Promotor Alexandre Guedes pede afastamento do secretário de Saúde, Mauri Rodrigues, após denúncia do jornal Circuito de que Governo Silval enche de dinheiro os cofres das Organizações Sociais enquanto sonega recursos para municipios, consórcios intermunicipais e prestadores de serviços

Os secretários Carlos Rayel (Comunicação) e Mauri Rodrigues (Saúde) acusados pelo Ministério Público de implementar forte esquema em favor das OSs e à sombra do governo de Silval Barbosa, que estão sendo alvo de denúncia do promotor Alexandre Guedes Guedes que formulou sua ação a partir de revelações divulgadas pelo jornal Circuito Mato Grosso, do empresário Pérsio Briante - o mesmo que denunciou o desvio de R$ 44 milhões no chamado Escândalo dos Maquinários. Segundo o Circuito, o governo de Silval não paga o que deve aos municipios mas tem liberado milhões para empresas tercerizadas que atuam no setor de Saúde

O promotor Alexandre Guedes, da Promotoria da Justiça e Cidadania de Cuiabá, acaba de protocolar, nesta segunda-feira, 25 de março de 2013, uma petição na Vara Especializada de Ação Civil Pública e Ação Popular pedindo o imediato afastamento do secretário Estadual de Saúde, Mauri Rodrigues, por descumprimento a ordem judicial determinando que Estado não priorize o pagamento de Organizações Sociais de Saúde (OSSs) em detrimento das prefeituras.

A petição foi provocada com base na reportagem exclusiva do jornal Circuito Mato Grosso – Edição 431, que ainda está circulando – revelando que o Governo do Estado já pagou este ano 37 milhões a Organizações Sociais de Saúde (OSS) enquanto deixou de repassar 42 milhões às prefeituras do interior em 2012. O jornal Circuito Mato Grosso é dirigido pelo empresário Pérsio Briante, bastante conhecido nos meios políticos e administrativos do Estado, desde que, através de denunciação caluniosa, ajudou o Ministério Público Estadual a identificar diversas irregularidades praticadas pelo Governo do Estado, na administração do ex-governador Blairo Maggi, naquele que é chamado de Escândalo dos Maquinários.

“Alertado por notícia publicada no jornal “Circuito Mato Grosso”, descobriu-se que o Estado vem repassando milhões às referidas organizações sociais, ao mesmo tempo em que mantém os débitos com os municípios, consórcios intermunicipais e prestadores de serviços”, observa o promotor Alexandre Guedes, em sua ação. E, taxativo, completa: “o que se nota é que o Estado de Mato Grosso ignorou a ordem judicial de deixar de priorizar as organizações sociais, merecendo, portanto, a resposta desse Juízo”.

Alexandre Guedes cita o fato do governador Silval Barbosa (PMDB) ter anunciado o parcelamento da dívida com os prefeitos em quinze dias, diluindo o restante em pagamentos mensais até o final de 2013. “Verifica-se, portanto, que ao mesmo tempo em que o Estado diz não ter dinheiro para pagar os municípios, faz repasses de milhões às organizações sociais, conforme demonstra o extrato do Fiplan”.

O promotor Alexandre Guedes ainda sugere que a Justiça acate pedido para que proíba o Estado de veicular qualquer propaganda ou publicidade, com exceção das obrigatórias enquanto não forem colocados em dia os repasses devidos, na área de saúde, aos municípios, consórcios intermunicipais e prestadores de serviços, sob pena do secretário de Comunicação, Carlos Rayel, ser afastado de suas funções.

1 Comentário

Assinar feed dos Comentários

  1. - IP 201.34.24.111 - Responder

    Enquanto os doentes morrem nas filas dos hospitais sem recursos, as OSSs nadam de braçada na lagoa do erário, com a conivência e favorecimento de administradores públicos e políticos desumanos. Vergonha.

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

quatro × 5 =