TCE - DEZEMBRO

PT repudia denúncias ‘sem prova’ de Paulo Roberto Costa. O partido afirma que “estranha a repetição de vazamentos de depoimentos no Judiciário” e que as acusações não são sustentadas por provas. “Lamentamos que estejam sendo valorizadas as palavras do investigado, em detrimento de qualquer indício ou evidência comprovada.” Os ataques e denúncias ao partido se repetem em 2014 como às vésperas de eleições anteriores.

Rui Falcão, presidente nacional do PT

Rui Falcão, presidente nacional do PT

RESPOSTA

PT repudia denúncias ‘sem prova’ de Paulo Roberto Costa

Partido ‘desmente a totalidade das ilações’ de que teria recebido repasses financeiros de contratos com a Petrobras e ‘estranha a repetição de vazamentos de depoimentos no Judiciário’

DA REDE BRASIL ATUAL

São Paulo – O Partido dos Trabalhadores divulgou nota oficial no final da tarde de hoje (9) assinada pelo presidente nacional, Rui Falcão, em que “repudia com veemência e indignação” as denúncias de Paulo Roberto Costa, ex-diretor de Abastecimento da Petrobras, à Justiça Federal. Costa foi diretor da Gaspetro de maio de 1997 a dezembro de 2000, durante o governo de Fernando Henrique Cardoso.

“O PT desmente a totalidade das ilações de que o partido teria recebido repasses financeiros originados de contratos com a Petrobras. Todas as doações para o Partido dos Trabalhadores seguem as normas legais e são registradas na Justiça Eleitoral”, diz a nota.

O partido afirma que “estranha a repetição de vazamentos de depoimentos no Judiciário” e que as acusações não são sustentadas por provas. “Lamentamos que estejam sendo valorizadas as palavras do investigado, em detrimento de qualquer indício ou evidência comprovada.”

A Direção Nacional do PT diz ainda que estuda a adoção de medidas judiciais cabíveis no caso.

Em entrevista coletiva ontem, Rui Falcão rebateu as acusações. “Não podemos levar para casa que somos os corruptos e que eles são os pudicos. Em matéria de corrupção os tucanos são recordistas”, disse.

Os ataques e denúncias ao partido se repetem em 2014 como às vésperas de eleições anteriores. Em 2010, três semanas antes do primeiro turno, quando a eleição de Dilma Rousseff era iminente, denúncias que ocuparam manchetes de todos os jornais e os noticiários televisivos colocaram Israel Guerra, filho da então ex-ministra da Casa Civil, Erenice Guerra, como envolvido em um suposto esquema de tráfico de influência. As denúncias ajudaram a levar a eleição para o segundo turno.

Em 2012, a Justiça Federal de Brasília arquivou o inquérito que apurava o suposto tráfico de influência na Casa Civil durante a gestão de Erenice. A notícia foi discretamente veiculada na imprensa.

Também em nota divulgada hoje, a Secretaria Nacional de Finanças do PT informou que o secretário João Vaccari Neto “nunca tratou sobre contribuições financeiras do partido, ou de qualquer outro assunto, com o Sr. Paulo Roberto Costa”.

De acordo com o texto, “o depoimento prestado por ele à Justiça está carregado de afirmações distorcidas e mentirosas”. “Essas acusações, difundidas insistentemente por meio de notícias na imprensa, sem possibilidade de acesso de nossos advogados aos depoimentos, impedem o direito ao exercício constitucional da ampla defesa.”

Segundo a secretaria, o secretário nacional de Finanças, João Vaccari Neto, vai processar civil e criminalmente os responsáveis pelas acusações.

Paulo Roberto Costa afirmou, entre outras acusações, que o PT ficava com até 3% do valor dos contratos da Petrobras.

Sem comentários. Seja o primeiro a comentar

Assinar feed dos Comentários

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

oito + 18 =