Pedro Taques dá uma dentro e defende Constituinte

Taques defende constituinte exclusiva

Moreira Mariz: Em discurso na tribuna do Senado, senador Pedro Taques (PDT-MT)Senador Pedro Taques (PDT-MT) sugeriu inclusive a possibilidade de participação, na constituinte exclusiva para a reforma política, de cidadãos não filiados a partidos políticos; de acordo com ele, os partidos políticos não representam mais entidades intermediárias entre o cidadão e o governo

 

Agência Senado – O senador Pedro Taques (PDT-MT) defendeu a realização da reforma política por uma constituinte exclusiva. Para ele, o atual Congresso não tem mais credibilidade para votar essa matéria.

Em pronunciamento nesta segunda-feira (24), Pedro Taques (PDT-MT) questionou se a reforma, feita pelo atual Congresso, não implicaria em “um retrocesso nas garantias do exercício democrático”.

– Será que todos os interesses são republicanos? Ou nós acreditamos ainda que coelho da páscoa bota ovo de chocolate? Os interesses aqui podem ser outros, por isso defendo a reforma política por meio de uma constituinte exclusiva para tratar deste tema – afirmou o senador, propondo ainda que os constituintes que votem a reforma sejam submetidos a uma quarentena, de quatro ou oito anos, durante a qual serão impedidos de exercerem outro cargo eletivo.

Pedro Taques sugeriu também a possibilidade de participação, na constituinte exclusiva para a reforma política, de cidadãos não filiados a partidos políticos. De acordo com ele, os partidos políticos não representam mais entidades intermediárias entre o cidadão e o governo.

– Hoje vivemos um novo país. Não é mais o mesmo da semana passada. O cidadão tem outras demandas, quer outras coisas. Não nos veem mais como seus representantes, isso é fato – disse.

O parlamentar criticou os pronunciamentos da presidente Dilma Rousseff feitos nesta segunda-feira e na última sexta-feira (21). O discurso da semana passada, para Pedro Taques, foi “fraquíssimo”. A desta segunda-feira “não trouxe nada de novo”, de acordo com o senador. Ele lembrou que há no Congresso vários projetos tratando das propostas apresentadas pela presidente, como a transformação da corrupção em crime hediondo e a própria reforma política. Mas afirmou que, mesmo o governo tendo “a maior base da história universal”, nenhum deles foi aprovado, por falta da chamada “vontade política”.

O discurso de Pedro Taques teve um aparte do senador Cristovam Buarque (PDT-DF).

2 Comentários

Assinar feed dos Comentários

  1. - IP 189.44.66.2 - Responder

    Constituinte já – para reforma politica, reforma tributária, etc

  2. - IP 177.64.233.177 - Responder

    Boa hora de impedir que ratos entrem no congresso..ou ao menos dificultar a safadeza e prostituição politica, com todo respeito as meretrizes, a maioria das pessoas sãs e honestas quer ver desde o trabalhador correto até o mais humilde dos cidadãos sendos amparados pelo poder instituido, pelas ações da presidenta Dilma..o foda que quando alguns querem mexer na caixa de marimbondo aparece um monte de reacionario soltando fogo pela venta..bando de atrasado..

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

3 × 2 =