Nunca houve mulher como Rita Hayworth

Nunca houve uma mulher como Rita Hayworth: 25 anos sem a eterna ‘Gilda’
Atriz se transformou em uma lenda do cinema usando como base a sensualidade e musicais

Filha de um dançarino espanhol, Margarita Demorado deixou de ser uma simples dançarina de Tijuana para se transformar em mito como Rita Hayworth, a atriz que erotizou Hollywood e morreu de vítima de Alzheimer há 25 anos.

Sua carreira artística – conduzida pelos patrões do “star system”, fórmula maquiavélica da indústria de cinema para fabricar estrelas -, começou de maneira forçada pelo seu pai e foi moldada pelos estúdios cinematográficos até começar a dar frutos na década de 1940.

O filme Ao Compasso do Amor (1941), marcado pela parceria com Fred Astaire, deu muita fama e reconhecimento a atriz, que, por sua vez, chegou a virar capa da revista Time. Mas, somente em 1946, com Gilda, a atriz começou a se transformar em uma lenda a base de sensualidade e números musicais, a chamada “deusa do amor”.

Filha de Volga Haworth e Eduardo Demorado, que tinha chegado aos EUA em busca de melhores condições cinco anos antes, a atriz nasceu em Nova York, no dia 17 de Outubro de 1918. A jovem de origem hispânica estreou como dançarina aos 12 anos no grupo fundado por seu pai, The Dancing Demorados. Com este, a atriz se mudou para Tijuana (México) com a intenção de se aproximar do florescente mundo da sétimo arte.

Aos 16 anos, a então Margarita fez sua primeira aparição nas telas com o filme mexicano Cruz Diablo e conseguiu atrair a atenção de um executivo da Fox que a conduziu em direção às grandes produções com Dante’s Inferno (1935).

Até 1937, Margarita ainda não havia mudado seu nome de Demorado para Hayworth, uma decisão que chegaria depois que seu primeiro marido, Edward Judson, alcançasse um contrato com a Columbia Pictures. A partir do acordo com o produtor Harry Cohn, a atriz se transformou em Rita Hayworth.

Desta forma, a nova Rita se desfez de suas referências latinas para deixar a imagem de exótica e poder receber papéis principais, incorporou uma “y” no sobrenome de sua mãe por motivos comerciais e mudou todo seu visual, tingindo seus cabelos de ruivo.

A atriz também que teve que perder muito peso para se enquadrar no perfil de Hollywood, onde suas curvas marcariam os padrões de beleza por mais de uma década.

 

FONTE ESTADÃO

Categorias:Gente que faz

Sem comentários. Seja o primeiro a comentar

Assinar feed dos Comentários

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

treze + nove =