POLÍTICA NA PÁGINA POLICIAL: Cidadãos de Nova Ubiratã surpreendidos com ação do Gaeco na cidade. Vereadores Reinaldo de Freitas (PSD) e José Itamar Marcondes (PROS) são presos durante operação “Pistolagem em Neve Branca” e acusados de chefiarem o tráfico de drogas na região e de corrupção de menor. O grupo é acusado ainda de articular a execução de um sargento e de um soldado da Polícia Militar que estavam coibindo o tráfico no município. A denúncia inclui, também, dois advogados que não estão presos, mas irão responder por coação no curso do processo

gaeco prende 2 vereadores em nova ubiratão mtDois vereadores do município de Nova Ubiratã foram presos na manhã desta quarta-feira (16) durante operação realizada pelo Ministério Público Estadual, por meio da Promotoria de Justiça do município e Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado. Além das prisões, também foram cumpridos mandados de busca e apreensão.

Foram presos os vereadores Reinaldo de Freitas, vulgo “Freitas”, e José Itamar Marcondes, vulgo “Itamar”. Os dois são acusados de chefiarem o tráfico de drogas em Nova Ubiratã. Os parlamentares foram encaminhados para o Centro de Ressocialização do município de Sorriso. O vereador “Itamar” também responderá por porte ilegal de armas. No momento da prisão, o Gaeco encontrou em seu poder um revólver calibre 38.

De acordo com o Ministério Público, além dos vereadores mais seis pessoas foram denunciadas e já estão presas. Elas são acusadas de tráfico de drogas, associação ao tráfico e corrupção de menor. A denúncia inclui, ainda, dois advogados que não estão presos, mas irão responder por coação no curso do processo, ameaça e oferecimento de vantagem indevida para alteração de depoimentos.

Consta na denúncia, que integrantes do grupo chegaram a oferecer uma quantia de R$ 15 mil para a execução de policiais militares que atuavam no caso. Os acusados, segundo o MPE, praticaram de forma reiterada os crimes de tráfico de drogas previstos no artigo 33 da Lei 11.343/06. Além da venda de entorpecente, eles adquiriram, preparam, transportaram, armazenaram e ofereceram o produto para consumo. A comercialização da droga, conforme o MPE, foi realizada, inclusive, dentro da Cadeia Pública de Nova Mutum e em uma escola da cidade de Nova Ubiratã.

Os entorpecentes, segundo o Ministério Público, eram adquiridos em Cuiabá e Sorriso e guardados em um depósito que funcionava dentro de estabelecimento comercial, na cidade de Nova Ubiratã. O local era utilizado como ponto de encontro dos traficantes que, sob o pretexto de cortar o cabelo, se reuniam para preparar e combinar a venda dos entorpecentes. Para isso, menores eram cooptados para fazer a distribuição.

As porções de droga, conforme o MPE, eram embaladas e preparadas em pequenas trouxas amarradas com fio dental e comercializadas a R$ 20,00, R$ 30,00 e R$ 50,00. Existia, ainda, a opção por porções maiores, denominadas “Caixa”, cujo valor era de R$ 200,00.

Conforme o Ministério Público, a quadrilha começou a ser desbaratada com a operação “Pistolagem em Neve Branca” realizada pela Polícia Judiciária Civil em parceria com a Polícia Militar. Foi constatado, durante as investigações, que a associação criminosa era chefiada pelos vereadores Reinaldo de Freitas, vulgo “Freitas”, e José Itamar Marcondes, vulgo “Itamar”. Além deles, também foram denunciados Geovane Melo Silva, Alessandro Almeida Miranda, Iago Vinícius de Santos Silva, Neimar Gilberto Sousa Rosa, Walter Djones Rapuano e Antonio Lenoar Martins.

————

Quadrilha alicia adolescentes e encomenda execução de PMs

 

Pelo menos, sete adolescentes foram aliciados pela quadrilha chefiada pelos vereadores Reinaldo de Freitas e José Itamar Marcondes, presos na manhã desta quarta-feira em Nova Ubiratã, a venderem drogas dentro da Escola 19 de dezembro. Segundo o Ministério Público, vários jovens foram induzidos pela quadrilha a consumir drogas. O grupo é acusado ainda de articular a execução de um sargento e de um soldado da Polícia Militar que estavam coibindo o tráfico no município.

 

De acordo com informações da Promotoria de Justiça de Nova Ubiratã e do Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado (Gaeco), os financiadores da quadrilha chegaram a ofertar quantia de R$ 15 mil para a execução dos dois policiais. Os crimes somente não foram concretizados porque uma das pessoas cooptadas não aceitou a proposta.

 

Além dos dois vereadores, mas seis pessoas foram denunciadas. Elas são acusadas de tráfico de drogas, associação ao tráfico e corrupção de menor. A denúncia inclui, ainda, mais dois advogados que não estão presos, mas irão responder por coação no curso do processo, ameaça e oferecimento de vantagem indevida para testemunhas.

 

Os entorpecentes, segundo o Ministério Público, eram adquiridos em Cuiabá e Sorriso e guardados em um depósito que funcionava dentro de estabelecimento comercial, na cidade de Nova Ubiratã. O local era utilizado como ponto de encontro dos traficantes que, sob o pretexto de cortar o cabelo, se reuniam para preparar e combinar a venda dos entorpecentes. Para isso, menores eram cooptados para fazer a distribuição.

 

As porções de droga, conforme o MPE, eram embaladas e preparadas em pequenas trouxas amarradas com fio dental e comercializadas a R$ 20,00, R$ 30,00 e R$ 50,00. Existia, ainda, a opção por porções maiores, denominadas “Caixa”, cujo valor era de R$ 200,00.

 

Conforme o Ministério Público, a quadrilha começou a ser desmantelada com a operação “Pistolagem em Neve Branca” realizada pela Polícia Judiciária Civil em parceria com a Polícia Militar. Foi constatado, durante as investigações, que a associação criminosa era chefiada pelos vereadores Reinaldo de Freitas, vulgo “Freitas”, e José Itamar Marcondes, vulgo “Itamar”. Além deles, também foram denunciados Geovane Melo Silva, Alessandro Almeida Miranda, Iago Vinícius de Santos Silva, Neimar Gilberto Sousa Rosa, Walter Djones Rapuano e Antonio Lenoar Martins.

 
FONTE MINISTÉRIO PÚBLICO DE MATO GROSSO

Sem comentários. Seja o primeiro a comentar

Assinar feed dos Comentários

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

quatro × quatro =