CUBANOS ESTÃO CHEGANDO : Prefeitura adere ao Mais Médicos

CUBANOS MAIS MÉDICOSSAÚDE

Mais de um ano depois, Cuiabá adere ao programa federal Mais Médicos

Prefeitura de Cuiabá solicitou sete vagas para profissionais na capital. No total, 61 médicos foram solicitados para atuar em todo o estado.

RENE DIOZ
Do G1 MT
Cuiabá deixou de ser a única capital do país fora do programa Mais Médicos, do governo federal. Mais de um ano depois do lançamento do programa pela presidente Dilma Rousseff (PT), em julho de 2013, a Prefeitura aderiu ao programa. Inicialmente foram solicitadas pela administração municipal sete vagas para profissionais estrangeiros que devem atuar na rede de atenção básica.
Além de Cuiabá, outros municípios também encaminharam solicitações de médicos ao Ministério da Saúde por meio do mesmo programa. No total, 61 profissionais foram solicitados para atuar em Mato Grosso.
O secretário municipal de saúde, Ary Soares Júnior, disse que o trabalho dos primeiros profissionais será avaliado e, uma vez que o resultado seja satisfatório, novas vagas serão abertas em Cuiabá. “Sete profissionais já se inscreveram para trabalhar em Cuiabá e acredito que, em breve, teremos 15 vagas preenchidas”, afirmou o secretário.
Segundo o coordenador do programa Mais Médicos em Cuiabá, Hisseni Feguri, as vagas são preenchidas de acordo com a vulnerabilidade de cada cidade.
“As vagas são disponibilizadas em zonas mais frágeis, localidades onde não há médicos. São locais mais carentes, como o Bairro Pedra 90, as proximidades de zonas rurais no entorno de Cuiabá”, disse.

Juntamente com a capital, outros 34 municípios e um distrito indígena do estado devem receber profissionais do programa na mesma lev a. Várzea Grande, na região metropolitana, contará com três médicos do programa.
Feguri explicou ao G1, que as vagas disponibilizadas para Cuiabá também poderão ser preenchidas por novos profissionais de medicina participantes do Programa de Valorização dos Profissionais na Atenção Básica (Provab). Eles ainda devem passar pelo processo de residência médica.
O objetivo é incentivar profissionais a atuarem na atenção básica de regiões carentes mediante a concessão de bônus de 10% na pontuação das provas de residência médica. “As vagas serão mistas entre esses dois tipos de profissionais: do Provab e do Mais Médicos”, explicou o coordenador.
A partir de fevereiro, os médicos selecionados pelo sistema, segundo critérios estabelecidos pelo Ministério da Saúde, devem ser alocados nos municípios para o qual se inscreveram.

 

 

—–

ENTENDA O CASO

Mais Médicos zera
mortalidade infantil no Piauí

Médicos do Sírio Libanês vão cortar os pulsos em frente à Globo.

POR PAULO HENRIQUE AMOROM/CONVERSA AFIADA

O Conversa Afiada reproduz matéria do portal Meio Norte:

PROGRAMA ‘MAIS MÉDICOS’ ZERA A MORTALIDADE INFANTIL EM MUNICÍPIOS DO PIAUÍ

 

Os médicos cubanos Olívia Rodriguez Gonzalez e Omar Diaz, professores da Universidade Che Guerava, em sua cidade natal, Pina del Rio, em Cuba, estão trabalhando há um ano no do Posto de Saúde de Barras, na região Norte de Piauí, e sorriem quando falam da conquista em vida que obtiveram no trabalho da atenção básica.

“Há um ano não registramos nenhuma morte de criança e de gestante. Estamos sem mortalidade materna e infantil”, afirmam Olívia Rodriguez Gonzalez e Omar Diaz, no Posto de Saúde de Barras, atuando no Programa Mais Médicos, do Governo Federal.

Esta realidade de redução com a capacidade de zerar a mortalidade infantil e materna se espalhou nos municípios onde o Programa Mais Médicos foi implantando para oferecer atenção básica de saúde onde era difícil a permanência de médicos ou de número suficientes de médicos brasileiros para atender a população.

“Tem sido uma experiência muito boa. Encontramos uma comunidade muito carente, mas acolhedora, pessoas muito sensíveis, muito boas e necessitadas”, relata Olívia Rodriguez.

Segundo ela, as doenças mais frequentes são doenças respiratórias, doenças parasitárias, hipertensão, diabetes. Olívia Rodriguez e Omar Diaz fazem visitas domiciliares aos pacientes de Barras, que são programas e os pacientes atendidos são pessoas que não podem ir ao posto de saúde. São crianças com hidrocefalia, puérperas (mulheres que tiveram bebês recentemente), gestantes, hipertensos e idosos.

“Nós não temos mortalidade infantil, nem mortalidade materna. Temos registros de crianças e mães doentes, mas nenhuma chegou a óbito”, enfatiza Olívia Rodriguez, de tem 30 anos trabalhando como médica. “Isso é uma vitória”, comemora Omar Diaz.

Olívia Rodriguez e Omar Diaz afirmam que trabalhar é diferente de onde trabalharam antes com atenção básica na Venezuela, Paraguai e Paquistão, que não tinham uma rede constituída de atenção primária. “Na Venezuela não tínhamos nada, tudo era precária.

No Paraguai igual, não tinha rede implantada. No Brasil, nós temos uma rede de atenção básica de saúde, não temos médicos, mas temos uma rede criada. Nos outros países foram nós que criamos a rede de atenção primária”, falou Olívia Rodriguez.

Omar Diaz, 23 anos de formado em Medicina, sendo que oito anos trabalhando na Venezuela, avalia como muito boa a sua experiência de um ano em Barras.

“Temos encontrado uma população muito necessitada de atenção médica e todos são muito receptivos porque a população é muito receptiva com os médicos cubanos, fica muito contente com o nosso trabalho, muito compreensiva porque nós estamos ajudando a melhorar a saúde dessa população que estava carente de atenção”, falou Omar Diaz, que encontra crianças com baixo peso e desnutrição, mas não com desnutrição extrema.

ABRAÇOS E ATENÇÃO AJUDAM NA CURA DOS PACIENTES

Omar Diaz percebeu que muitos pacientes ficam curados mais rápido com um abraço, um cuidado mais afetuoso e fraterno. As pessoas ficam muito agradecidas.

Omar Diaz afirma que quando estão fazendo visitas domiciliares, os pacientes dizem que nunca um médico foram em suas casas. Pedem desculpas porque não podem oferecer refeição melhor, mas Omar Diaz e Olívia Rodriguez avisam que as famílias estão se alimentando com as mesmas refeições com que se alimentam.

“São pessoas muito carentes e quando vemos as pessoas acamadas e não podem caminhar, elas ficam muito contentes porque elas falam dos problemas de saúde que têm e nós também falamos muitas coisas. Essas pessoas ficam muito agradecidas”, fala Omar Diaz.

Omar Diaz afirma que abraçar e ouvir o paciente ajuda psicologicamente os doentes e em sua cura.

“As pessoas que estão acamadas ficam depressivas. A gente fala com elas, falamos que vão melhorar a saúde. Essas pessoas ficam psicologicamente animadas, é a palavra do médico animando o paciente. Isso ajuda na cura”, diz Omar Diaz.

“Tem pacientes que dizem que bastou o médico olhar e já melhoraram. Dizem: ‘esse médico me olhou e eu já me senti bem”, afirma Olívia Rodriguez.

“Quando o médico fala, conversa é muito importante para o paciente e também é muito importante o médico escutar o que o paciente fala. Isso é muito importante para a recuperação e melhorar ao paciente”, falou Omar Rodriguez.

MÉDICA CUBANA FAZ TERAPIA CONTRA VÍCIO EM MEDICAMENTOS

A médica cubana Olívia Rodriguez Gonzalez iniciou um trabalho com 42 mulheres de uma comunidade da periferia de Barras com atividades fisioterápicas com 42 mulheres para que rompam o ciclo fármaco, vício de medicamentos para dormir, medicamentos ansiolíticos usados como tranquilizantes e contra ansiedade.

O ciclo fármaco é formado por medicamentos como o diazepan, rivotril, contra insônia, antidepressivos e ansiolíticos.

“O resultado é que as mulheres não tomam mais cinco medicamentos que tomavam, estão mais alegres, perderam peso. São 42 mulheres integradas nas atividades fisioterápicas”, falou Olívia Rodriguez.

O trabalho é realizado com mulheres do bairro Residencial Morada de Barras. São realizadas atividades físicas com as mulheres. A coordenadora de Atenção Básica de Barras, Saara Serafim, disse que o trabalho dos médicos cubanos é muito positivo no município.

“Foram muito bem recebidos pela comunidade. Hoje nós temos médicos pela manhã e tarde de segunda-feira a quinta-feira atendendo os pacientes da maneira adequada e a população está muito satisfeita.

Já estamos até ampliando a rede de atenção básica. Nós começamos com 17 equipes e nós estamos com 19. Graças a Deus estamos conseguindo isso porque, antes, nós tínhamos dificuldades com médicos porque eles só atendiam duas vezes na semana”, falou Saara Serafim, adiantando que chegou a ficar seis meses sem médicos para atender a população na atenção básica. Hoje Barras tem seis equipes do Programa Mais Médicos.

“A MÉDICA PERGUNTA, FALA E SORRI”, DIZ VENDEDORA EM PIRIPIRI

A lavradora e vendedora Maria Aparecida Ferreira, de 48 anos, estava sendo atendida no Posto de Saúde João Mariano dos Santos, no bairro Caixa D´Água, em Piripiri.

Ela vinha sendo atendida por um médico cubano que viajou de volta para Cuba e foi substituído por outra médica cubana, Maritza Duquen Labore.

Maria Aparecida Ferreira diz que os médicos cubanos dão atenção ao paciente, fazem perguntas, ficam ouvindo o que o paciente tem a dizer e sorriem.

“O médico cubano é melhor, ele dá atenção a gente, pergunta, fica ouvindo, o explica o o que gente deve fazer, orienta os exames. Eu achei melhor do que os outros, já fui atendido por vários médicos.

Os outros médicos não falavam, nem olhavam para a gente, não dava atenção, só escrevia no papel. O médico cubano ouve a gente, fala, sorri. Foi melhor, eu adorei”, falou Maria Aparecida.

A estudante do curso de Administração na Universidade Estadual do Piauí (Uespi) Laiana Moreira, de 25 anos, faz acompanhamento e controle de sua diabetes no Posto de Saúde no bairro Caixa D´Água, em Piripiri, e é atendida por médico cubano do Programa Mais Médico.

“O tratamento é mais adequado, o médico cubano dá atenção, avalia o nível de glicemia (taxa de açúcar no sangue), faz exames. A diferença entre os médicos cubanos e os outros é grande.

Eles são mais atenciosos. Dão mais atenção, perguntam o que a gente está sentindo, já os outros não, só passam os exames. Os médicos cubanos perguntam antes de pedir e autorizar os exames”, fala Laiana Moreira.

 

CONFIRA A REPORTAGEM EM VÍDEO

8 Comentários

Assinar feed dos Comentários

  1. - IP 189.59.50.234 - Responder

    Que pena!! Acho que o Cuiabá não deveria participar da falcatrua que visa enviar dinheiro do povo brasileiro para a ditadura cubana.

    Nem deveria participar de um esquema de exploração de pessoas.

    Mas o Ministério Público do Trabalho já está trabalhando numa medida judicial a ser proposta para acabar com essa negociata.

  2. - IP 201.22.168.159 - Responder

    Agora sim,com os médicos da TABAJARA CUBA, seus problemas acabaram!

  3. - IP 177.221.96.140 - Responder

    Vamos fazer uma coisa, eu intermedeio a contratação de 14.000 pessoas com um salário de R$ 10.000,00, recebo os 10.000,00 e entrego a cada um deles apenas 2.500 e embolso R$ 7.500,00 de cada um, dá R$ 105.000 por mês, mais de um bilhão por ano.

    Qualquer pessoa que tentar fazer isso será acusado de exp´loraç~]ao de mão-obra-escrava.

    Mas os facínoras assassinos e ditadores cubanos podem.

    Cadê o Ministério Público do Trabalho?? Dizem que o MPT está trabalhando no caso, mas está demorando muito.

  4. - IP 189.72.211.37 - Responder

    Parabéns ao município de Cuiabá.

    • - IP 177.221.96.140 - Responder

      Parabens aos facínoras autoritários, assassinos sanguinários, da ditadura sanguinária de cuba, que tão bem está sabendo levar os dinheiro do povo brasileiro.

  5. - IP 189.72.211.37 - Responder

    Indignado, continue assim, vingativo e odioso, embargante, que você vai longe.

    • - IP 177.221.96.140 - Responder

      E você, continue feliz com o dinheiro do Brasil que vai para financiar a morimbunda ditadura cubana.

      Nunca vi petista que seja de fato democrata.

  6. - IP 177.7.77.183 - Responder

    José, Osmir e Indignado serão os primeiros pacientes dos médicos cubanos porque estão com diarréia mental só de ouvirem falar na solução encontrada por Mauro Mendes para o problema da saúde. Essa gentinha tem ressentimento e ódio e, portanto, são doentes necessitados dos cientistas cubanos… Eu, de minha parte, vou fumar meu charuto da melhor procecência… Cuba.

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

2 × cinco =