PREFEITURA SANEAMENTO

Riva perde mais uma na Justiça Eleitoral. Juiz Francisco Ferreira Mendes derruba suspeição levantada contra juiz José Blaszak, mantido como relator do caso de Campo Verde. Caso já levou ao afastamento do Delegado Geral de Policia e pode resultar em nova cassação de Riva.

Decisão do juiz Francisco Ferreira Mendes, contrária a Riva, destrava o processo no Tribunal Regional Eleitoral e o polêmico "Caso de Campo Verde" deve, finalmente, ser levado a julgamento no Pleno. A denuncia inicial foi do MCCE, devidamente respaldada pelo Ministério Público Eleitoral.

Em decisão proferida pelo insuspeito e competente juiz Francisco Ferreira Mendes, titular do Tribunal Regional Eleitoral, atendendo a um pedido do Ministério Público Eleitoral, o deputado estadual José Riva sofreu nova derrota nesta quinta-feira, 14 de fevereiro, e será julgado em mais um processo por corrupção eleitoral. Com a decisão, cai a suspeição levantada pelos advogados de Riva contra o juiz José Blaszak e o julgamento do chamado “caso de Campo Verde” deve ser finalizado nos próximos dias.

ENTENDA O CASO

De acordo com a denúncia feita pelo Procurador Regional Eleitoral, Riva teria doado bens materiais, principalmente combustível, para eleitores do município de Campo Verde, nas eleições de 2010, em troca de votos. A investigação foi conduzida pela Polícia Federal, atendendo a uma representação apresentada por escrito pelo MCCE (Movimento de Combate à Corrupção Eleitoral), indicando pessoas, locais e tipos de crimes que ocorriam.

Segundo a narração do MCCE, dezenas de cabos eleitorais a serviço do deputado José Riva, entre eles alguns vereadores da Câmara Municipal de Campo Verde, distribuíam benefícios ao povo daquela cidade em troca de voto nas eleições de 2010. Até um “posto de gasolina” foi improvisado em uma fazenda local, já que a procura dos eleitores era grande, e dali “jorrou” gasolina. Os nomes dos aliciadores, endereços e números dos telefones foram informados pelo MCCE à Polícia Federal. Os agentes federais se passaram por eleitores e inclusive, nessa operação, registraram a ocorrência da corrupção por meio de interceptações legalmente autorizadas.

DELEGADO GERAL AFASTADO

O inquérito policial, após a feitura de alguns flagrantes, foi redistribuído à Polícia Civil Estadual, e os agentes de Campo Verde passaram a sofrer pressões sobre a sua liberdade de atuação. Exemplo disso, foi a atuação do então Delegado Geral de Polícia, Paulo Vilela, hoje afastado do cargo e respondendo a processo, acusado de mandar buscar o inquérito em Campo Verde. O “serviço” teria sido feito mediante o uso de uma aeronave de propriedade de Riva. O delegado Paulo Vilela chegou a avocar (chamar para si) a presidência dos trabalhos e por isso foi afastado da função por decisão da Justiça Federal de Mato Grosso, sob a acusação de prevaricação.

A pretensa “proteção”, identificada pelo Ministerio Público Eleitoral, custou a carreira do delegado Paulo Vilela, já que a informação sobre a manobra ilegal “vazou” e o ex diretor geral da Polícia Civil foi afastado das funções e responde a processo penal que pode inclusive chegar à demissão do serviço público.

SUSPEIÇÃO CONTRA BLASZAK

Quanto ao processo de cassação por crime eleitoral, a compra de votos, o relator do caso no TRE de Mato Grosso, juiz Jose Blaszak, da cota da OAB, enfrentou forte oposição dos advogados do réu José Riva. A derradeira cartada foi o uso de um pedido de suspeição do magistrado. Os argumentos foram a postura pública do juiz a favor da Lei da Ficha Limpa e o fato de que este, no passado, advogou em processos eleitorais na comarca de Campo Verde. Isso, de acordo com Riva, seriam fatores que poderiam impedir Blaszak de julgá-lo.

O relator do processo de suspeição (feito eleitoral n. 384-31.2012), o juiz Francisco Ferreira Mendes, reconheceu que os advogados de Riva perderam o prazo para arguir a suspeição de Blaszak. A “comida de mosca” permitiu que o processo de cassação fosse “destravado” e, nos próximos dias, o caso vai ao Plenário do Tribunal Regional Eleitoral. A permanecer a visão crítica da Justiça, já que os servidores públicos que tentaram fraudar o inquérito eleitoral sofreram rigorosas punições, neste “caso Campo Verde”, a expectativa que se impõe, neste caso, é que o deputado José Riva possa vir a ser cassado mais uma vez, o que pode enterrar, em definitivo, o seu sonho de se perpetuar no poder, tal qual um faraó pantaneiro.

CONFIRA, NO DESTAQUE, INTEIRO TEOR DA DECISÃO DO JUIZ FRANCISCO FERREIRA MENDES

PAGINA DO E TRE MT – FRANCISCO FERREIRA MENDES REJEITA SUSPEIÇÃO PROPOSTA POR RIVA CONTRA BLASZAK.doc by Enock Cavalcanti

21 Comentários

Assinar feed dos Comentários

  1. - IP 177.41.92.167 - Responder

    Este senhor que ocupa a presidencia do Legislativo Mato-grossense, já deveria estar longe de nossa terra. É repugnante, nojento mesmo, ver, ouvir e ler notícias sobre este DEPUFEDE. Tivesse ele -deputado – um pouquinho, um pouquinho só de vergonha teria se refugiado lá pras bandas do Estado do Espírito Santo, de onde veio e lá permanecer pra sempre. A gente de Mato Grosso, deve repudiar com veemencia esse cidadão ficha suja. Parabéns ao magistrado Francisco Mendes! Dr. Francisco não dê mole e nem chance pra politicos dessa laia. Não vá amarelar Excelencia…. confiamos no senhor….. Fora Riva, você já cansou e já fez muito mal a este Estado.

  2. - IP 65.49.14.70 - Responder

    Me antevendo á criticas que receberei de um certo defensor de meia moralidade, quero deixar claro que não estou defendendo o Dep. Riva, se ele comprou votos, que seja punido, mas que a punição ocorra de forma coerente e justa, pois justiça nem sempre se confunde com arbitrariedade!

    O Dr. Blaszak tem todo o meu respeito, o considero como um dos membros mais preparados que passaram por esta corte nos últimos anos!

    No entanto, espero que o Dr. Blaszak em seu julgamento consiga separar seu coração de sua razão!

    Se for favorável à cassação do Dep. Riva, que seja por motivos justos.

    Ocorre que é fato público e notório que o Blaszak nem mesmo nos tempos de advocacia eleitoral tinha opinião parcial a respeito do Dep. Riva, pode se ver isso em vários artigos assinados pelo mesmo, cometendo ainda um grave deslize jurídico na época da cassação de 2010 ao afirmar que ele não poderia ser candidato naquelas eleições. Tal afirmação seria compreensível vinda de um advogado do ramo trabalhista, mas nunca de um profissional tão graduado como é o caso do Dr. Blaszak.

    É notório ainda o envolvimento apaixonado do Advogado Blaszak com ongs pseudomoralistas de defesa da esquerda petista como é o caso do MCCE!

    Por mais capacitado que seja o Dr. Blaszak não consigo imaginar o mesmo com uma atuação independente neste caso!

    • - IP 187.24.240.220 - Responder

      É simplesmente repugnante ler alguns comentários de “cidadãos”, que mesmo conscientes das inúmeras “falcatruas”, praticadas por politicóides das escolas da canalhocracia maquiavélica ladrona, saem em defesa descarada de tudo aquilo que é criminoso, imoral, nogento e indefensável. Este é o caso dessa sombra de homem, desse monstro moral, que aqui se apresenta com o pseudônimo de José Dias Mendes.

      • - IP 65.49.14.149 - Responder

        Dá um tempo, Ceará, por acaso escrevi uma única linha em defesa do Dep. Riva?
        Disse apenas que a justiça tem que ser justa, tem que ser desprovida de paixões!
        O que acho repugnante é a atuação de defensores de meia moralidade como você!
        Critique o Riva, persiga o Riva, mas faça o mesmo com o PT!
        Nunca vi o MCCE perseguir os mensaleiros, nunca vi o MCCE se manifestar contra os mensaleiros!
        Perto do que o teu PT fez e faz, o Riva passa por trombadinha, ambos devem ser punidos, não apenas um!
        Você mesmo Ceará já foi mamador das gordas tetas da Assembleia por meio do Gabinete da Serys, recebendo salário sem prestar serviços! por que não devolve? foi dinheiro público que te sustentou sem que você movesse uma única palha!
        Teu mentor intelectual, o homem que escreve seus textos foi assessor da Serys, ocupando um cargo que deveria ser exercido em Brasília, no entanto ficando em Cuiabá! nunca prestou serviços ao senado!
        Por que não devolver esse dinheiro imoral!
        Esse mesmo mentor firmou contrato com a prefeitura municipal de Ipiranga do Norte sem licitação e lá é “RÉU” isso mesmo R.É.U na ação penal nº 6521-09.2010.811.0040 e Ação Civil Pública nº78-42.2010.811.0040!
        Por que o MCCE não persegue seus próprios membros, afinal, contratar sem licitação é um ato corrupto!
        que moral pode ter alguém para combater o mesmo tipo de ato do qual é adepto?
        Dê exemplo Ceará… peça celeridade no julgamento da destas ações contra o teu mentor!

        • - IP 187.69.155.43 - Responder

          Tuas acusações “José”, não me abalam nem um pouco. Já fazem 12 anos que eu venho ouvindo essa mesma ladainha. Todas as vezes que nós do MCCE, ao longo de todos esses anos, denunciamos algum candidato, seja ele, la de qual partido, a resposta foi sempre à mesma. Quando denunciamos os candidatos do PT, os petistas se apressavam em dizer, que, estávamos a “serviço” do PMDB. Quando o candidato denunciado era do PMDB, os peemedebistas nos acusavam de estarmos fazendo o “jogo” do PSDB. Quando denunciávamos candidatos do PSDB, os psdebistas diziam que estávamos sendo pagos pelo DEM. E todos eles, independentemente do partido que fosse, todas as vezes que era denunciado o coro era um só: “É perseguição política”, “estão querendo me tomar o mandato popular no tapetão”, ou, “sou inocente e vou provar”. Por fim, José, mesmo sem nunca ter sido funcionário da professora Serys, nem quando ela foi deputada, e muito menos ainda, enquanto ela foi senadora, venho assim mesmo, a muito tempo ouvindo dos delinquentes eleitorais, dos politicoides corruptos ou dos seus capacho e asseclas, as mesmas mentiras de sempre.

    • - IP 187.69.155.43 - Responder

      A impressão que tenho de ti “José”, pela maneira apaixonada pela a qual tu te preocupas tanto com o julgamento dos processos que o “outro” Zé não terá como escapar, é que possivelmente ele pode ser tu, ou tu é o próprio Zé, o processado. Este teu ódio às entidades que combatem a corrupção é tão forte nas tuas palavras, que me leva a pensar, que, se tu não fores o próprio Zé ficha suja, tu é No mínimo, a sua “alma gêmea”, com todas as suas “qualidades”.

      • - IP 65.49.14.85 - Responder

        Ah Ceará, é tão engraçado ver como vocês se escondem, como evitam dar respostas quando alguém toca em assuntos de corrupção ou prevaricação envolvendo membros do MCCE!
        Esses dias, um leitor questionou o fato de vocês terem fugido de depoimentos na operação ASAFE quando do afastamento do Evandro Estábile!
        Hoje questionei a ação penal nº 6521-09.2010.811.0040 e Ação Civil Pública nº78-42.2010.811.0040, da qual o moralista e ético adevogado do MCCE é R.É.U, e mais uma vez você evita comentar!
        O cidadão participou de esquema para lesar os cofres da pobre Prefeitura de Ipiranga do Norte! o MINISTÉRIO PÚBLICO está processando o advogado do MCCE!
        Como você se omite nesse assunto, Ceará?
        Por que não pede pra ter um julgamento ágil e severo nesse caso?
        Como o crime pode ser legal quando praticado por um membro do MCCE?
        Isso é fato, Ceará, os processos estão aí, não estou inventando nada!
        Comente esses processos Ceará!
        Membro do MCCE pode praticar atos de corrupção??????????

        • - IP 189.95.20.35 - Responder

          José Dias Mendes (ou Maria Taquara, Gazela Pantaneira, que são alguns de seus outros codinomes):

          Vejo que o armário está ficando apertado, saia dele, deixa de lado essa fixação pelo “advogado do MCCE”, como você se refere, com medo de trair sentimentos. Você não quer pronunciar o nome dele, sem problema, a gente entende, tem a ver com a “teoria da libido”, de Freud. Caríssimo, se revele, diga quem você é, mas sem eufemismos, declare suas paixões e ódios (seja por homens ou mulheres).

          Lá pelos idos de 2006, para impedir gente da laia do Bosaipo de se reproduzir no TCE, propomos uma ação judicial popular, e obrigamos a Corte de Contas a instituir concurso público para selecionar auditor substituto (e hoje há alguns muito bons lá no TCE) e os procuradores do MP de Contas agora também são escolhidos por meio de concursos com chances a todos e todas. Acabou o cabidão de emprego que lá havia para membros do MP estadual (embora ainda tenha parente de promotor por lá, em cargo comissionado, mas isso vai acabar!).
          Com tais atitudes, deixamos algumas pessoas descontentes no TCE.

          Logo em seguida, pelo que sei, foi evitado um dano de R$ 300 mil em um município do interior, o dinheiro foi recuperado e um prefeito corrupto foi cassado e processado pelo TJ. Mas o promotor da cidade, que vivia em Cuiabá, não ajudou em nada no processo. Foi denunciado ao Conselho Nacional do Ministério Público por sua criminosa omissão.
          Em um dado momento, o TCE resolve, por iniciativa de um de seus “honoráveis” membros, incluir o tal “advogado” que se você disse num processo de contas e mandou abrir contra ele uma ação penal, uma ação civil e processo disciplinar.
          O presidente do Tribunal de Ética e Disciplina da OAB era advogado do Tribunal de Contas e dirigente maçom.
          Neste último processo já houve absolvição do camarada que é “sua fixação”, meu caro, o tal “advogado do MCCE”. Nos demais, o promotor é aquele denunciado ao CNMP por omissão, e um dos “magistrados” do caso foi cassado por improbidade, pois integrava aquela “turma do barulho” que foi aposentada por decisão do STF e CNJ e só por isso ainda não houve julgamento.

          Quer mais, senhor José Dias Mendes/Maria Taquara/Gazela Pantaneira?
          As testemunhas de defesa arroladas no processo (a favor do “réu”) são pessoas da cúpula do Ministério Público e do Tribunal de Contas. Vai ter revelação em audiência, é só esperar! Ainda há gente que usa a toga a favor do “campeão dos ficha sujas”… mas isso acabará…aguarde e confie!

          E o caso Evandro Stabile, quer saber o que houve?
          Além do caso ter sido levado à Ministra Eliana Calmon (CNJ) pelo MCCE, seus militantes foram arrolados como testemunhas dos fatos e isso deu certo. Houve uma “limpa geral” no TRE, você deve ter ficado sabendo, pois foi notícia no Brasil inteiro.
          Assim como Stabile, que se recusou a depor em MT e foi interrogado no CNJ em Brasília, também lá estão as informações prestadas pelo MCCE, aqui ninguém foge da responsabilidade (diferente de você, que se dói por quem não merece!). O processo contra Stabile caminha no STJ (penal) e CNJ (disciplinar), enquanto o ex desembargador fogoso passeia em Miami.

          Fazer tudo isso, meu caro, tem seus percalços. O sujeito que denuncia é perseguido por pessoas ruins, que integram instituições importantes para a sociedade.

          Diferente de você, José Dias Mendes/Maria Taquara/Gazela Pantaneira (com que nick você vai responder?), que ao invés de lutar por um mundo justo fica no armário ou no anonimato de um site de comentários, agredindo pessoas, por pura paixão mal resolvida. Você foi aluno de pós graduação coisa nenhuma, ia na aula só para admirar a gravata dos outros!

          Te conheço, informantezinho da ABIN.

          Antonio Cavalcante Filho

          • - IP 177.7.120.128 -

            Cearazinho , eu me dei por satisfeito com as explicações – dadas em boa hora – e sabemos bem que a gente que cerca e protege o “maluf de “MT” é suja e joga igualmente sujo.
            Essa gente gorda e bem nutrida ; alimentada pelos honorários que recebem para fazerem a defesa dos corruptos , desconheçe as cusas damandadas em prol da melhoria de nosso país pois só pensam em alcançar mais riquezas.
            Confio em instituições como o MCCE pois neles e em alguns poucos do MP repousam nossas ulimas esperanças.
            Tambem seria bom se conseguissemos saber quanto o -ainda- deputado riva (minusculo mesmo) gasta com Advogados para defende-lo e quem ou oque banca estes custos que devem ser muito altos , dado o volume de processos a que ele responde.

          • - IP 65.49.14.51 -

            Estão Ceará, já que você continua sem conseguir discutir sem homossexualizar os discursos!
            Quando você parou de ir nas reuniões do BEA Bichas Enrustidas Anônimas, pensei que já havia se curado do mal de ficar com aqueles devaneios, imaginando homossexuais em todas as situações!
            Sinto saudades daqueles tempos no clube gay pantaneiro, eu no meu cuecão de couro e você em sua tanguinha de oncinha, nós arrazááávamos, pena que você começou a chamar o Tonhão Tripé de Riva e acabou sendo expulso de lá!
            Agora falando sério Ceará, você como moralista é um ótimo humorista!
            Teu estilo de humor não nega as raízes regionais que tem, segue a mesma linha humorística de Tom Cavalcante e outros reis da imitação lá da tua terra!
            Digo humor, pois chega a ser cômico ver você adotando o mesmo discurso do Riva para se justificar!
            Me responde uma coisa, aquele discurso do coitadinho que em meio de uma situação caótica acabou adotando medidas moralmente questionáveis para poder colocar tudo e dia e depois foi perseguido por membros do ministério público, é um discurso padrão para corruptos que estão sendo questionados?
            Ultimamente quando o Riva dá alguma entrevista e é questionado sobre o que houve na AL ele vem com o discurso de que pegou a casa endividada, folhas de pagamento atrasadas, dívidas no comércio, e teve de regularizar a situação e agora é perseguido!
            Você para justificar o contrato sem licitação firmado pelo teu adevogado vem com o discurso de que ele fez isso para evitar um dano aos cofres do município!
            Não seria mais coerente que o advogado moralista informasse o prefeito da necessidade de fazer uma licitação? ou mesmo que o MCCE atuasse nisso, exercendo sua função de preservação da moralidade e combate à corrupção sem cobrar por isso?
            Não pode adotar outro discurso que não se assemelhe ao do Riva? Vilson e José, os perseguidos! vamos encontrar mais nomes e formar a Associação das Vítimas de Perseguição do MP, com Riva de presidente e Vilson de Secretário Geral!
            Sobre o alegado anonimato, Ceará, como ficar no anonimato com meu IP aqui no site?
            Quer o que? que eu coloque também CPF, RG, endereço domiciliar?
            Só não venha me pedir pra colocar medidas corporais aqui, pois se tiver que divulgar o tamanho do meu pênis, você vai acabar batendo na minha porta!
            Brincadeiras a parte, vamos manter um debate sem baixarias homossexuais, você Ceará, é inteligente o suficiente para evita-las!

  3. - IP 65.49.14.70 - Responder

    Em tempo…
    Grande Cachara…
    Quem te viu, quem te vê!

    • - IP 187.24.240.220 - Responder

      Nunca tive o desprazer de te ver, e nem se eu quisesse, jamais poderia ver, uma simples sombra da sombra do Riva, o maior “ficha suja” do Brasil.

  4. - IP 186.252.237.96 - Responder

    Acompanho o direito eleitoral há anos. Li agora na internet as entrevistas e artigos do Dr Blaszak em que envolve o Dep Riva na época de 2010 e vejo como mera opinião técnica a partir dos julgamentos do Dep Riva em 2010. Tbém vi opinião como presidente da comissão eleitoral da OAB de forma técnica e não como uma posição apaixonada. No mais, o caso requer um julgamento adstrito ao que tem dentro do processo. Esse será o grande desafio. Vamos ver e acompanhar atentamente.

    • - IP 65.49.14.149 - Responder

      Dr. Vero,
      Também acompanho Direito Eleitoral, Tenho o maior respeito pelo Dr. Blaszak, fui inclusive seu aluno, ele foi um dos senão o melhor professor que já tive na área!
      Por isso afirmo que erros técnicos como o que mencionei acima a respeito da impossibilidade de candidatura em 2010, jamais seriam cometidos por ele!
      Quando o Dep. Riva foi cassado em 2010, o Dr. Blaszak escreveu um artigo publicado inclusive por esta Página do E, no qual afirmava que ele ficaria inelegível para aquele pleito!
      Ocorre que o Art. 11, § 10 da Lei 9504 é claro quando diz que as condições de elegibilidade e causas de inelegibilidade são aferidas no momento do registro, ressalvadas alterações fáticas ou jurídicas que afastem a inelegibilidade!
      Como o próprio Dr. Blaszak me ensinou na faculdade, se o candidato no momento do registro está elegível e se torna inelegível após o registro, este mantém sua elegibilidade, foi assim que o TSE entendeu, foi assim que o Blaszak me ensinou e foi ao contrário disso que o Blaszak escreveu! Entende onde quero chegar?
      Apenas faço uma análise isenta não quero que o Riva ou qualquer outro seja julgado com olhos de MCCE, e sim sejam julgados e se for o caso, condenados mas de forma imparcial!

  5. - IP 177.7.120.128 - Responder

    Fico pensando , como pode um cidadão de bem , possuindo um diploma de bacharel e registro na OAB , vir a público defender um cidadão como esse riva (minusculo mesmo). Já que a Constituição diz que ele tem direito a ter uma defesa , que assim seja , mas o Advogado dele talvez devesse faze-lo e ficar nas sombras para não ser enxovalhado. Defender esse homem deve ser muito, mas muito recompensante em termos financeiros já que o desgaste moral é imenso. Outra coisa que é preciso alardear ; é que é bem possivel que um homem seja injustamente acusado de um ou outro erro em razão do cargo ou posição que ocupa, mas ser acusado mais de cem vezes por crimes repetidos e diferentes e se dizer inocente é chamar a sociedade culta e instruída (que em sua maioria não vota nele ) de idiota.
    O comportamento dele lembra o caso do maluf (minusculo tambem) que passou 10 anos negando que os milhões que estavam em Jersey não eram dele , mas quando a justiça mandou repatriar o dinheiro ele ………RECORREU.
    Ao Advogado do ficha suja só cabe a frase do Rei Espanhol , dita ao mandrião Venezuelano .
    “Porque não te calas”

    • - IP 65.49.14.85 - Responder

      Acho que o senhor está precisando ler com mais calma!
      Em algum momento disse que o Dep. Riva é inocente de algo?
      Apenas questionei levantando fatos acerca de uma possível parcialidade do competentíssimo Dr. Blaszak!
      Apenas questionei aqui pois acho que a justiça deve ser justa!
      De que adianta cassar de qualquer jeito apenas pra dar resposta à sociedade leiga e depois o TSE reverter a cassação?

  6. - IP 189.31.57.65 - Responder

    e ele continua lá….

  7. - IP 177.17.200.226 - Responder

    Prezado José Dias,

    A inelegibilidade superveniente é tema já decidido pelo TSE, e possível de ser considerada. As divergências estão tocante ao momento do questionamento. Sou adepto da impossibilidade de candidato condenado após o registro e antes da eleição ter continuidade e concorrer. O recurso contra a diplomação é o grande indicativo de que este é o espírito da lei. Veja a jurisprudência do TSE abaixo. Conhecendo o Dr Blaszak creio que sua manifestação se deu nesta linha de pensamento. O TSE concedeu liminar para o Dep Riva continuar candidato, salvo engano. Abraço.

    “[…] A inelegibilidade superveniente deve ser entendida como sendo aquela que surge após o registro e que, portanto, não poderia ter sido naquele momento alegada, mas que deve ocorrer até a eleição. […]”

    (Ac. de 16.3.2004 no RCEd no 643, rel. Min. Fernando Neves;
    no mesmo sentido o Ac. de 16.3.2004 no RCEd no 646, rel. Min. Fernando Neves.)

  8. - IP 177.3.15.151 - Responder

    Quem mandou o Riva não procurar o Fracisval? Rs!

  9. - IP 187.116.117.52 - Responder

    Larga mão, “dgente”, o Riva é de partido aliado do PT no governo “federá” e no governo “estaduá” de MT também.

    Então, os esquerdotralhas deveriam é estar abraçando o Riva, assim como eles fazem com o Renan, com o Maluf, com o Sarney, com o Jader Barbalho e outros, muitos outros, todos da mesma trma.

  10. - IP 187.69.38.51 - Responder

    Tai, acho que mesmo sem querer, acertei na mosca… Foi só apertar um pouquinho o “Zé”, prá ele não resistir e “soltar a franga”… FUI… Não tenho tempo a perder com lacaios e bate pau de corruptos…

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

um × 1 =