gonçalves cordeiro

PEDRO DORILEO: Tônia Carrero no palco da UFMT

Tonia

Tônia Carrero no palco da UFMT

Benedito Pedro Dorileo

O sentido da beleza independe do desejo, como contemplação pura da arte. No teatro, o ator assume o comportamento humano em sua magnificência, generosidade, grosseria, indignidade, vulgaridade e maldade – exprime o caráter do ser em sociedade. Platão sustenta uma existência autônoma da beleza, distinta do suporte físico, tal como a feiura externa e beleza interior.
A UFMT, em 1972, foi questionada pelo MEC do porquê criar um Departamento de Artes, já que não possuía um só curso na área. Difícil, todavia, explicado. Estava germinando a extensão. A ‘universitas’, essencialmente, prevalecia. Do espernear para consertar os cursos preexistentes, adaptar-se às circunstâncias históricas para não perder a oportunidade de legar uma Instituição superior fincada no cerrado cuiabano, onde há pouco prevalecia ‘a dor e o ranger de dentes’, diante do esquecimento do Centro-Oeste brasileiro.
Os três antigos colegas salesianos, Gabriel, Dorileo e Attílio, liderados pelo primeiro, tiveram coragem e contaram com o apoio dos companheiros professores e técnicos fundadores, e fizeram. Continuar é obrigação.
Da Arte praticada, com a primeira chefia de Marília Beatriz, chegou-se, em 1982, com o Teatro Universitário. O Estado não possuía uma sala de espetáculo na concepção hodierna, com os requisitos que a tecnologia oferece. Aplauso a Júlio Müller que, neste sertão bravio, deu-nos o Cineteatro na década de 1940, quando o nosso meio de comunicação era o Rio Cuiabá e o telegrama de Rondon.
Se o italiano Aldo Calvo, o homem reformador do teatro de Milão, após a segunda grande guerra, foi convocado, ou se o polonês Igor Sresnewski também veio definir a acústica, tivemos gente nossa como Fernando Pace que, além de atuar na parte interna, criou o museu dos tachos de cobre do Rio-abaixo, trazendo exemplares de tamanhos diversos – peças que carregam a história da industrialização da cana, com vanguardismo e dor da escravidão – devem ser juntados, novamente, no foyer para que todos sintam e pesquisem. A jovem UFMT recebeu pela vez primeira todos os reitores das Universidades Brasileiras, compondo o Conselho – que foi responsável pela Reforma Universitária de 1968 – que extinguiu, corajosamente, a cátedra para democratizar o ensino superior com o Departamento. O Conselho de Reitores das Universidades Brasileiras, nestes tempos, foi relegado pelas universidades públicas, sob o impulso da República disposta, intensamente, à multiplicação de sindicatos.
Tínhamos a XXIV reunião em Cuiabá. No palco, o reitor Gabriel e Tônia Carrero inauguraram, no dia 26 de janeiro de 1982, o Teatro Universitário, com a presença do Ministro de Educação Ruben Ludwig. A primeira dama do teatro brasileiro Fernanda Montenegro declinou da honraria para indicar a beleza de Maria Antonieta de Farias Portocarrero, nascida na antiga capital federal. Estava lá a autora da obra O Monstro de Olhos Azuis. O colunista da Folha de São Paulo, Ruy Castro asseverou: ‘Tônia Carrero era maior que a vida’, dado o seu passamento neste mês de março, no dia 3, com 95 anos de idade. Foi ícone do teatro, com brilho, ainda, na televisão e no cinema. O derradeiro papel, em ‘ Um barco para o sonho’, peça dirigida pelo neto Carlos Thiré; e no cinema, em ‘ Chega de Saudade’, de Laís Bodanzky, em 2007.
Segue logo a estreia, em 8 de fevereiro seguinte, com apresentação da peça de Mário de Andrade, Macunaíma, homenageando o ator e o autor brasileiros. Sob direção de Antunes Filho, foram 4 dias de apresentação. Em dado momento apenas, o talco revestia o corpo nu. Resplandecia o lado plástico da peça, personagens e luzes. A grande imprensa brasileira fez o registro.
Antes, João Felício dos Santos, autor de Xica da Silva, visitando o campus em obra inaugural, exclamou, e produziu página inteira em Jornal de Minas, afirmando: ‘ a coisa de bom que o MEC apoiava, estava em Coxipó da Ponte, em Cuiabá’.
Incorporou o Teatro Universitário no objetivo dos fundadores, em estender o quanto possível o conhecimento de maneira imediata para o povo. A Extensão foi cogitada intensamente, em meio ao ferro e cimento, ensino e pesquisa audaciosa do Projeto Aripuanã. Em 1976, a UFMT, em Seminário no Rio de Janeiro, aprovava o Manual de Extensão da UFMT para todas as Universidades, com Maria Manuela na coordenação. Curso e serviço devem ser levados o quanto possível para a sociedade. A Universidade é antes de academia uma Agência do Desenvolvimento. Temos docentes e técnicos em nível de excelência que introduzirão os estudantes nesta filosofia do servir, já – principalmente, nestes tempos em que a corrupção corroeu as finanças e alma dos brasileiros.

 

Benedito Pedro Dorileo
é advogado e foi reitor da UFMT

Sem comentários. Seja o primeiro a comentar

Assinar feed dos Comentários

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

um × dois =