Repudiemos a aliança com Maluf. É preciso defender o PT

Erundina recebe o carinho do senador Eduardo Suplicy, petista histórico. Neste momento, Erundina merece as homenagens que todos os petistas que zelam pelas tradições e pelas responsabilidades do Partido dos Trabalhadores

Repudiemos a aliança com Maluf. É preciso defender o PT

por Enock Cavalcanti

 

Meus amigos, meus inimigos: a desculpa para a aliança do PT com Paulo Maluf – que é uma espécie de símbolo da corrupção na política brasileira – é a conquista de mais tempo na televisão para que o partido exponha, durante a campanha eleitoral, a propaganda do seu candidato Fernando Haddad.  Mas o que é que o PT pode propor de novo, durante esta propaganda eleitoral, se vai para o palanque ao lado daquele que é tido como o maior corrupto da história política do Brasil? Mais tempo pra que? E que negócio é esse de que a única forma de comunicação com a população é a TV? Existe uma coisa chamada exemplo de vida que vai passando de boca em boca…

Lula, com este acordo espúrio, expõe a sua história e um partido que não é dele, não pode ser controlado por ele, tem que ser defendido por todos os petistas, porque o PT não é do Lula, é um patrimônio político da classe trabalhadora, forjado em suas lutas.

Nesse momento, os petistas devem agradecer a lição de coerencia que é dada pela deputada federal Luiza Erundina, que já foi uma das estrelas do PT, se desligou do partido e nem por isso perdeu o respeito e a admiração de tantos e tantos petistas e brasileiros.

Criticar uma coligação como essa não pode ser encarado como um ato de confrontação com o PT. Pelo contrário. É importante que por todo o Brasil afora os petistas repudiem a aliança paulista com Maluf e aplaudam o gesto de dignidade da companheira Luiza Erundina.

Queremos livrar o Brasil dos corruptos – e por isso construímos o PT. Não dá para relativizar este compromisso e passar a conviver placidamente com fichas sujas em nome do pragmatismo eleitoral. Será que o PT, que não soube submeter as práticas mensaleiras de algumas de suas mais importantes lideranças à sua própria comissão de ética precisa recuperar o caminho desta ética, e ter para si uma ética muito clara, para não seguir deslizando nestes lamaçais malufentos.

Mais importante que qualquer tempo na televisão é o espaço e a responsabilidade que cabe ao PT na política brasileira. Claro que o PT, como construção humana e histórica que é, guardará sempre muitas contradições em sua caminhada. Só que Paulo Maluf não é contradição. Paulo Maluf é traição.

Se esse é o pragmatismo que Lula nos oferece agora, fora com esse Lula versão 2012. Devolvam-nos o modelo antigo de nosso lider, para que possamos aperfeiçoar cada vez mais uma prática política inovadora. Eu bem que gostava daquele Lula que fazia poesia e dizia que os poderosos podem pisar uma rosa, duas rosa, três rosas, mas jamais poderão impedir a chegada da Primavera. Sim, eu gostaria de recuperar Lula poético.

Mesmo porque, já faz algum tempo que nós sabemos que o PT não é tudo – e que existem companheiros que avançam conosco nesta construção, como a Luiza Erundina, como o Plínio de Arruda Sampaio, como todo aquele brasileiro ou brasileira que questiona, que, atento aos versos de Bertolt Brech, luta para assumir o comando de sua vida, em estreita solidariedade com a grande maioria de nosso povo.

Será que, no PT, alguém ainda declama aqueles versos tão didáticos de Brecht:

“Você tem que assumir o comando!

Freqüente a escola, você que não tem casa!

Adquira conhecimento, você que sente frio!

Você que tem fome, agarre o livro: é uma arma.

Você tem que assumir o comando.

Não se envergonhe de perguntar, camarada!

Não se deixe convencer!

Veja com seus próprios olhos!

O que não sabe por conta própria, não sabe.

Verifique a conta. É você que vai pagar.

Ponha o dedo sobre cada item

Pergunte: o que é isso?

Você tem que assumir o comando.”

Não se esqueçam do poeta Brecht, petista. Você tem que assumir o comando do seu destino.

Paulo Maluf, não. Luiza Erundina, sim.

————

 

ENTENDA O CARA

Maluf, neoaliado do PT, deve R$ 732 milhões a SP

Parceiro do ex-presidente Lula e do pré-candidato à Prefeitura de São Paulo Fernando Haddad, deputado do PP que fechou acordo com os petistas nesta segunda tem notórios problemas com a Justiça e é procurado pela Interpol; se eleito, o prefeito Haddad vai cobrar o que Maluf deve à capital paulista?

 

Fernando Porfírio _247

Causou barulho a parceria entre PP e PT em São Paulo para as eleições municipais deste ano, principalmente por causa do envolvimento do deputado federal e ex-prefeito Paulo Maluf nas tratativas. O pepista fez questão de selar o acordo com um aperto de mãos com o ex-presidente Lula – tudo devidamente registrado e com o pré-candidato Fernando Haddad como coadjuvante. Para além das muitas controvérsias levantadas pela coligação, fica uma pergunta para o discreto Haddad: se eleito prefeito, vai cobrar na Justiça o que seu parceiro de campanha deve ao Estado de São Paulo?

Em valores não atualizados, o ex-prefeito e ex-governador biônico Paulo Maluf tem uma dívida judicial de R$ 732,5 milhões com os cofres públicos. Fora dessa conta estão os milhões de dólares bloqueados pela Justiça da Europa.

Ao longo de 43 anos de trajetória política, o deputado federal Paulo Salim Maluf habituou-se a conviver com uma sucessão de denúncias de corrupção das quais escapou da maioria incólume. Maluf é daqueles políticos que conseguiu, mesmo quando flagrado com a boca na botija, reduzir a quase zero a possibilidade de ir para a cadeia ou mesmo de devolver o dinheiro que supostamente teria surrupiado do erário público.

Até agora, Maluf tem quatro condenações judiciais decididas por órgãos colegiados e apenas uma transitada em julgado (definitiva). No caso da Paulipetro – da qual não cabe mais recurso – a condenação que cabe a Maluf é de R$ 716 milhões.

O somatório de outras dívidas com a Justiça dá um total de 16,5 milhões. Além disso, tem bloqueado na Europa US$ 35 milhões, que de acordo com o Ministério Público seria resultado de transferências irregulares de recursos de obras superfaturadas quando ele era prefeito da capital.

No momento, uma única sentença condenatória transitada em julgado, de natureza civil pesa sobre Maluf: ele e mais cinco réus foram condenados a restituir ao Estado de São Paulo o montante perdido pelo episódio Paulipetro, quando Maluf tentava encontrar petróleo na Bacia do rio Paraná. Em valores de 2008, a parte que cabia a Maluf era de R$ 716 milhões.

É uma cifra pequena diante do volume de ações de improbidade administrativa movidas contra o ex-prefeito paulistano e governador biônico do Estado. É que em muitas delas Maluf conseguiu reverter a derrota sofrida em instâncias inferiores.

Um exemplo da capacidade da defesa de Maluf aconteceu no final de dezembro de 2010, quando a 7ª Câmara de Direito Público modificou decisão do início do mesmo ano e absolveu o ex-prefeito de devolver aos cofres públicos o valor gasto com uma compra de frangos congelados.

O escândalo ficou conhecido como frangogate e de acordo com o Ministério Público a compra seria superfaturada. As aves serviram para compor a merenda escolar da rede municipal de ensino. Quando Maluf foi condenado, correu o risco de perda dos direitos políticos, o que o impediria de concorrer às eleições.

Nessa ação de improbidade administrativa, o Ministério Público diz que houve favorecimento de empresa, uma delas de Sylvia Maluf, mulher do hoje deputado federal.

As outras condenações de Maluf são: em 2003, o STJ condenou o ex-prefeito a devolver R$ 1,2 milhão por contratar sem licitação a TV Globo para transmitir a Maratona de São Paulo realizada em 1995. Como se trata de uma ação popular, isso não valeria para barrar a candidatura de Maluf caso a lei da ficha limpa estivesse em vigor.

Em janeiro de 2010 o mesmo STJ determinou que Maluf devolvesse o dinheiro gasto nos 0contratos de pesquisa de petróleo na bacia do Rio Paraná. Dois meses antes, em novembro de 2009, o STJ condenou o ex-prefeito a develver R$ 14,7 milhões por serviços supostamente não realizados no túnel Ayrton Senna.   Outro problema de Paulo Maluf é com a Justiça suíça que decidiu manter sob confisco mais de US$ 13 milhões em nome da família do ex-prefeito em contas nos bancos do país dos Alpes. Se somado ao dinheiro ainda bloqueado nas ilhas Jersey, a família Maluf conta com um total de US$ 35 milhões confiscados, temporariamente, na Europa.

——————-

MALUF EM QUADRINHOS

Categorias:Jogo do Poder

4 Comentários

Assinar feed dos Comentários

  1. - IP 177.1.234.166 - Responder

    Não adianta Enock , o pt ( partido do traidores em minusculo mesmo) ao chegar ao poder traiu TODAS as suas bandeiras , e o BEÓCIO CHEFE lulla ( o collorido) trata o partido como um prostibulo. O maluf é apenas mais um canalha ao qual o o PT se alia, mas existem outros ; a exemplo , collor , renan, roseana , sarney , jader, para ficar só nestes de expressão.
    Eu torço para o pt manter esta aliança , pois ela é um passo a mais dado em direção a decadência total.
    VAI pt vai , chafurde-se na poçilga que seu líder levou você. Aproveitem.
    Parabéns Erundina , Marina Silva , Heloisa Helena e Flávio Arns que sairam desse amontoado de traidores.

    • - IP 200.163.44.252 - Responder

      eu prefiria que o lula tivesse morrido la noa hospital a ir na casa do maluf viva a Erondina olha que sou PETISTA

  2. - IP 201.86.130.42 - Responder

    Causa espanto que o Maluf manche a sua biografia se unindo a essa gente do PT, um glomerado de gente capaz de se unir a Collor, Pagot, Maggi, Renan Calheiros, Sarney, além de manter em seus quadros DElubio, Genuino, Palof, Ze Dirceu, e outros. Assim não Maluf, não se una a essa gente, saia de perto desse povo.
    Agora, parodiando Marco Antônio Moreira, falando mais sério ainda, amor, o PT se tornou um partido no qual só ficou os que ou não se importam com seus métodos ou o desconforto não é suficiente para faze-los sair da inércia.

  3. - IP 201.86.130.42 - Responder

    Corrigindo: um aglomerado de gente

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

10 − 4 =