Roberto Turin denuncia Maggi, Silval, Éder e Piran por propina no pagamento de precatórios à Andrade Gutierrez. LEIA AÇÃO

Turin, Maggi, Piran, Éder e Silval

Tudo não teria passado de um grande blefe para alguns pretensos espertalhões que então dominavam o Governo do Estado faturarem gorda propina às custas do dinheiro público. Assim se pode resumir a ação civil pública proposta pelo Ministério Público Estadual (MPE), através do promotor Roberto Turin, contra os ex-governadores Blairo Maggi, Silval Barbosa e a Construtora Andrade Gutierrez por causar prejuízo de R$ 182.943.733,76 milhões aos cofres públicos por pretensas irregularidades no pagamento de precatórios.

Além de Silval, Maggi e da Andrade Gutierrez também foram denunciados na mesma ação Eder Moraes, o ex-procurador do Estado João Virgílio do Nascimento Sobrinho, Francisco Gomes de Andrade Filho – Chico Lima , Edmilson José dos Santos (ex-secretário de Fazenda), o empresário Valdir Agostinho Piran, Piran Participações e Investimentos Ltda, Luiz Otávio Mourão (ex-diretor da Andrade Gutierrez) e Rogério Nora de Sá (engenheiro).

Pelo que denuncia Roberto Turin, o esquema constou de 16 pagamentos arrancados dos cofres públicos, através da Secretaria de Fazenda e repassados à Andrade Gutierrez entre os anos de 2009 e 2011, no valor total de R$ 276.533.272,15 milhões como pretensa “quitação” de precatórios judiciais que seriam devidos à grande empreiteira nacional pelo extinto Departamento de Estradas de Rodagem de Mato Grosso (DERMAT), sucedido depois pelo extinto Departamento de Viação e Obras Públicas-DVOP.

A pista para todos os meandros de mais esse golpe foram a delação premiada de Silval Barbosa que, para se livrar ainda que provisoriamente da cadeia, revelou que os pagamentos dos precatórios à Construtora Andrade Gutierrez teriam sido para saldar dívidas do grupo político de Blairo Maggi e Eder Moraes com o empresário Valdir Piran, o que se fez por meio de contrato simulado entre a Andrade Gutierrez e a Piran Participações e Investimentos Ltda.

Agora o promotor Turin está pedindo na Justiça que Maggi, Silval, Éder e os demais réus sejam condenados a devolver aos cofres públicos o que teriam surrupiado, ou seja, o montante de R$ 182.943.733,76 milhões acrescidos de correção monetária e juros de mora (calculados a partir da propositura desta inicial).

Turin processa Maggi, Silval, Eder, Piran por pretenso esquema de propina no pagamento de precatório à Andr… by Enock Cavalcanti on Scribd

Sem comentários. Seja o primeiro a comentar

Assinar feed dos Comentários

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

treze − 4 =