TCE - NOVEMBRO 2

Prefeitura, em Mato Grosso, é território proibido para mulher? Com 141 municípios, MT elegeu apenas 15 prefeitas. Confira a análise do jornalista político Eduardo Gomes.

EDUARDO GOMES, no MT AQUI ON LINE

eduardogomes.ega@gmail.com

 

documentosMato Grosso tem 141 municípios e elegeu 15 apenas prefeitas (o equivalente a 10% das cidades). Houve encolhimento na direção feminina em quatro prefeituras. Parte desse desempenho se explica pela mudança de sigla. Quatro eleitas em 2012 trocaram seus partidos pelo PSDB do governador Pedro Taques, tentaram a reeleição e foram derrotadas.

Em Poconé Meire Adalto trocou o PT pelo PSDB. Seguiram o mesmo caminho e não se deram bem: Marilse Marques (PR), em Comodoro; Rosângela Nervis, a Rose (PMDB), em Cotriguaçu; e Mariledi Coelho (PDT), em Pedra Preta.

Nove partidos elegeram prefeitas.

O PSDB conquistou quatro prefeituras; o DEM, três, sendo a de Várzea Grande a mais importante conquistada por mulher; o PMDB elegeu duas; e PT, PV, PSB, PROS, PR e SD, uma cada.

O PSDB venceu a disputa em Planalto da Serra, o menor município administrado por mulher.

Entre as prefeitas duas por serem reeleitas ficaram fora do processo eleitoral, cinco desistiram de candidatura e 12 tentaram o segundo mandato.

Em Lambari D’Oeste, na faixa de fronteira, Maria Manea (PSD), e em Nova Nazaré, no Vale do Araguaia, Railda de Fátima Alves (PSD) cumprem o segundo mandato consecutivo.

documentosEnfrentando barreiras da Ficha Limpa,  Magali Amorim Vilela de Moraes (PSD), de General Carneiro, desistiu da disputa.

A prefeita Magali teve os direitos políticos suspensos por três anos pelo juiz da 2ª Vara Cível de Barra do Garças, Júlio César Molina Monteiro, numa ação que apurou supostas irregularidades na realização de um concurso público pela prefeitura.

Magali recorreu.

Em São José do Xingu, Raquel Campos Coelho (PSD); em Araguainha, Zezé do Osmari (PR); em Nova Bandeirantes, Solange Kreidloro, a Sol (PSD); e em Guarantã do Norte, Sandra Martins (PSB), não quiseram se candidatar, mas nenhuma enfrenta impedimento.

Marilse Marques, Rose, Mariledi Coelho e Meire Adalto; em Castanheira Mabel de Fátima Milanezi (PT); em Jauru, Enércia Monteiro (PSB); em Planalto da Serra, Angelina Pereira (PSDB); em Pontal do Araguaia, Divina Oda (PSD); em Poxoréu, Jane Sanchez Rocha (PSD); em Rondolândia, Bett Sabah (PMDB); em Sapezal, Ilma Grisoste (PSD); e em Várzea Grande, Lucimar Campos (DEM) tentaram o segundo mandato. Dessas 12 candidaturas somente três foram vitoriosas.

 

Reeleição

 

documentosEm Castanheira Mabel foi reeleita pelo PT que a elegeu em 2012.

Nessa eleição Mabel recebeu 2.690 votos ou 60,6%.

A maior votação individual em Mato Grosso foi a de Lucimar Campos, em Várzea Grande, com 95.634 votos ou 76,16%.

Lucimar chegou à prefeitura em 2015 – por decisão judicial – pela legenda do DEM ao qual continua filiada.

Lucimar declarou patrimônio de R$ 43,6 milhões.

A tucana Angelina foi reeleita com 885 votos ou 43,73%.

Em 2012 Angelina chegou à prefeitura de Planalto da Serra pelo PMDB.

Em 2015 Angelina esteve no centro de um furacão, acusada por vereadores de desviar recursos da Contribuição de Iluminação Pública (CIP) e de cometer outros crimes de improbidade administrativa.

Em dezembro a Câmara a afastou do cargo por 60 dias, atendendo sugestão de uma Comissão Processante composta pelos vereadores Alvino Pereira Siqueira (presidente), Isael Silva (relator) e Clodoaldo Germano dos Reis.

A prefeita costurou bem sua defesa, se segurou na prefeitura, mas no dia 15 de janeiro de 2016 a Câmara voltou a lhe dar bilhete azul, fundamentada nos mesmo argumentos do primeiro afastamento.

O juiz Murilo Moura Mesquita, de Chapada dos Guimarães, concedeu liminar parcial a Angelina, que continua com a chave da prefeitura na bolsa.

O fôlego ganho por Angelina se deve a supostas falhas nas decisões tomadas pela Câmara.

Agora, reeleita, o caso toma novo rumo.

 

Derrotas

 

documentosEm Comodoro a tucana Marilse recebeu 4.583 votos (45,51%) e Jeferson Cadeirante (DEM) venceu com 5.487 votos ou 54,49%.

Rose (PSDB) cravou 1.025 votos ou 25,75% em Cotriguaçu. Cotcharapa (PSB) foi eleito com 2.499 votos ou 62,74%.

Mariledi Coelho (PSDB) recebeu 4.290 votos ou 43,71% em Pedra Preta.

O vitorioso foi Ná (PMDB) com 4.621 votos ou 47,09%.

Enércia (PSB) foi derrotada em Jauru com 2.898 votos ou 47,46%.

A prefeita Enércia perdeu a eleição para o ex-prefeito e ex-presidente da Associação Mato-grossense dos Municípios (AMM), Pedro Ferreira (PSD) que recebeu 3.208 votos ou 52,54%.

Em 2012 Enércia foi eleita pelo PT.

Divina Oda (PSD) não conseguiu a reeleição em Pontal do Araguaia. Recebeu 1.724 votos ou 42,46%.

O eleito foi Gérson Rosa de Moraes (PSDB) com 1.736 votos ou 42,76%.

Em 2012 Divina foi eleita pelo PSB.

documentosCom 1.977 votos ou 27,97% Jane Maria Rocha (PSD) perdeu a disputa em Poxoréu para Nelson Paim (PDT) que recebeu 3.192 votos ou 44,71%.

Jane não trocou de partido desde que foi eleita em 2012.

Bett Sabah (PMDB) recebeu 1.021 votos ou 49,35% em Rondolândia. Ficou em segundo lugar na disputa.

Agnaldo Rodrigues de Carvalho (PP) conquistou a prefeitura com 1.048 votos ou 50,65%. A diferença entre os dois foi de 27 votos.

Em 2012 Bett era filiada ao PT.

Em Sapezal quatro disputaram a prefeitura. Em último lugar ficou a prefeita Ilma Grisoste, que recebeu 963 votos ou 9,98%. O vencedor foi Valcir Casagrande (PSC) com 5.211 votos ou 54,03%. Ilma foi eleita em 2012 pelo PSD e permaneceu naquele partido.

Em Poconé Meire Adalto (PSDB) conquistou 5.495 votos ou 32,56%. Tatá Amaral (PR) foi eleito com 6.393 votos ou 37,88%.

Em 2015 a Câmara Municipal de Poconé pediu que o governador Pedro Taques decretasse intervenção estadual no município alegando que a prefeita não tinha condições de administrar. O pedido, protocolado em maio, partiu da vereadora Ornella Falcão (PSD) e foi acompanhado pelos vereadores Edivânia de Almeida e Márcio Fernandes, os dois peemedebistas; Zé Corrêa e Manoel Messias, ambos do PSD; Guti Neto (PROS) e Gonçalo Beijo (DEM). O único contrário à intervenção foi Jorge Getúlio (PT). Em 10 de outubro, justificando que não havia amparo constitucional, Taques não atendeu aos vereadores e Meire continua administrando o município. Coincidentemente ou não Meire trocou o PT pelo PSDB de Taques.

 

12 novas prefeitas

 

documentosThelma de Oliveira (PSDB) venceu a eleição em Chapada dos Guimarães com 5.110 votos ou 44,64%.

Thelma é viúva do ex-governador Dante de Oliveira (PDT/PSDB).

Em Alto Paraguai a dentista Diane Vieira (PSDB) foi eleita com 2.699 votos ou 51,66%.

O pedido de registro de candidatura do prefeito Geraldo Ribeiro (PSDB) de Carlinda foi indeferido. Carmem Martines (DEM) recebeu 4.034 votos e venceu a disputa; a Justiça Eleitoral considera vitorioso com 100% da votação o candidato que disputa a eleição sozinho ou tendo adversário sub judice.

Em Cocalinho, na divisa com Goiás, a tucana Dalva Peres venceu a eleição com 2.122 votos ou 58,17%.

documentosA médica Eliane Lins da Silva (PV) venceu a eleição em Denise com 2.708 votos ou 61,73%.

Sandra Crozetta (PROS) com 3.491 votos ou 78,96% é a nova prefeita de Juruena.

Para o cargo, proporcionalmente Sandra foi a mais votada entre as mulheres.

Em Nova Brasilândia Mariuza Augusta de Oliveira, a Marilza (PMDB) venceu com 1.816 votos ou 63,5%.

A advogada Beatriz de Fátima Sueck, a Bia (PMDB) volta novamente a ser prefeita de Nova Monte Verde.

Bia recebeu 2.085 votos ou 50,92% e venceu Renato Zanella (PSDB) por 74 votos.

Renato cravou 2.011 votos ou 49,1%.

Numa disputa familiar em Nova Santa Helena, Terezinha Guedes Carrara (DEM) recebe 1.531 votos ou 54,89%.

Terezinha venceu Roque Carrara (PMDB) que alcançou 1.258 votos ou 45,11%.

Dois detalhes: Terezinha será a primeira prefeita daquele município que foi instalado em 1º de janeiro de 2001. Terezinha e Roque são cunhados. Ele foi prefeito em dois mandatos consecutivos (2001-08). Ela foi derrotada para prefeita na eleição anterior.

A advogada potiguar Janailza Taveira Leite (SD) venceu a eleição em São Félix do Araguaia com 2.908 votos ou 59,87%.

Janailza declarou patrimônio de R$ 2 milhões e será a primeira prefeita do município.

Luciane Bezerra (PSB) recebeu 8.808 votos ou 55,74% e será a primeira prefeita de Juara.

Seu adversário Pedro Cobo (PRB) conquistou 6.994 votos ou 44,26%.

Luciane foi deputada estadual pelo mesmo partido na legislatura anterior: é casada com o deputado estadual Oscar Bezerra (PSB), que também foi prefeito de Juara.

Em Sinop, o quarto maior município de Mato Grosso pela primeira vez uma mulher conquista a prefeitura.

A empresária Rosana Martinelli (PR) recebeu 23.981 votos ou 39,55%.

 

Município trágico

 

documentosEm 2012 a pecuarista goiana Patrícia Fernandes de Oliveira, a Patrícia Vilela (PMDB) foi eleita prefeita de Ribeirão Cascalheira com 2.519 votos (50,64%).

O vice de Patrícia foi o dentista nascido naquele município Reynaldo Fonseca Diniz (PSB).

O segundo colocado, com 2.455 votos (49,36%) foi o pecuarista paulista e prefeito Adario Carneiro Filho (PSD).

Em 28 de março de 2013 Patrícia morreu na colisão da caminhonete da prefeitura, na qual viajava de sua cidade para Goiânia; no acidente, na GO-060 no município de Arenópolis, também morreu seu marido Maurílio Vilela e uma ocupante do carro com o qual seu veículo colidiu.

Reynaldo assumia a prefeitura.

Em 11 de setembro de 2015 Adario foi assassinato a tiros na cidade, num crime típico de pistolagem.

Adario chegou à prefeitura em 2010 pelo DEM, numa eleição suplementar, na qual conquistou 60,21% dos votos.

Reynaldo trocou o PSB pelo PR, disputou novo mandato de prefeito e se manteve no cargo com 2.635 votos ou 55,77%.

O vice de Reynaldo é Gleison Oliveira da Silva, o Gleison do Potência (PSB), pecuarista goiano; Gleison declarou patrimônio de R$ 2,3 milhões.

Eduardo Gomes, jornalista e editor do MT Aqui

Eduardo Gomes, jornalista e editor do MT Aqui

Sem comentários. Seja o primeiro a comentar

Assinar feed dos Comentários

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

cinco × 2 =