PÁRA, PEDRO! Policiais militares e bombeiros estão se mobilizando para cobrar do Governo de Zé Pedro Taques o cumprimento da Lei 541/2014, que determinou a reestruturação da carreira e fixou os subsídios dos oficiais e praças.De acordo com o vice-presidente da Associação de Cabos e Soldados, sargento Joelson Fernandes, a lei prevê a fixação do subsídio da tropa em três tabelas, sendo outubro de 2014, maio e dezembro deste ano. “Agora, o governo está chamando os policiais para discutir porque não teria condições de pagar dezembro, e propondo dividir o pagamento em duas parcelas”. Porém, segundo Joelson, em uma das propostas feitas pelo Estado, um soldado perderia até R$ 6 mil em um ano. Já um coronel até R$ 34 mil no mesmo período. Zé Pedro, que gosta de discursar (demagogicamente?) dizendo que deve a vida aos PMs, não vacila em achatar seus salários

Pedro Taques, professor de Direito, atual governador de Mato Grosso, e Joelson Fernandes, sargento da PM, vice-presidente da Associação de Cabos e Soldados de Mato Grosso

Pedro Taques, professor de Direito, atual governador de Mato Grosso, e Joelson Fernandes, sargento da PM, vice-presidente da Associação de Cabos e Soldados de Mato Grosso

 

SEGURANÇA

Policiais militares cobram aumento

PMs vão cobrar do governo do Estado o cumprimento de lei sobre a reestruturação da carreira e a fixação dos salários de salários e praças

Tropa: em 2013, 280 militares saíram ou se aposentaram; em 2014, esse número caiu para 180
JOANICE DE DEUS
DO DIÁRIO DE CUIABÁ

Policiais militares estão se mobilizando e unindo forças para cobrar do Governo do Estado o cumprimento da Lei 541/2014, que dispõe sobre a reestruturação da carreira e fixa os subsídios dos oficiais e praças de Mato Grosso.

De acordo com o vice-presidente da Associação de Cabos e Soldados, sargento Joelson Fernandes, a lei prevê a fixação do subsídio da tropa em três tabelas, sendo outubro de 2014, maio e dezembro deste ano. “Agora, o governo está chamando os policiais para discutir (a lei), porque não teria condições de pagar dezembro, e propondo dividir o pagamento em duas parcelas”, comentou.

Porém, segundo ele, em uma das propostas feitas pelo Estado, um soldado perderia até R$ 6 mil em um ano. Já um coronel até R$ 34 mil no mesmo período.

“A tropa não aceita. A lei não é inconstitucional, se fosse (o governo) entraria com uma Adin (Ação Direta de Inconstitucionalidade). No caso de um parcelamento vai haver um desestímulo total da tropa”, acredita.

Fernandes garante que a aprovação da norma reduziu o número de policiais militares que deixaram a corporação nos últimos meses. “Em 2013, 280 militares saíram ou se aposentaram. Em virtude da lei, aprovada em julho de 2014, esse número caiu para 180 no ano passado”, afirmou.

O vice-presidente evitou falar sobre uma possível interrupção das atividades por parte dos militares nos próximos dias. Porém, reconhece que a categoria está bastante descontente. “O governador (Pedro Taques) até hoje não falou que não vai pagar. Inclusive, durante a campanha ele garantiu que ia manter a lei, mas a equipe econômica fala no parcelamento. Queremos uma posição do próprio governador e, após, vamos chamar a tropa para assembleia e, se não tiver aumento, não sabemos o que pode acontecer”, ponderou.

Vale lembrar que apesar de existir um impedimento legal, PMs de vários Estados brasileiros entraram em greve geral no ano passado. Em busca de apoio, segundo Fernandes, representantes dos militares se reúnem na tarde desta quarta-feira com o deputado estadual coronel Pery Taborelli.

Procurada pela reportagem do Diário, a assessoria de imprensa do Comando Geral da PM disse que o assunto deve ser tratado em nível de Estado ou Secretaria de Segurança Pública (Sesp). A reportagem não conseguiu manter contato com a assessoria da Sesp.

2 Comentários

Assinar feed dos Comentários

  1. - IP 177.193.163.246 - Responder

    e os 6,22% do reajuste dos servidores? vai sair? enock divulgue ai!

  2. - IP 177.203.40.84 - Responder

    A PM votou em massa em Pedro Taques e agora recebe a parte que lhe cabe nesse latifúndio. Apenas mais um beiço de Dom Pedrito.

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

quinze + 5 =