PREFEITURA SANEAMENTO

MPF pede impugnação de 27 registros de candidatura

MPF pede a impugnação de 27 candidaturas em Mato Grosso nas eleições de 2014 by Enock Cavalcanti

MPF impugna ata da convenção do PSD e Solidariedade, questionando candidadura de Aray Fonseca by Enock Cavalcanti

MPF propõe Impugnacao da candidatura de Jose Geraldo Riva by Enock Cavalcanti

MPF propõe Impugnacao da candidatura de Jaime Campos by Enock Cavalcanti

 

MPF impugna ata da convenção da Coligacao Coragem Atitude Para Mudar II – PTB, PSL, PPS by Enock Cavalcanti

MPF impugna ata da convenção da Frentinha – PRP, PSC, PSDC, PRB e PV by Enock Cavalcanti

 

 

 

 

 

MPF propõe Impugnacao da candidatura de Emanuel Pinheiro by Enock Cavalcanti

MPF propõe Impugnacao da candidatura de Gilmar Fabris by Enock Cavalcanti

MPF propõe Impugnacao da candidatura de Jose Domingos Fraga by Enock Cavalcanti

MPF propõe Impugnacao da candidatura do Jose Marcondes MUVUCA by Enock Cavalcanti

MPF propõe Impugnacao da candidatura do Airton Português by Enock Cavalcanti

MPF propõe Impugnacao da candidatura de Meraldo Figueiredo Sa by Enock Cavalcanti

douglas mpf
A Procuradoria Regional Eleitoral em Mato Grosso propôs 27 ações de impugnação contra registros de candidatura das eleições 2014 para cargos eletivos majoritários (senador, governador e vice) e proporcionais (deputados federal e estadual).

Do total de 399 registros de candidatura feitos pelos candidatos no Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso, 6,7% foram objeto de pedido de impugnação pela Procuradoria Regional Eleitoral, sendo 14 considerados inelegíveis, de acordo com o entendimento da Lei da Ficha Limpa.

A Justiça Eleitoral tem até o dia 21 de agosto para julgar todos os pedidos de registro de candidatura, incluindo os impugnados e os respectivos recursos, em todas as instâncias e publicadas as decisões.

O candidato que tiver o registro de candidatura impugnado poderá recorrer da decisão. O procurador regional eleitoral Douglas Guilherme Fernandes explica que a legislação não proíbe a campanha do candidato que aguarda o julgamento do seu recurso contra a impugnação do registro de candidatura. Mas, segundo o procurador, a campanha é realizada por conta e risco do candidato.

Se, ao final do julgamento do recurso, for confirmada a impugnação, o registro de candidatura será negado.

Candidaturas individuais

No dia 10 de julho, o TRE publicou os editais com os registros de candidaturas individuais. O prazo para que a Procuradoria Regional Eleitoral faça a análise desses registros e, se for o caso, proponha as ações de impugnação, termina na terça-feira (15/07).

 

 

MPF pede impugnacao de Altir Antonio Peruzzo by Enock Cavalcanti

MPF pede impugnacao de Zozimo Chaparral by Enock Cavalcanti

MPF pede impugnacao da candidatura do ex-prefeito Zé Carlos do Pátio by Enock Cavalcanti

MP pede impugnação de Waldir Bento Da Costa by Enock Cavalcanti

MPF pede impugnacao de Fernando Alencar Bezerra by Enock Cavalcanti

MPF pede impugnação de Silvano Ferreira do Amaral by Enock Cavalcanti

MPF pede impugnacao de Maria Eugenia Braga by Enock Cavalcanti

MPF pede impugnacao de Milton Dantas Oliveira by Enock Cavalcanti

MPF pede impugnacao de Maria Izaura Dias by Enock Cavalcanti

MPF pede impugnacao de Neldo Egon Weirich by Enock Cavalcanti

MPF pede Impugnação da candidatura de Valdir Barranco by Enock Cavalcanti

3 Comentários

Assinar feed dos Comentários

  1. - IP 189.11.246.212 - Responder

    Para os que opoiam a judicialização da Política e a transferência da decisão das mãos do eleitorado para as mãos de alguns poucos dos colegiados sem mandato popular e que, na prática, não traduzem a vontade da maioria, as ações do Procurador é prato cheio e muito bem temperado.

    Temos assistido, ano após ano, a substituição da vontade popular manifestada democraticamente nas urnas pelas decisões judiciais. Milhares de votos depositados pelo povo nas urnas são substituídos por menos de uma dezena de votos de colegiados que, na essência, não saem das classes sociais representativas da maioria nascida das urnas e, por isso mesmo, distanciados dos anseios populares. Os julgamentos judiciais na verdade materializam a distorção do resultado legítimo das urnas e ferem profundamente os valores democráticos, retirando, não rara vezes, o eleito pelo voto popular para empossar o vencedor pelo voto das decisões judiciais. Democraria deveria ser caracterizado pelo respeito ao resultado manifestado pacificamente pelo povo nas manhãs ensolaradas… (continuo depois, vou atender um chamado…)

  2. - IP 179.216.211.161 - Responder

    O gozado é que o TSE já foi contrário às pretenções do MP em mais de 50 casos análogos ao do RIVA, por mais de 50 vezes o MP tentou cassar registros de candidaturas com base no mesmo argumento, porém o TSE entendeu em todas, que para gerar inelegibilidade a condenação teria que ter obrigatoriamente os três elementos “Ato doloso de improbidade administrativa” “dano ao erário” e “enriquecimento ilícito”, o Riva não se enquadra nisso, faltam elementos na condenação parca que sofreu!
    Aí vem o MP sabendo que isso não vai dar em nada e pede a impugnação do registro apenas para tentar bagunçar o pleito e enfraquecer a candidatura do Riva!
    Por que o MP não pediu o mesmo em relação ao Taques, que, sequer conseguiu juntar 50% dos delegados para a realização da convenção, permitiu votos por procuração, deixando assim a ata nula?
    Infelizmente vemos nosso MPE agindo como longa manus, se prezando ao papel de assecla do Pedro Taques!

    • - IP 201.57.87.66 - Responder

      ACORDA FELIPAO,,,,, O RIVA É INELEGIVEL, NÃO POR CULPA DO MPE E SIM POR CULPA DE SEUS PRÓPRIOS ATOS,,, O HOMEM TÁ CONDENADO POR IMPROBIDADE……………É ÍMPROBO, O QUE QUER DIZER QUE NÃO PODE E NEM DEVERIA SER GOVERNADOR DESTE ESTADO

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

dezessete − quatro =