Para o advogado RENATO GOMES NERY, ex-presidente da OAB-MT, eleição que consagrou Leonardo Campos como presidente foi um EMBUSTE. “Esperamos que o Conselho Federal da OAB dê o exemplo para o Brasil – e ao confirmar os fatos que levaram a cassação à chapa vencedora na eleição da Ordem em Mato Grosso – faça prevalecer a lei, a ética e os bons costumes, pois os bons exemplos estão raros no nosso Brasil Varonil”

Sem citar nomes, Renato Gomes Nery, que já presidiu a OAB em Mato Grosso, acredita na impugnação do resultado da recente eleição para o comando da Ordem em nosso Estado

Sem citar nomes em seu artigo, Renato Gomes Nery, que já presidiu a OAB em Mato Grosso, acredita na impugnação do resultado da recente eleição para o comando da Ordem em nosso Estado

EMBUSTE (Eleições OAB/MT)

Por Renato Gomes Nery

 

Segundo Francisco Fernandes e Celso Pedro Luft, no  Dicionário de Sinônimo e Antônimos da Língua Portuguesa, Editora Globo 1.982,   a palavra EMBUSTE significa: mentira, patranha, ardil, cilada, embaimento, engano, impostura, logro, velhacaria, manha, peta. É a força das palavras ao enquadrar o fato.

 

Este Brasil brasileiro é certamente um embuste, pois o que não falta é embusteiro. É um tal de fazer e esconder a mão. De falar e negar. De furtar e  roubar e em seguida negar enfaticamente. E de enforcar o mensageiro que deu a notícia ou que retratou os fatos. São fatos inegáveis: o dia é claro e a noite é escura. Mas….Porém….. Entretanto….. Se observarmos bem se verá que o dia não é tão claro que a noite não é tão escura…… Isto se  chama embuste. E quem faz isto é trapaceiro, impostor, velhaco, mentiroso e tratante.

 

O Brasil despencou ladeira abaixo. A culpa não é daqueles que se tornaram indignos dos cargos que ocupam!!! Deve ser certamente de Deus que criou o Brasil tão desastrado que se move pela lei da inércia.

 

Aqui no Estado do Mato Grosso, a chapa vencedora das eleições na OAB/MT é acusada de se valer de uma série de mal feitos para ganhar as eleições: utilização da Instituição para favorecer simpatizantes lhes remetendo dinheiro em prazo defeso anterior as eleições.  Apossar-se de domínio do nome de outros candidatos, impedindo que eles utilizassem de seus nomes de denominação para fazerem campanha. Fazer acintosa “boca de urna”.  De utilizar de feitos inexistentes em interesses próprios.

 

Após ter sido cassado o registro pela Comissão Eleitoral, a chapa vencedora foi favorecida por liminar judicial que lhe permitiu concorrer e vencer o pleito. E agora se jura de pés juntos que nada do que levou a sua cassação existiu e se existiu, a sua vitória com razoável margem de votos, lhe dá respaldo para não ser cassado o seu registro, pois tem que valer a vontade popular.  Ao se defender tal estultice se esquecem propositadamente que a impugnação e o julgamento da chapa pela suposta utilização de meios fraudulentos  é  anterior as eleições. A vitória não se convalida e nem se compadece com quaisquer patifarias, sejam elas de pequeno ou de grande poder ofensivo. Óleo de peroba deve andar escasso.

 

Tudo isto está agora sob os auspícios do Conselho Federal da Ordem, através de regular recurso administrativo, que deve manter ou reformar a cassação. Esperamos que o referido Conselho dê o exemplo para o Brasil – e ao confirmar os fatos que levaram a cassação – faça prevalecer a lei, a ética e os bons costumes, pois os bons exemplos estão raros no nosso Brasil Varonil. E que a OAB continue a demonstrar para a sociedade brasileira que ela está a altura das funções e competências legais que tem na defesa de um Brasil melhor. A Instituição é exemplo para todo o Brasil e não pode permitir que nos seu seio vicejem ervas daninhas.

 

Renato Gomes Nery é advogado em Cuiabá e ex-presidente da OAB/MT.

Email – rgnery@terra.com.br

Sem comentários. Seja o primeiro a comentar

Assinar feed dos Comentários

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

5 × 1 =