gonçalves cordeiro

PROFESSOR MARCO AURÉLIO NOGUEIRA: Os ataques dos bolsonaristas ao “Marxismo Cultural” – e como isso pode empobrecer a democracia

Uma selfiie de Lenin, Engels e Karl Marx, pensadores clássicos que influenciam a esquerda em todo o mundo – e também no Brasil

O que motiva os ataques dos bolsonaristas ao chamado “Marxismo Cultural”

E como isso pode empobrecer a democracia e prolongar a crise do sistema político
Karl Marx, autor da concepção materialista da história, segundo a qual as sociedades evoluem de acordo com o modo como produzem os bens para satisfazer suas necessidades. Foto: Hulton Deutsch / GETTY IMAGES
Karl Marx, autor da concepção materialista da história, segundo a qual as sociedades evoluem de acordo com o modo como produzem os bens para satisfazer suas necessidades. Foto: Hulton Deutsch / GETTY IMAGES

Não é só o governo Bolsonaro, com seus ministros que disparam petardos ideológicos em cada fala.

Há no país uma onda mal-ajambrada que quer criar um bode expiatório no campo da política, da ação governamental e da cultura. Em nome do ataque ao “marxismo cultural”, ela se alimenta de uma enorme ignorância e de um deliberado esforço de provocação.

A obsessão é uma só. Surge límpida no discurso de posse do presidente, convencido de que a partir dele “o povo começou a se libertar do socialismo, da inversão de valores, do gigantismo estatal e do politicamente correto”, falando como se esses problemas tivessem relação de causalidade. Promessas vagas de “combater o marxismo nas escolas” e perseguir os comunistas são feitas a todo momento, sem que se deem muitas explicações a respeito.

A mixórdia temática não é compartilhada pelo núcleo principal do novo governo, integrado pelos generais e por Paulo Guedes e Sergio Moro, ministros mais concentrados na gestão e na obtenção de resultados. Surge imponente nas platitudes reacionárias de Damares Alves contra a identidade de gênero e em Vélez Rodríguez, que parece acreditar que há uma “tresloucada onda globalista tomando carona no pensamento gramsciano e num irresponsável pragmatismo sofístico”, com o claro propósito de “destruir um a um os valores culturais em que se sedimentam nossas instituições mais caras: família, igreja, escola, Estado e pátria”. Não é diferente nas Relações Exteriores, cujo responsável está na linha de frente dessa cruzada.

Ora o discurso é genérico e fala em marxismo sem mais, ora vem embrulhado com a menção a pensadores como Antonio Gramsci, ora ainda surge abraçado a ataques contra a esquerda, o petismo, o socialismo e o globalismo, sempre indeterminados. É um conjunto que se sustenta na superficialidade e na estigmatização, sem preocupação de fomentar algum debate.

Antonio Gramsci (1891-1937) (à esq.), filósofo marxista que formulou o conceito de hegemonia cultural. Jean-Paul Sartre (1905-1980) afirmava que a existência precede a essência Foto: LASKI DIFFUSION e DUTCH NATIONAL ARCHIVES / GETTY IMAGES e CREATIVE COMMONS
Antonio Gramsci (1891-1937) (à esq.), filósofo marxista que formulou o conceito de hegemonia cultural. Jean-Paul Sartre (1905-1980) afirmava que a existência precede a essência Foto: LASKI DIFFUSION e DUTCH NATIONAL ARCHIVES / GETTY IMAGES e CREATIVE COMMONS

Não há qualquer intenção de mapear a sério o campo cultural brasileiro ou de avaliar erros, acertos e possibilidades da esquerda, que é posta sumariamente fora da lei, em suas distintas versões. O propósito é ativar uma maquinação ideológica para desqualificar eventuais opositores do novo governo e repor, na política nacional, temas e convicções extemporâneos, centrados no apelo confuso a Deus, religião e Bíblia.

O ataque ao marxismo tem muito de manobra diversionista: busca produzir um ruído que distraia o público e desvie a atenção do fundamental. Espancar o PT e o socialismo que por aqui jamais existiu é parte do roteiro, assim como o compromisso de “desconstruir” Gramsci.

Nessa operação, o nível precisa cair ao rés do chão, já que se trata de atingir o grosso da opinião pública, não a intelectualidade. O tom precisa ser de palanque, para ter chance de mobilizar. Abusa-se da caricatura, do exagero, da ofensa e da grosseria, dispensando qualquer tipo de refinamento. Fala-se de Marx e de Gramsci como se se tratasse de dois perdidos que, numa noite de farras, tivessem caído no Brasil para corromper a juventude e a sociedade com ideias malignas e perversas. O objetivo é promover a circulação de um espectro que assuste, acue e impressione, semelhante ao que Marx anteviu nas primeiras linhas do famoso Manifesto comunista de 1848: um espectro contra o qual deveriam unir-se numa Santa Aliança todas as potências da velha ordem.

A denúncia do “marxismo cultural” é ao mesmo tempo reativa e ofensiva. Ela intui que o marxismo soube se adaptar ao longo da história, saindo do determinismo rígido dos primeiros tempos para a flexibilidade dialética de Gramsci, por exemplo — autor que é a verdadeira pedra no sapato dos antimarxistas. Gramsci incomoda porque atualizou a teoria que veio de Marx, dando a ela melhores condições de dialogar com as épocas mais complexas do capitalismo do século XX. A operação intelectual gramsciana permitiu ao marxismo a recuperação plena dos temas do Estado, da política, da cultura, dos intelectuais. Tornou-o mais “competitivo” para decifrar as armadilhas ideológicas do capitalismo e da dominação política, abrindo os olhos de muitos marxistas ainda aprisionados aos ritmos duros da luta de classes de primeira geração, na qual não existiam tantas mediações e sinuosidades. Recusou as limitações cognitivas do “determinismo econômico” e analisou a sociedade como realidade complexa, conforme o próprio núcleo originário da filosofia de Marx. Estudou a sério o Estado e chamou a atenção para a sociedade civil, destacando sua função como instância de hegemonia.

György Lukács (1885-1971) (à esq.), um dos mais influentes pensadores marxistas durante o período stalinista, o filósofo húngaro foi pioneiro na análise sociológica da literatura de ficção. Henri Lefebvre (1901-1991), o filósofo francês foi um estudioso da influência do capitalismo sobre o espaço urbano Foto: HULTON-DEUTSCH COLLECTION e FRANCOIS LOCHON / CORBIS/GETTY IMAGES e GAMMA-RAPHO/GETTY IMAGES
György Lukács (1885-1971) (à esq.), um dos mais influentes pensadores marxistas durante o período stalinista, o filósofo húngaro foi pioneiro na análise sociológica da literatura de ficção. Henri Lefebvre (1901-1991), o filósofo francês foi um estudioso da influência do capitalismo sobre o espaço urbano Foto: HULTON-DEUTSCH COLLECTION e FRANCOIS LOCHON / CORBIS/GETTY IMAGES e GAMMA-RAPHO/GETTY IMAGES

Quanto mais o capitalismo ganhou complexidade, mais as ideias gramscianas mostraram força.

Depois de Gramsci, o marxismo nunca mais foi o mesmo, ainda que muitos de seus seguidores não tenham se soltado das incrustações mecânicas e do doutrinarismo. Encorpou, tornou-se uma teoria “clássica”, ganhou respeitabilidade plena no mundo intelectual, ingressou nas universidades e se converteu na “filosofia de nosso tempo”, antevista pelo filósofo francês Jean-Paul Sartre.

Tudo isso não se deveu exclusivamente a Gramsci, até mesmo porque sua obra, escrita quase toda nos cárceres fascistas, só chegou ao conhecimento público após a Segunda Guerra Mundial e se converteu lentamente na potência que é hoje.

Tanto quanto o pensador italiano, contribuíram para a revitalização e a disseminação do marxismo teóricos como György Lukács, Karl Korsch, Adam Schaff, Henri Lefebvre e Lucien Goldmann, dentre muitos outros, cada um tomando caminhos particulares, fazendo inflexões “heterodoxas” e questionamentos à doutrina original, que, com o tempo, convergiram para um mesmo estuário. O marxismo se tornou muitos, diversificou-se, ganhou musculatura e novas linguagens, compondo aquilo que a dialética chama de unidade na diversidade.

Max Weber (1864-1920), um dos pais da sociologia, Weber mostra como algumas características do protestantismo foram decisivas para o nascimento do capitalismo, da burocracia e do estado legal Foto: ARCHIV GERSTENBERG / ULLSTEIN BILD/GETTY IMAGES
Max Weber (1864-1920), um dos pais da sociologia, Weber mostra como algumas características do protestantismo foram decisivas para o nascimento do capitalismo, da burocracia e do estado legal Foto: ARCHIV GERSTENBERG / ULLSTEIN BILD/GETTY IMAGES

O fato é que não houve pensador importante, nos últimos 100 anos, que não tenha dialogado com as ideias de Marx e as variadas versões do marxismo. Não existiria o Jürgen Habermas da ação comunicativa, o Zygmunt Bauman da modernidade líquida ou o Ulrich Beck da sociedade de risco sem leituras marxistas. Norberto Bobbio sempre o teve como um dos grandes, dedicando um livro inteiro a ele (Nem com Marx, nem contra Marx, Editora Unesp). Antes deles, não foram poucos os que reconheceram, como Max Weber, a relevância das ideias de Marx.

Jürgen Habermas (1929) (à esq.), assistente de Theodor Adorno na Escola de Frankfurt nos anos 50, discutiu a democracia no capitalismo tardio. Ulrich Beck (1944-2015), escreveu sobre como progresso promovido pela ciência e indústria criou uma sociedade de risco Foto: RAPHAEL GAILLARDE e LEONARDO CENDAMO / GAMMA-RAPHO/GETTY IMAGES e LEEMAGE/AFP
Jürgen Habermas (1929) (à esq.), assistente de Theodor Adorno na Escola de Frankfurt nos anos 50, discutiu a democracia no capitalismo tardio. Ulrich Beck (1944-2015), escreveu sobre como progresso promovido pela ciência e indústria criou uma sociedade de risco Foto: RAPHAEL GAILLARDE e LEONARDO CENDAMO / GAMMA-RAPHO/GETTY IMAGES e LEEMAGE/AFP

Em seus escritos, muito mais que em sua militância política, Marx foi um portento, que não só descortinou a estrutura do capitalismo, como compreendeu o vigor da economia na modelagem da vida social moderna, na qual o dinheiro e o consumo jogam papel preponderante, como objetivos em si. Dedicou-se, assim como os que souberam se aproveitar de suas ideias, sendo ou não marxistas, a buscar formas de superar ou ao menos regular o irracionalismo dos mercados sem controle e sem limites. Legou ao futuro uma perspectiva racional, generosa, uma homenagem ao progresso.

O filósofo polonês Adam Schaff (1913-2006) (à esq.) e Lucien Goldmann (1913-1970), sociólogo e filósofo romeno Foto: Reprodução / domínio público
O filósofo polonês Adam Schaff (1913-2006) (à esq.) e Lucien Goldmann (1913-1970), sociólogo e filósofo romeno Foto: Reprodução / domínio público

O debate sério sempre criticou a vulgarização das ideias de Marx, sua conversão em catecismo, sua simplificação em fórmulas desconectadas da realidade, sua dificuldade de elaborar uma teoria do Estado e da política. Parte disso se deveu aos partidos comunistas, que, na luta política, viram-se forçados a “massificar” a teoria que os inspirava. Responsabilidade ainda maior coube à força centralizadora do socialismo soviético, que impôs uma leitura oficialista do marxismo que aprisionou os comunistas durante décadas.

Karl Korsch (1886-1961) (à esq.) o filósofo alemão que aplica o método do materialismo histórico ao próprio marxismo. Norberto Bobbio (1909-2004), historiador do pensamento político e filósofo Foto: ULLSTEIN BILD e EFFIGIE / ULLSTEIN BILD/GETTY IMAGES e LEEMAGE/AFP
Karl Korsch (1886-1961) (à esq.) o filósofo alemão que aplica o método do materialismo histórico ao próprio marxismo. Norberto Bobbio (1909-2004), historiador do pensamento político e filósofo Foto: ULLSTEIN BILD e EFFIGIE / ULLSTEIN BILD/GETTY IMAGES e LEEMAGE/AFP

Paradoxalmente, a cruzada antimarxista de hoje emprega os mesmos expedientes das vertentes mais pesadas do stalinismo. Mente, deforma, difama, acusa sem critério, procura punir e estigmatizar, valendo-se da simplificação grosseira e da pressão dos aparatos estatais. O stalinismo fazia isso em nome de uma revolução igualitarista, o que atenuava de certo modo o sacrifício que pedia. O antimarxismo atual, ao contrário, apregoa uma guinada conservadora que dê um passo atrás. Mas também ele só se viabiliza se fizer dos canais oferecidos pelo Estado uma plataforma para difundir uma cópia invertida daquilo que acusa em seus adversários. É inócuo nos territórios livres da sociedade civil, onde o debate pode fluir de forma democrática.

É o que faz o antimarxismo atacar sem trégua as diferentes instâncias da sociedade civil, da imprensa às ONGs, das escolas à indústria cultural, dos partidos políticos aos sindicatos. Ele precisa deslegitimar aquilo que foge de seu controle, reforçando ao contrário os “centros dirigentes”, a palavra dos chefes, os manuais repletos de novas verdades. Cria seus mitos e seus arautos, seus filósofos, suas narrativas, suas ideias-força, que espalha pelas redes que manipula. Constrói assim um repertório simbólico e expressivo, com o qual combate a luta cultural. Denuncia toda e qualquer operação ideológica, mas é ele próprio uma ideologia.

Zygmunt Bauman (1925-2017), sociólogo polonês que disse que vivemos tempos
Zygmunt Bauman (1925-2017), sociólogo polonês que disse que vivemos tempos “líquidos”, que mudam com rapidez e de forma imprevisível Foto: M. OLIVA SOTO / CREATIVE COMMONS

O ataque ao “marxismo cultural” dirige-se à mobilização do eleitorado de Bolsonaro, mas também almeja espetar na agenda pública algumas estacas que delimitem um campo ideológico. Deseja demarcar um terreno de luta, separar os bons dos maus, transferir culpas e responsabilidades. Nunca antes, no Brasil, a direita conservadora chegou tão longe.

Não se trata de um ataque inócuo. Ele tem implicações sérias. Uma delas é o risco de “macarthismo”, de discriminação e caça aos “vermelhos”. Não há uma diretriz clara, mas Onyx Lorenzoni já falou em “despetizar” o Estado. Sem freios moderadores, a cruzada poderá incentivar muita gente a denunciar comunistas em cada curva do caminho, como se fossem “inimigos da pátria”.

Afinal, o combate ao “marxismo cultural” vale-se de pessoas que pensam estar na esquerda a razão maior de suas agruras. Sem conseguir ver o conjunto da vida, estão predispostas a ser contagiadas pelo maniqueísmo simplista do “nós contra eles”.

O desdobramento disso será o empobrecimento da democracia e o prolongamento da crise do sistema político. Capturado pela insanidade por ele mesmo criada, o governo poderá cair na tentação de moldar suas políticas por critérios sempre mais ideológicos e sempre menos técnicos.

Na hipótese de essa parábola se completar, perderemos todos.

Marco Aurélio Nogueira é professor de teoria política e coordenador do Núcleo de Estudos e Análises Internacionais da Unesp. Atuou como revisor técnico da tradução brasileira do Dicionário Gramsciano (Boitempo, 2017) Foto: Filipe Redondo / Agência O Globo
Marco Aurélio Nogueira é professor de teoria política e coordenador do Núcleo de Estudos e Análises Internacionais da Unesp. Atuou como revisor técnico da tradução brasileira do Dicionário Gramsciano (Boitempo, 2017) Foto: Filipe Redondo / Agência O Globo
FONTE REVISTA ÉPOCA

Sem comentários. Seja o primeiro a comentar

Assinar feed dos Comentários

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

14 + 20 =