PREFEITURA SANEAMENTO

PAULO LEMOS: Particularmente, estou convicto que Mato Grosso está na mais profunda crise de suas instituições, todas praticamente. E seria razoável que todas as autoridades citadas na Operação Ararath, da Polícia Federal, se afastassem do seus cargos, para responder às graves acusações que pesam sobre elas, até o esclarecimento de tudo.

Juiz Jefferson Schneider recebe denuncia contra Éder Morais, Vivaldo et alli by Enock Cavalcanti

Juiz Jefferson Schneider acaba com sigilo no inquérito da Operação Ararath by Enock Cavalcanti

Paulo Lemos tem atuado como Ouvidor da Defensoria Pública de Mato Grosso

Paulo Lemos tem atuado como Ouvidor da Defensoria Pública de Mato Grosso

Causa e/ou candidatura?

POR PAULO LEMOS

 

 

Eu tenho recebido algumas manifestações de apoio e outras de crítica, a respeito da participação nos movimentos que pedem a cassação do deputado José Riva e do prefeito Mauro Mendes.

Sim, na sexta-feira passada, participei cedo do ato do fora Mauro e de tarde do fora Riva.

São duas lutas difíceis, de “Davis” contra “Golias”, contra duas estruturas pesadas de poder, a Prefeitura de Cuiabá e a Assembléia Legislativa do Estado de Mato Grosso. Assumindo todos os riscos, que não são poucos.

Para os que apóiam, digo: muito obrigado!

Porém, igualmente digo: estou apenas cumprindo meu dever de cidadão e cristão, e não mereço nenhum mérito ou reconhecimento por isso.

A quem critica, dizendo que há personificação ou autopromoção, eu digo: respeito sua opinião!

Porém, também digo: faço lutas populares desde os tempos da faculdade, no movimento estudantil, contra aumentos abusivos de mensalidades e a favor da inclusão e assistência-universitária dos nossos jovens, bem como pela meia-entrada e o passe-livre estudantil; passando pelo movimento de juventude, ajudando a promover a implantação do sistema público de juventude em Mato Grosso; depois pela advocacia popular, enfrentando esquema de compra e venda de sentença no TRE/MT e defendendo a aplicação da Lei do Ficha-Limpa, ainda em 2010; depois na Defensoria Pública, enfrentando um esquema de corrupção que havia se instaurado dentro da Instituição, assim como defendendo a reabertura dos núcleos fechados no interior; e, por fim, enquanto cidadão cuiabano, enfrentando o aumento da tarifa de ônibus, mediante planilha superfaturada, a colocação de super-postes no bairro Santa Amália, o despejo de centenas de famílias, na comunidade do Nova Canaã, a eleição irregular do ouvidor de Cuiabá e, agora, o caos na saúde pública e os fortes indícios de desvio de recursos públicos para quitar uma divida particular contraída com agiota.

Para mim, a causa está muito acima de uma eventual candidatura, ainda não confirmada, ou de qualquer interesse secundário.

A candidatura simplesmente seria mais uma forma de servir, assim como fiz na qualidade de Diretor da União Nacional de Estudantes; de integrante pela sociedade civil do Comitê Interinstitucional de Juventude do Estado de Mato Grosso; pela Comissão de Direito Eleitoral da OAB; pela Ouvidoria-Geral da Defensoria Pública do Estado de Mato Grosso; pela Presidência do Colégio de Ouvidorias das Defensorias Públicas do Brasil; e, hoje, pela Rede Nacional de Advogados Populares.

E se eu precisar renunciar a candidatura, para continuar defendendo a causa popular, pode ter certeza, não pensarei sequer meia vez, fico com a causa popular e com a minha consciência tranqüila.

No entanto, se a base popular entender que devo assumir mais esse desafio em minha vida, com todo sacrifício pessoal decorrente dessa decisão, também não me furtarei.

Contudo, independente do meu presente e futuro, o importante é que todos venham para a rua também, passar o Mato Grosso e o Brasil a limpo, sim!

Aquele que também encabeçar uma luta justa, eu serei o primeiro à aplaudir.

Particularmente, estou convicto que Mato Grosso está na mais profunda crise de suas instituições, todas praticamente. E seria razoável que todas as autoridades citadas na Operação Ararath, da Polícia Federal, se afastassem do seus cargos, para responder às graves acusações que pesam sobre elas, até o esclarecimento de tudo. Penso que isso seria menos traumático para todos e mais palatável para a cidadania. Assim, os titulares dos cargos públicos atuais, demonstrariam despreendimento e bom-senso.

Se todos fizessem sua parte, teríamos um mundo bem melhor, mais justo e solidário.

Entretanto, a mudança que queremos no mundo, precisa começar em nós, não com discursos, mas, sim, com atitudes!

É pelo fruto que se conhece a árvore.

 
Paulo Lemos é advogado popular.

2 Comentários

Assinar feed dos Comentários

  1. - IP 191.179.143.226 - Responder

    Isso deve ser piada… só pode… fora mauro e fora riva é fácil…se esse pmedebista de carteirinha gritar fora Silval eu voto nele…agora vem com esse papinho de “todos” citados….Ora, ora…fala do deputado, do prefeito e preserva o Governador e o Senador Blairo…acha que o povo é besta

  2. - IP 177.193.133.96 - Responder

    esse advogado precisa ficar mais atento. o pmdb de mato grosso, realmente, é um partido que não dá pra confiar muito.

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

dezesseis + 1 =