gonçalves cordeiro

Quase mil delegados dos partidos PSB, Rede Sustentabilidade, PPS, PPL, PRP e PHS formalizaram apoio à candidatura de Eduardo Campos à Presidência da República e da vice Marina Silva.Eduardo garantiu que manterá programas de sucesso como o Minha Casa, Minha Vida e a estabilidade econômica. “Temos que acabar com essa política rasteira do medo e da difamação.O Brasil quer ir adiante, debater como avançar, quer um novo governo que em vez de discutir o que fez no passado, defina como vai resolver o que não resolveu.”

eduardo e marina candidatos

Eduardo assume compromisso com Economia, Educação e Segurança

Uma campanha limpa, sem agressões, e uma gestão comprometida com a solução dos problemas do Brasil. Foi com esse espírito que o ex-governador de Pernambuco, Eduardo Campos, e a ex-senadora Marina Silva tiveram confirmada sua candidatura à Presidência da República pelos partidos da aliança liderada pelo PSB e pela Rede Sustentabilidade em um ato prestigiado por mais de mil pessoas, em Brasília. “Nós vamos devolver o Brasil para os brasileiros. O Brasil tem jeito e quem vai dar jeito no Brasil é o povo”, disse Eduardo.”Nossa aliança caminhará orientada pela carta dos brasileiros, que querem a mudança”, disse Marina.

Em um discurso contundente, Eduardo assumiu um conjunto de compromissos e pediu para ser cobrado ao final de sua gestão, daqui a quatro anos: em seu governo, afirmou, todas as crianças e jovens terão vaga em escolas de tempo integral; serão reduzidos os índices de criminalidade e a violência; será retomado o crescimento econômico; e a reforma tributária será encaminhada ainda no primeiro ano de mandato. “As conquistas do passado serão garantidas em nosso governo. Nós vamos acabar com a corrupção, com o patrimonialismo e o fisiologismo”, aviso, descartando o desmonte de programas sociais como o Bolsa Família, o Minha Casa Minha Vida e o Prouni. “Eu assumo o compromisso e quero ser cobrado”, frisou. O candidato também prometeu declarar guerra à burocracia para simplificar o país e avançar no cumprimento das metas de redução de emissões até 2020, tornando efetivo o compromisso do Brasil com a sustentabilidade.

Em um evento marcado pela alegria e unidade, PSB, Rede, PPS, PPL, PHS e PRP marcaram o início oficial da campanha e mobilizaram sua militância de todo o país. Dirigentes, delegados, militantes e simpatizantes vieram das mais diversas regiões do país. “Eu e Eduardo temos a alegria de fazer esse encontro na mesma data em que completamos nove meses de aliança”, disse Marina. “É exatamente como uma gestação e hoje podemos dizer: nossa criança nasceu”, completou. Candidata a vice, ela lembrou que o DNA da candidatura é o programa de governo da aliança, em fase final de montagem, e ironizou as críticas e ataques que a candidatura têm recebido. “Eu aprendi muito com a floresta. Os desabusados correm quando a serpente sacode o rabo, mas quem conhece sabe que está no caminho certo”, comentou.

A ex-senadora pediu à militância uma campanha limpa e rechaçou os rumores em torno de divergências que colocariam em risco sua união com Eduardo Campos. “A gente trabalha, sonha e luta pelo Brasil que queremos”, afirmou. “O que nos uniu foi a esperança de quebrar esse ciclo vicioso de divisão do Brasil”.

Por Doca de Oliveira, assessoria de comunicação social do PSB

Categorias:Jogo do Poder

1 Comentário

Assinar feed dos Comentários

  1. - Responder

    Essa dupla, na verdade, está prometendo a instalação do reino dos céus na Terra, a Nova Jerusalém prometida pelos profetas e visionários. Mas será que possuem tanta santidade e terão os votos necessários? Não creio. Marina, acostumada com os famosos “empates” promovidos por Chico Mendes, mas sem a autoridade e envergadura do líder sindical, tentou promover o “empate” do governo Lula e foi descartada porque com seu projeto pessoal passou a ser um obstáculo à implementação das mudanças. Campos, por seu turno, recebeu toda a atenção dos governos Lula e Dilma, como aliado preferencial, e, todavia, ao final do primeiro mandato de Dilma se uniu a Aécio Neves na condição de força auxiliar. Como essas duas criaturas se apresentarão ao eleitorado, depois de tantas traições? O povo brasileiro conhece o oportunismo e a artificialidade da dupla Eduardo Campos e Marina Silva. E, vale lembrar, não existe nenhum partido chamado Rede Sustentabilidade registrado e autorizado a participar das eleições. Trata-se de mais um engodo dessa dupla sem substância e que tem como marca a dificuldade em manter os compromissos assumidos e os pactos políticos firmados. Esses dois são movidos pelos interesses pessoais e egoísticos das pretensões individualistas.

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

doze + 1 =

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.