PROMOTOR CORAGEM – Enquanto Pedro Taques abandonou MPF para atuar como político tradicional no Senado, Domingos Sávio conduz investigações que podem revelar as patifarias promovidas por empresários e politicos em prejuizo do patrimônio ambiental de MT

Quando a Operação Arca de Noé foi deflagrada nos anos 2000, à frente dela estavam três membros do Ministério Público que, desde então, sempre se mantiveram em evidência dentro do cenário político e administrativo de Mato Grosso: o procurador de Justiça Pedro Taques e os promotores Mauro Zaque e Domingos Sávio de Arruda.

Foram esses profissionais que planejaram, coordenaram e comandaram a tomada do bunker que João Arcanjo Ribeiro mantinha no bairro Boa Esperança. Dessas investigações, resultaram desdobramentos que até hoje impactam a vida da população de Mato Grosso, como a prisão do Comendador, as denúncias de intensa e despudorada ladroagem na Assembléia Legislativa, envolvendo Geraldo Riva, Humberto Bosaipo e uma enorme quantidade de "ligeirinhos" que transitam em torno deles, e, mais recentemente, a denúncia do MPF sobre o possível envolvimento do empresário Dorileo Leal, do conglomerado jornalistico de A Gazeta, com a lavagem de dinheiro que beneficiaria as quadrilhas do crime organizado em Mato Grosso.

O tempo passa, o tempo voa – e a sociedade de Mato Grosso perdeu a contribuição de Pedro Taques como agente do Ministério Público. Lembre-se que esta PÁGINA DO E lamentou esta perda, assim que Pedro Taques fez sua opção preferencial pela política partidária. Hoje Pedro Taques deixou de ter como uma de suas prioridades, o combate ao crime organizado e à corrupção, se transformando em mais um político tradicional no Senado Federal –  se prestando, ultimamente, ao triste papel de se somar com personalidades reacionárias do Brasil e da Itália para tentar manter na cadeia o militante político Cessare Batista que, de acordo com todas as evidencias acolhidas pela maioria do Supremo Tribunal Federal, teria sido vítima de um conluio judicial na pátria italiana.

Já Mauro Zaque e Domingos Sávio continuam dando sua contribuição para o fortalecimento institucional do Ministério Público e para o desbaratamento de quadrilhas organizadas, algumas delas envolvendo poderosas figuras do empresáriado mato-grossense e da administração pública, que continuam a assacar contra os cofres públicos.

Mauro Zaque conduz, entre outras, as denúncias com os envolvidos no chamado Escândalo do Maquinário.

E voce pode ver, no video, o destemor com que Domingos Sávio, promotor-coragem, investe contra as articulações políticas que teriam resultado na recente aprovação da Lei do Zoneamento em Mato Grosso, além de denunciar esquema de adulteração de documentos no sentido de facilitar a exploração de pequenas centrais hidrelétricas, no interior do Estado, comprometendo e ameaçando o patrimônio ambiental de Mato Grosso.

Domingos Sávio coloca em xeque comportamento da administração do então governador e atual senador Blairo Maggi, enquanto que, de Pedro Taques, há mais de seis meses, se espera algum  tipo de encaminhamento com relação às denuncias que ele mesmo formulou e em cima das quais estruturou sua campanha eleitoral, denunciando o chamado Escândalo do Maquinário, que envolveria o então governador e atual senador Blairo Maggi.

Sobre a atuação politica e administrativa de Blairo Maggi, Pedro Taques, que o atacava duramente na campanha, até agora não disse nada. Será que Pedro Taques vai repercurtir no Senado Federal as denúncias de Domingos Sávio ou, mais uma vez, calar-se diante de Blairo Maggi? Pedro Taques, que deixou sozinho o seu antigo parceiro, o promotor Mauro Zaque no questionamento do Escândalo dos Maquinários, vai deixar sozinho o seu antigo parceiro Domingos Sávio no questionamento das mutretas das PCHs?

São respostas que teremos que esperar do amanhã – enquanto segue a vida e as pessoas vão construindo ou desconstruindo suas biografias.

Veja no video a entrevista coletiva do promotor Domingos Sávio.

————————

Promotor alega fraudes para beneficiar obras de hidrelétricas
Fonte: A Gazeta

 

O promotor de Defesa do Meio Ambiente do Ministério Público Estadual, Domingos Sávio, toma providências sobre supostas fraudes de certidões ligadas ao Instituto de Terras de Mato Grosso (Intermat), envolvendo áreas de Pequenas Centrais Hidrelétricas (PCH"s). A manobra que teria sido verificada em 2007 está sob investigação da CPI das Usinas Hidrelétricas e PCH"s da Assembleia Legislativa, presidida pelo deputado Percival Muniz (PPS). A Gazeta teve acesso exclusivo a documentos sob o caso, em análise na Comissão.

Na tarde de ontem, em coletiva à imprensa sobre o projeto de Zoneamento Socioeconômico Ecológico, o promotor disse que encaminhou relatório sobre possíveis fraudes como falsificação de documentos de área de terras, para o Ministério Público Federal, para o presidente da CPI e ainda para as promotorias de Peixoto de Azevedo e de Colíder, municípios onde foram lavradas escrituras. Também encaminha relatório para a Procuradoria Geral da República.

A posição de Domingos Sávio traz a tona mais uma vez situação delicada para o governo do Estado. O suposto esquema foi "lembrado" na CPI, recentemente, através de depoimento prestado pelo servidor público Carlos Barros. PCH"s de Rochedo e Nhandú, na região do Parque Estadual Cristalino, teriam sido construídas em terras devolutas por meio do uso de documentos fraudados para a garantia da licença ambiental. No período, a Secretaria Estadual de Meio Ambiente estava sob o comando de Luiz Henrique Daldegan.

Carlos Alberto, servidor do Intermat em 2007, foi designado à época para investigar denúncia de irregularidades sobre documentos de responsabilidade do órgão. Depois de constatar a existência de fraudes, como ele declarou na CPI, a Sema não teria se posicionado. Agora, ao analisar questões relacionadas ao Zoneamento, o promotor encontra indícios de "manobras" e pede providências. Daldegan deverá ser convocado para prestar esclarecimentos

Sem comentários. Seja o primeiro a comentar

Assinar feed dos Comentários

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

17 + 1 =