisso ambiental e social do agronegócio.

 

Enock Cavalcanti, jornalista e blogueiro, é editor de Cultura do Diário de Cuiabá

1 Comentário

Assinar feed dos Comentários

  1. - Responder

    Os espíritos iluminados fazem suas escolhas de acordo com o grau de iluminação já conquistado… Creio que do mesmo modo os espíritos envenenados fazem suas escolhas. Assim – juram os loucos, profetas e cientistas – é a lei da vida em sua evolução… Ou será que já estamos tratando da involução provocada pelo envenenamento espiritual e orgânico coletivo?

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

quinze − 2 =