Depois de eleger Pedro Taques governador e Carlos Fávaro vice, barões do agronegócio agora querem Tomcyk no Tribunal de Contas de Mato Grosso

Arquivo/MTAQUI

Eduardo Gomes

DA EDITORIA – MT AQUI

 

Principal atividade econômica de Mato Grosso, o agronegócio ocupa considerável fatia política nos municípios, na Assembleia Legislativa e no governo. Para ampliar sua representação e criar blindagem aos seus integrantes no Tribunal de Contas do Estado (TCE), esse segmento econômico quer dobrar sua presença naquele órgão técnico, também chamado de Corte de Contas. Para tanto, costura a nomeação de Ricardo Tomcyz para a vaga de conselheiro aberta com a atípica aposentaria de Humberto Bosaipo.

A costura por Tomczyk começou entre produtores rurais de Rondonópolis, no ano passado, mas foi mantida silenciosa. Em janeiro o assunto foi retomado nas esferas do agronegócio e política. Na edição de sexta-feira (3) o Jornal Diário de Cuiabá publicou nota sobre o tema, na coluna Cuiabá Urgente. À noite, o site Folhamax. da capital, repercutiu a nota sem citar a fonte, mas teve o cuidado de acrescentar ao término da mesma o nome do vice-governador Carlos Favaro (PDT) entre os padrinhos de Tomczyk (Leiam ambas ao término deste material).

Tomczyk planta em Rondonópolis, é advogado, milita na esfera sindical e preside a Associação dos Produtores de Soja e Milho de Mato Grosso (Aprosoja). Em 2006, quando do movimento “Grito do Ipiranga”, foi um dos principais coordenadores daquele protesto: à época ele organizou o bloqueio no trevo das rodovias federais 163 e 364 defronte o quartel do 18º Grupo de Artilharia de Campanha (18º GAC), em Rondonópolis.

Na campanha eleitoral do ano passado Tomczyk foi um dos principais coordenadores das candidaturas de Rogério Salles (PSDB) ao Senado e de Adilton Sachetti (PSB) a deputado federal. Sua militância no grupo de Salles e Sachetti, que era liderado pelo candidato e vencedor da disputa ao governo, Pedro Taques (PDT), o aproximou do senador republicano Blairo Maggi (PR); Blairo foi guru de Sachetti e apostou todas as fichas em Pedro Taques.

NOVO SITE

 

Rui Prado foi descartado por sua proximidade com José Riva

FOTO: Arquivo/MTAQUI

 

 

 

Independentemente do posicionamento do agronegócio em Rondonópolis, o peso político do segmento voltava suas baterias em defesa do nome do presidente da Federação da Agricultura e Pecuária (Famato) Rui Prado, para o TCE. Porém, Prado é filiado e membro da Comissão Provisória do PSD de Mato Grosso e assumiu a candidatura do então presidente da Assembleia, José Riva (PSD) ao governo; além disso, entrou na disputa ao Senado. Ao se lançar nos braços políticos de Riva, Prado foi defenestrado.

Com o nome de Prado descartado o agronegócio chegou a cogitar a costura para Neri Geller (PMDB), que era ministro da Agricultura. Neri, no entanto, caiu em desgraça em novembro de 2014, com a Operação Terra Prometida, da Polícia Federal, que botou seus irmãos Milton e Odair na cadeia: Milton foi prefeito de Tapurah. Sobre Neri pesa acusação de envolvimento com a venda criminosa e a utilização de lotes da reforma agrária em Ipiranga do Norte, município cuja balbúrdia fundiária resultou em Terra Prometida.

Livre de Prado e de Neri, Tomczyk disputa sozinho uma corrida que oficialmente não existe, mas poderá leva-lo ao TCE, onde sua presença dobraria a representação do agronegócio em plenário, ora restrita ao presidente daquele órgão de contas, conselheiro Valdir Teis.

A nomeação de Teis para o cargo aconteceu em 14 de dezembro de 2007. Oficialmente sua indicação foi da Assembleia. Mas todos sabem que quem o botou lá foi Blairo, do qual foi contador no Grupo André Maggi e secretário de governo.

Dificuldade para a sacramentação de seu nome Tomczyk não terá. No Paiaguás tem ao seu lado o governador e o vice Carlos Favaro. Na Assembleia, com perfil ruralista, não faltarão votos suprapartidários. Nos municípios o agronegócio é o principal dono do poder. Para comprovar a força desse segmento nas prefeituras basta ler a amostragem abaixo de sua presença nos cargos de prefeito e vice; isso sem falar nas Câmaras Municipais.

Resumo: Tomczyk disputa sozinho uma corrida. Teria que ser muito azarão pra chegar em segundo lugar.

Prefeitos do agronegócio

Sorriso: Dilceu Rossato (PR)  e o vice Ederson Dal Molin, o Chuchu (PDT)

Primavera do Leste: Érico Piana (DEM)

Paranaíta: Antônio Rufatto (PMDB)

Juara: Édson Piovesan (PPS)

Ipiranga do Norte: Pedro Ferronatto (PTB)

Nova Mutum: Adriano Pivetta (PDT)

Santo Antônio do Leste: Miguel Brunetta (PDT)

Canarana: Evaldo Diehl (PSD)

Vera: Nilson Vigolo (PP)

Glória D’Oeste: Nilton Borgato (PP)

Alto Garças: Júnior Pitucha (PR)

Santa Carmem: Alessandro Nicoli (PSD)

Terra Nova do Norte: Milton Toniazzo (DEM)

Porto dos Gaúchos: Moacir Piovesan (PSB)

Confresa: Gaspar Lazari (PSD)

Itiquira: Humberto Bortolini (PR) , que é irmão do deputado estadual ruralista e seu correligionário Ondanir Bortolini, o Nininho

São José do Xingu: Raquel Campos Coelho (PSD)

Barra do Bugres: Júlio Florindo (PSD); Barra do Garças: Roberto Farias (PSD)

Guiratinga: Hélio Goulart (DEM)

Lucas do Rio Verde: Otaviano Pivetta (PDT) e o vice-prefeito Miguel Vaz (PPS)

Nova Bandeirantes: Solange Kreidloro (PSD)

Juína: Hermes Bergamim (PMDB)

Nortelândia: Neurilan Fraga (PSD), que preside a Associação Mato-grossense dos Municípios (AMM); Neurilan é irmão do deputado estadual ruralista e seu correligionário José Domingos Fraga.

Rondonópolis: Percival Muniz (PPS) e o vice-prefeito Rogério Salles (PSDB)

Matupá: Valter Mioto (PMDB)

Paranatinga: Vilson Pires (PRP)

Marcelândia:¨Arnóbio Andrade (PSD)

Poxoréu: Jane Maria Sanchez (PSD)

Santo Afonso: Venceslau Botelho (PR)

Nova Olímpia: Cristóvão Masson (PP)

Nobres: Sebastião Gilmar (PSD)

Cáceres: Francis Maris (PMDB)

Água Boa: Mauro Rosa (PPS) e o vice-prefeito Lirio Magggioni (DEM)

Aripuanã: Ednilson Faitta (PMDB)

Juruena: Cicílio Neto (PMDB)

São Félix do Araguaia – José Antonio de Almeida (BAÚ)/PPS

Campo Verde – Fábio Schroeter (PTB)

Juscimeira – Chiquinho do Posto (PSD)

Campos de Júlio – Dirceu Martins Comiran (PSD) e o vice Dorildo Neves de Moura (DEM)

Tapurah – Luiz Eickhoff (PDT)

São José do Rio Claro: Natanael Casavechia (DEM)

Mirassol D’Oeste: Elias Leal (PSD)

Indiavaí: Valteir Quirino (PR)

Jauru: Enércia Monteiro (PT)

Barra do Garças: Roberto Farias (PSD)

Serra Nova Dourada: Edson Ogatha, o Japonês (PSD)

 

NOTA DO DIÁRIO DE CUIABÁ

Na moita

Ricardo Tomczyk, da Aprosoja, é o nome mais cotado na cúpula do agronegócio para a vaga de conselheiro do TCE, que pertenceu a Humberto Bosaipo. Tomczyk além de empresário rural é advogado e tem bons padrinhos

MESMA NOTA REPRODUZIDA NO FOLHAMAX

ABSURDO EM MT
Presidente da Aprosoja articula vaga no TCE

Da Redação
Ricardo Tomczyk, da Aprosoja, é o nome mais cotado na cúpula do agronegócio para a vaga de conselheiro do Tribunal de Contas do Estado, que pertenceu a Humberto Bosaipo. Tomczyk além de empresário rural é advogado e tem bons padrinhoS, como por exemplo o vice-governador Carlos Fávaro.
Na moita

Ricardo Tomczyk, da Aprosoja, é o nome mais cotado na cúpula do agronegócio para a vaga de conselheiro do TCE, que pertenceu a Humberto Bosaipo. Tomczyk além de empresário rural é advogado e tem bons padrinhos

1 Comentário

Assinar feed dos Comentários

  1. - IP 189.11.246.198 - Responder

    E Mato Grosso segue sendo envenenado. São toneladas de substâncias jogadas nos rios e solo. Quem pagará essa conta?

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

cinco + 8 =