QUEM TEM MEDO PERDE A HORA – A presidente Dilma está certíssima em querer e, mais ainda, em propor, como propôs, uma Constituinte para fazer a reforma política. Nem o Congresso nem a mídia têm condições de barrar, na opinião pública, a simpatia que a proposta despertou.

 A proposta da Constituinte, levantada por Dilma ganhou a simpatia popular, pelo Brasil afora. Mas os que tentam fazer que tudo permaneça igual já procuram esvaziar a proposta da presidente de chamar o povo para participação intensa e soberana no processo politico


A proposta da Constituinte, levantada por Dilma ganhou a simpatia popular, pelo Brasil afora. Mas os que tentam fazer que tudo permaneça igual já procuram esvaziar a proposta da presidente de chamar o povo para participação intensa e soberana no processo politico

Quem tem medo perde a hora

Fernando Brito Do Tijolaço

 

Primeiro, foi José Eduardo Cardoso. Agora, Aloisio Mercadante.

Os dois tentando dizer que a Presidenta Dilma Rousseff não sugeriu uma Constituinte restrita para fazer a reforma política.

Pode até não ter condições políticas de fazer, tal é a ousadia democrática da proposta.

Mas está certíssima em querer e mais ainda em propor, como propôs ontem.

Nem o Congresso nem a mídia têm condições de barrar, na opinião pública, a simpatia que a proposta despertou.

Até Joaquim Barbosa, na entrevista dada hoje, deixou claro que, sem povo, não haverá vontade política de mudar, será conchavo das elites políticas. E o novo Ministro do Supremo, Luis Roberto Barroso, disse não ver problemas numa constituinte convocada com votação popular.

Um dos lugares mais hostis ao Governo Dilma e a Lula – quem lê, sabe – são os comentários dos leitores daFolha Online.

Pois até lá, como você vê na imagem, a proposta de Dilma tem a simpatia da maioria.

Se este grupo de temerosos frustrar o desejo da presidenta de chamar o povo para o processo político triunfar prestará um grande desserviço ao Brasil.

Se o povo, pelo plebiscito, não puder transferir para um órgão autônomo o poder de reorganizar a vida político-representativa do País, por mais que um plebiscito decida fazer A, B ou C medidas, isso vai cair na máquina de moer intenções do Congresso e criança sai de lá toda tortinha.

Além, é claro, de fazer o Governo – principal avalista das propostas perante a população – absorver os ônus de uma mudança que faça tudo permanecer igual.

 

2 Comentários

Assinar feed dos Comentários

  1. - IP 187.5.109.196 - Responder

    De onde vc tirou isso Enock??? Por favor, já te pedi, menos, por favor menos…

  2. - IP 177.41.84.249 - Responder

    Pelego

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

dezessete − cinco =